Voltem, por favor, Reagan, George Bush e George W. Bush que estão perdoadíssimos

(A ler, uma edição da Verso, 2008)

Se produjo así el extraño caso de que Estados Unidos, por un lado, autorizó los viajes del mayor número de personas portadores del virus y, por otro, prohíbe la adquisición de equipos y medicamentos para combatir la epidemia. No pienso, desde luego, que esa haya sido la intención del gobierno de Estados Unidos, pero es la realidad que resulta del absurdo y vergonzoso bloqueo impuesto a nuestro pueblo. (Fidel Castro)

A m….. do “arrastão” (de um tipo que por lá anda e tenta ecoar os outros) continua a atacar Cuba e Fidel Castro de qualquer maneira e a legitimar (subtilmente, mas sem graça) o bloqueio de décadas à ilha.

O anticomunismo desta gente faz-me preferir ler e dissecar os verdadeiros neo-conservadores, os Kristol (William e Irving), por exemplo. É que pelo menos estes têm um pensamento, uma teoria e uma escrita.

O Samuel, no Cantigueiro, já respondeu e bem ao “arrastão” (mostrando a tresleitura do texto de Fidel, que aliás completa, pois Fidel comenta a Gripe A no México, em Espanha e no Canadá e não apenas nos EUA: De esta forma resultó que los cuatro países que más generan turismo o viajes a nuestro país por otras causas, eran aquellos en los que, en mayor grado, se había extendido la epidemia en el mundo.)

Eu gostava era de ver o pateta do “arrastão” que gozou com Fidel a comentar a situação de um país como Cuba, bloqueado, e a ter de combater a Gripe A. Isso é que o “arrastão” devia fazer. Mas não. O que é que estes tipos querem??

(Adenda 20h: ponto 1 – um ex-líder de um estado constata, de forma neutra, que os 4 países mais afectados pela Gripe A são os maiores clientes do turismo do seu país; ponto 2 – afirma ainda, justamente, que desses quatro países um deles exerce sobre o país que dirigiu, um bloqueio de décadas. E há quem com isto faça humor…)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

67 respostas a Voltem, por favor, Reagan, George Bush e George W. Bush que estão perdoadíssimos

  1. A.R.A diz:

    Hasta la Vitoria Siempre! (por muito que custe a muito boa “gentinha”)

    A.R.A

  2. Luis diz:

    “Hasta la Vitoria Siempre! (por muito que custe a muito boa “gentinha”)

    Claro que custa e muito. Ainda hoje, quase 20 anos depois, devem estar a coçar a cabeça a perguntar como é que Cuba e a Coreia do Norte resistem depois da desintegração da URSS…

  3. não invoca esta postagem a volta dos republicanos?
    não foi cuba liberta durante um governo democrata nos estados unidos?
    não foi o grande patrício galego que eventualmente fez um grande adeus a Kennedy, Che e Agostinho Neto?
    não começou com o pretexto de corrigir o empurrão?
    isso… destroi então com Lezama Lima a causalidade aristotélica em função da busca e encontro do incondicionado, da imaginação criadora.

  4. rui david diz:

    O Rafael faz um comentário pertinente ao contextualizar Cuba na América Latina. Também me parece que não se pode “ler” a situação nessa região com os mesmos olhos com que vivemos a situação europeia.
    Quando se fala em exploração brutal, não se trata de uma metáfora em grande parte do continente. Brutalidade, racismo, oligarquias sustentadas por mafias da droga e grupos para-militares de extrema direita.
    O que aconteceu à Argentina há uma década deve servir-nos a nós europeus de aviso. Um Presidente corrupto envereda por uma via decididamente “liberal” a que se seguiu um tratamento de choque do FMI e foi a catástrofe de que ainda hoje não se recuperou. Faremos bem em lembrarmo-nos disso quando vierem os morcegos do “déficite” alertarem para destruir o estado em nome de uma economia “sã”.
    A questão, no entanto, é que Cuba “resiste” e apresenta índices aceitáveis para a América Latina. Consegue ser o melhor entre os muito maus e é deprimente que seja apresentada como um modelo.
    Mesmo assim, comparar Cuba à Coreia do Norte, como faz o luis, é ofensivo para Cuba. Mas o luis apanhou um esgotamento a estudar o “pensamento zuche” e ficou… zuca.

