As palavras e as coisas: «virgens ofendidas»

“José Manuel Fernandes foi um director polémico, que nunca se escusou a esconder as suas ideias, mesmo quando essas entravam em contradição com o establishment mediático português. Nunca lhe perdoaram ter tomado posição a favor da guerra no Iraque e as suas simpatias por George W. Bush, um crime neste país de virgens ofendidas.”

Nuno Gouveia, 31 da Armada

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a As palavras e as coisas: «virgens ofendidas»

  1. Renato Teixeira diz:

    Imperdoável portanto… Se ao menos a saída de JMF da direcção significasse uma efectiva mudança da linha editorial do Público…

  2. ezequiel diz:

    apoiar a guerra do Iraque
    sentir simpatia pelo W

    deve ser homem inteligente, este Sr. José Manuel!!

  3. Spartakus diz:

    E pese tudo, de Abu Graib a Guantânamo, nada que se compare a Madrid, a Londres, à morte de Theo Van Gogh, às caricaturas de Maomé. Ou sendo comparável não é justificação para a manutenção de um Saddam. Ou, agora, de um Karzai apoiado pelo impoluto nobel, o Obama. Acho eu que pouco já acho.

    Cumprimentos.

    Spartakus.

  4. ezequiel diz:

    Spartakus

    A guerra do Iraque e a do Afeganistão, Abu Graib e Guantânamo tem ajudado os terroristas sobremaneira. Os Yanks queriam eliminar “santuários” mas deram-lhes duas causes célebres e dois fantásticos campos de treino (além de forçar muitos radicais a procurar refúgio no Paquistão, país que possui a opção nuclear). Os ataques a Madrid e Londres não podem justificar a mais contraproducente das imbecilidades. A Sr. acredita que os Yanks foram para o Iraque para dar cabo de um ditador implacável? O Natal está quase aí. Por onde anda o Pai Natal?

  5. ezequiel diz:

    Como é que podem existir pessoas que acreditam que a política estrangeira dos EUA (ou a de qualquer país) é guiada pelo nobre propósito de eliminar ditadores!? Faz-me confusão.

  6. Spartakus diz:

    Não me passa pela cabeça que os USA se preocupem em fazer guerras para libertar ninguém. Viu-se na segunda guerra mundial. Ou na Coreia. Como também sei que o terrorismo islâmico é uma ” invenção ” da CIA em colaboração com sauditas e paquistaneses. O monstro escapou ao criador. Mas sei que para a maioria do povo iraquiano, xiita, a queda do Saddam, velho aliado dos USA enquanto foi útil, até nem foi coisa má. Como sei que 2 e 2 não são 4 e em política são quase sempre 22.

    Cumprimentos.

    Spartakus.

Os comentários estão fechados.