CONFIA


(José Penedos – fotografia de José Sena Goulão retirada daqui)

Em Madrid a acompanhar a comitiva do presidente da República, José Penedos, antigo secretário de Estado de Guterres e actual presidente da REN, será constituído arguido quando regressar a Portugal, no âmbito da operação Face Oculta. Fonte ligada ao processo que investiga suspeitas de corrupção e favorecimento da empresa O2 em concursos de empresas participadas do Estado confirmou haver indícios que envolvem José Penedos.

“Já ontem outro antigo ministro de Guterres, Armando Vara – forçado a demitir-se devido ao escândalo da Fundação para a Prevenção e Segurança – foi envolvido no processo “Face Oculta”. Pela sua posição de influência junto dos gestores públicos, terá tentado intervir nos concursos. É pelo menos nesse sentido que aponta uma escuta referida nos documentos que ontem acompanharam os mandados de busca. Terão sido oferecidos a Armando Vara dez mil euros para ajudar a O2.”

Varas, Penedos e afins, fazem parte dessa mole de inimputáveis que circula de nomeação em nomeação, e que só por mero acaso ou desobediência não contarão com o firme apoio do chefe do pântano, que Guterres não aguentou.
Já estão no prelo dezenas de opiniões para abafar os factos e que ora versarão sobre uma alegada campanha negra, ora sobre a inveja por “carreiras” de sucesso, entremeadas por inflamados argumentos sobre a inocência do Homem até que se prove o contrário ou sobre a ineficácia de gravações telefónicas enquanto meio de prova em tribunal… até que falhe a memória colectiva e a prescrição os ilumine.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a CONFIA

  1. Rosinha diz:

    A tragédia maior é vivermos num País onde já nada disto espanta ninguém. Porque se banalizou, porque passou a ser ” o prato do dia”.
    O que é grave, é sabermos que nada disto vai ter consequências. Excepção para os média, que têm noticias.
    A justiça, nestes casos, não é cega. Tira a venda, e vê bem quem julga. Os actos, ou melhor, os crimes, não contam. Sobrepõe-se a posição social , política,e de influência dos indivíduos.
    É neste ponto que estamos.
    Li hoje que os famosos penalistas portugueses, Germano Marques da Silva e Costa Andrade, “arrasaram” as acusações e a validade das provas no julgamento de Isaltino Morais. Que irá ser absolvido na superior instância.
    De instância em instância, cada vez se rouba mais no País. Os grandes ladrões ,e burlões tomaram conta do Estado. Roubam-nos a todos, mas ninguém se escandaliza … É tudo aceite como normal.

  2. xatoo diz:

    na árvore capitalista quem melhor Vareja é quem papa a cereja
    pode parecer incrivel, mas ando agora a descobrir que o verdadeiro papel da Stasi na RDA era precisamente o de combater este tipo de criminalidade

  3. antónio diz:

    Desamen.

    Sobre o Vara, não sei nada, pode ser que sim ou que não.

    O Zé Penedos é uma história diferente, fui colega dele na fac., lembro-me muito bem dele, peço desculpa, as pessoas até podem mudar (eu não fui para o PS) mas até melhor prova eu não acredito.

    Hoy dia, também qualquer imbecil dix umas merdas e queima qualquer um…

    :-((

  4. Aguardo pela douta opinião do professor de Coimbra meu Deus, para perceber se estamos perante uma “roubalheira”, que terá em caso afirmativo de ser forçosamente associada ao PS. Quem tem telhados de vidro…

  5. Tiago Mota Saraiva diz:

    antónio, até pode ser tudo bons rapazes só que aparecem sempre no sítio certo à hora certa

  6. Pingback: uberVU - social comments

  7. ruy diz:

    A Sovenco, criada em 1990, era uma Sociedade de Venda de Combustíveis. A sua constituição: Armando Vara, Fátima Felgueiras, José Sócrates, Virgílio de Sousa.
    Armando Vara – condenado a 4 anos de prisão (pena suspensa)
    Fátima Felgueiras – condenada a 3 anos e três meses de prisão (pena suspensa)
    Virgílio de Sousa – condenado a prisão por um processo de corrupção no Centro de Exames de Condução de Tábua
    (Blog Sonhos perdidos 11.02.05)

    Armando Vara, quando era secretário de Estado adjunto do ministro da Administração Interna, recorreu ao director-geral do GEPI (Gabinete de Estudos e Planeamento de Instalações do MAI) e a engenheiros que dele dependiam para projectar a moradia que construiu perto de Montemor-o–Novo.Para fazer as obras serviu-se de uma empresa e de um grupo ao qual o GEPI adjudicava muitos dos seus concursos públicos.Com 3500 contos (17.500 euros) o actual administrador da Caixa Geral de Depósitos e licenciado pela Universidade Independente tornou-se dono, em 1998, de 13.700 m2 situados junto a Fazendas de Cortiços, a três quilómetros de Montemor-o-Novo. Em Março de 1999 requereu à câmara o licenciamento da ampliação e alteração da velha casa ali existente.
    Onde a história perde a banalidade é quando se vê quem projectou e construiu a moradia. O projecto de arquitectura tem o nome de Ana Morais.
    O alvará da empresa que fez a casa diz que a mesma dá pelo nome de Constrope.A arquitecta Ana Morais era à época casada com António José Morais, o então director do GEPI, que fora assessor de Armando Vara entre Novembro de 1995 e Março de 1996. Nessa altura, recorde-se, foi nomeado director do GEPI por Armando Vara – cargo em que se manteve até Junho de 2002 – e era professor de quatro das cinco disciplinas que deram a José Sócrates o título de licenciado em Engenharia pela UnI. A Constrope era uma firma de construção civil sediada em Belmonte, que também trabalhava para o GEPI e tinha entre os seus responsáveis um empresário da Covilhã, Carlos Manuel Santos Silva, então administrador da Conegil – uma empresa do grupo HLC que veio a falir e à qual o GEPI adjudicou dezenas de obras no tempo de Morais.
    (Publico 20.04.07)

  8. Campanha Negra é o que é!!!! Isto é tudo malta genialmente honesta que subiu na vida e enriqueceu com muito trabalho, muito trabalho! Ah! E muita honestidade também.

  9. À escolha das 6 primeiras letras da palavra CONFIANÇA podia contrapor-se a escolha das 6 últimas…

  10. Pingback: Vestigios da República Democrática Alemã « Aldeia Vermelha

Os comentários estão fechados.