  5. M. diz:

    CV,

    Posso tecer um breve comentário ou vou ser censurada e/ou maltratada?

    Este seu título tão irónico e apelativo é excessivamente hiperbólico… Tenho a sensação de estar perante uma espécie de Mega-Lavandaria, tipo 5 à Sec (passo a Publicidade).
    Uma coisa é figuras políticas que fizeram muito mal à humanidade, mas já passaram à história encontrando-se, de momento, em estado latente (mas – não esquecer – com os resultados da sua desumanidade à vista desarmada), outra coisa é branquear e convidá-los a regressar, com absolvição e tudo… Só porque alguém ainda consegue/parece ser pior ainda do que outros, toca lá de branquear??
    Sou contra branqueamentos!!!
    Não tarda nada, vamos desculpar e abençoar o nosso amigo comum Herr Hitler???
    Francamente!

  6. xatoo diz:

    obviamente, comparar o pior país da Europa (o tal do lugar crónico na cauda da dita) com paises da América Latina é desajustado (Estes sofreram 500 anos de colonialismo europeu e yankee enquanto Portugal só leva ainda 300 anos de subjugação da Grâ-Bretanha). Porém, já basta a própria ousadia a que os comentários conduziram, para a comparação significar alguma coisa…
    E um dado adquirido em Cuba é qualquer coisa como segurança de vida. E nós? no que respeita a esse indice, como estamos por cá?

  7. Luis diz:

    “Mesmo assim, comparar Cuba à Coreia do Norte, como faz o luis, é ofensivo para Cuba.” ???

    Apenas disse e repito que ainda hoje, quase 20 anos depois, (os norte-americanos) devem estar a coçar a cabeça a perguntar como é que Cuba e a Coreia do Norte resistem depois da desintegração da URSS… porque quer queira quer não queira ambos tinham laços privilegiados com a URSS e “abandonados” de um dia para o outro ambos conseguiram resistir e manter a sua soberania. Este é um facto que qualquer um pode verificar e que me dá que pensar. Não creio que o Rui David me proíba de pensar, certo?

  8. Carlos Vidal diz:

    M. de Madalena, quem é que eu estou a branquear?

    Eu só disse que, sobre Cuba, o pateta do “arrastão” tem a mesma posição que os Bush e o Reagan. Foi isso que eu fiz, não foi?
    (Eu nunca branqueio nada.)

  9. The Studio diz:

    ” Eu só disse que, sobre Cuba, o pateta do “arrastão” tem a mesma posição que os Bush e o Reagan. ”

    O pateta do “arrastão”? Qual deles? São três.

  10. rui david diz:

