Da gripe A

Aceitando o repto de João Gonçalves diria que o estalinismo foi a gripe A do comunismo. Uma doença largamente mediatizada, de que muito se fala (na maior parte das vezes) sem grande conhecimento, e que parece não estar a ter os resultados previamente anunciados.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

52 respostas a Da gripe A

  1. José Raul caires diz:

    Rafael: é através do nosso papel de grilos falantes e da participação cívica, à medida das nossas possibilidades que poderemos contribuir para a construção de uma sociedade mais justa. Não acredito em vias revolucionárias. Contêm sempre alguma dose de despotismo.

    Não me conformo com a realidade, apenas acredito que é possível mudá-la por outras vias…

  2. rafael diz:

    Caro José Raul caires

    essa, provavelmente, será a nossa diferença. Eu nao acredito que a infraestrutura organizativa e social que pressupoe a sociedade contemporanea quanto à repartiçao da propiedade possa desembocar numa democracia social, politica e economica, logo está ferida de morte no seu âmago. E esse é um despotismo intrinseco que nenhuma reforma, por muito profunda que seja, pode contrariar.

Os comentários estão fechados.