    Luis já percebi que és um grande pensador. Queira Deus que continues a pensar por muitos e bons anos e em total liberdade usufruindo plenamente dos direitos ilusórios e pretensamente democráticos da democracia burguesa em que vivemos. Faço uma forcinha para isso.
    Voltando à vaca fria concluo que também tu te escusas a comparar Cuba com a Coreia do Norte. E com bastas razões. Um é na ásia, outro é no caribe, um grande e continental, o outro uma ilhazinha, num fala-se espanhol, no outro…etc. Enfim, não podemos comparar países, excepto um… Portugal é sem dúvida o pior país da europa, (para ficarmos por aqui) do atlântico aos urais. Só Portugal é comparável com os demais… infelizmente para mal da nossa auto- estima.
    Pois eu não me preocupo tanto com a parte do corpo que os americanos coçam, preocupo-me mais com que se coçam os cubanos que precisam de viver do mercado negro, querem sair de cuba e não os deixam e os desgraçados que morrem à fome nos campos coreanos.
    Claro que tudo isto são “inventonas” da imprensa burguesa que mente sobre tudo excepto quando divulga notícias que nos tranquilizam, como estudos garantindo que afinal, tanto alarido, e “só” quatro milhões de patuscos foram (como diria o grande Berlusconi) “tirar férias” ao Gulag.
    Isto tudo no entanto são trocos comparados com a constatação de que o episódio Bernardino-Coreia não foi um mero lapso ou um deslize momentâneo como eu na altura ingenuamente pensei.
    Que haja pessoas que garantam que não interessa ao Pai Natal discutir os gulags passados ou presentes e o que interessa é “olhar para a frente”, é motivo de preocupação adicional.
    A graça que eu acho ao comentário do xatoo é que me fez lembrar uma saída do Jerónimo de Sousa no recente debate com o Sócrates. Disse o Jerónimo a dada altura que a nossa economia é atrasada, que os efeitos da crise não se fizeram sentir de forma tão brutal como noutros, mas que na hora da recuperação os países mais desenvolvidos vão recuperar mais depressa. E a questão é pura e simplesmente essa: muita conversa, mas na hora de comparar mesmo que subjectivamente indices de desenvolvimento, quer seja o mais empedernido liberal quer seja o chefe do PC, quer seja o xatoo, toda a gente sabe quem são os países desenvolvidos. E que me conste ninguém aponta para Cuba ou a Coreia do Norte e respectivos regimes salvadores. Ninguém aponta para a “resistente” Bielorrússia, ou sequer para a Rússia.

  11. M. diz:

    M. também é de Maria, Maria Madalena (bonito nome!)
    Não frequento o Arrastão, uma imperdoável lacuna na minha cultura geral…
    Fico feliz por o Sr. Prof. não branquear as “figurinhas” do passado, eu também não.
    Posso até distanciar-me muito de águas passadas, mas detergente e branqueador só mesmo para a roupa.

  12. Luis diz:

    Mas de facto, dá mesmo para pensar como é que quase 20 anos depois da desintegração da URSS, Cuba e a Coreia do Norte continuam a resistir e aparentemente com mais determinação.

    Parece que o Rui David também ficou a pensar no assunto. Se concluir alguma coisa, agradecia-lhe que me informasse.

  13. Luis diz:

    Não revela grande critério estando a discutir questões de nem há vinte anos atrás, vir contra-argumentar com questões do final dos anos 30, isto é com 60 anos de distância. Que tal actualizar a K7, Rui David?

  14. Carlos Vidal diz:

    The Studio, o pateta do “arrastão” a que me refiro é aquele que julga que rabisca.

  15. rui david diz:

    “aparentemente” com mais determinação? Ó luis, há dúvidas?
    É a burguesia que vive das aparências.
    Pah cuidado, não vais agora dar armas à burguesia não?
    Vai uma ajudinha: é, “Evidentemente com mais determinação”.
    Mesmo que fosse o caso dos “mais de 60 anos” e dos “nem há vinte anos” ( que também o é) a Coreia do Norte é (também) AGORA.

  16. Luis diz:

    “há dúvidas?” Sobre a Coreia do Norte pouco pesco, confesso a minha ignorância. Já quanto a Cuba, aqui há uns anos até lá fui de propósito para tirar dúvidas. E como não sou megalómano prefiro o aparentemente com mais determinação.

  17. O Pedro Vieira esteve mal mas,
    pior do que o anti-comunismo só mesmo a desculpabilização do terror soviético. pior é não haver uma palavra firme de indignação perante os gulags, a grande fome ucraniana ou o KGB. pior só o silêncio perante o total desvirtuamento do socialismo de diversos regimes totalitários.

    Apesar de tudo, o bloqueio não pode servir sempre de desculpa.

Os comentários estão fechados.