Trinta anos de esforços

Ele estava no bolso direito das calças quando o ouvi tocar: “-Olá, sou eu. Era só para te pedir que me tirasses daqui; o teu órgão não se mexe há semanas e deita um cheiro a podre que está a tornar-se insuportável”. Foi preciso o prometido choque tecnológico para chegarmos a isto: conversas com um telemóvel sábio que dá dicas úteis e ainda analisa o dono pelo preço de um SMS. Seja: eu reconheço que a minha líbido anda por baixo, mas é por causa dos anti-depressivos: durante o dia é só rir, e depois à noite não tenho ponta para quase nada (será isto uma mensagem subliminar do Criador, para a gente não pensar que o sexo é uma brincadeira?). De resto, vou fazendo a minha vida videirinha, sem dar razões de queixa a ninguém: os meus textos andam certinhos, rasteiros porém certinhos, e é disso que o público gosta: “omnia nimia nocent” – ou seja, no latim vulgar do meu chefe, “o que é demais só atrapalha”. Enquanto não arranjo uma gaja que trate de mim a tempo inteiro, arranjei uma camponesa que me orienta a casa; ela diz que anda em arquitectura e eu finjo que acredito, porque eu também acho (por razões diferentes das suas, claro está) que a rapariga é artista. A moça vem da Beira Baixa, região que o progresso aproximou da capital com resultados funestos (quando a viagem demorava seis horas, em vez das três que demora hoje, ela lia duas vezes mais), e já se interessa por coisas difíceis, tipo arte contemporânea e agricultura biológica; eu digo-lhe que sim a tudo, enquanto como o requeijão que ela traz, e que é óptimo (embora evite a arte, que é uma maçada), mas sinto que não vou conseguir agarrá-la por muito mais tempo: é só aparecer um gajo com pachorra suficiente para trocar uma missa por Paris, ou uma vernissage por uma queca, e aí vai ela, rumo àquilo que lá na terra dela passa por ser a grande vida, e aí é deixá-la ir, e começar a aparecer de novo vocês sabem aonde para ver se aparece outra que tal. Vou ao psicanalista todas as semanas, mas ainda não descobri quem é que mais me lixou: se o meu pai castrador, se a minha mãe permissiva, se a minha ex-, que me ora me despreza, ora me implora, e em qualquer caso me explora; o shrink custa-me tão caro como ela, quase uma renda, e não me deixa mudar de carro (o que tem consequências negativas sobre a minha capacidade de engate), mas eu não desisto de conseguir um dia enfrentar a vida, escrever a grande obra para a qual nasci e encontrar a gaja que nasceu para mim: mais trinta anos de esforços e acho que estarei pronto.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a Trinta anos de esforços

  1. antónio diz:

    Espantoso !!
    🙂

    Finalmente uma pessoa que escreve em português aqui…
    Fiquei tão impressionado que nem me consigo lembrar bem do que ele disse, mas há sempre segundas vindas, segundas leituras, tudo.

    C’um caraças !

    Os meus sinceros parabéns, António Figueira, e tu , ó loira com um doutoramento (tirado na feira de Carcavelos ?) vai-te… pois.

    :-))

  2. Raul diz:

    Fantástico. Muito melhor que aturar gajos de direita ressabiados. Gajos de esquerda que o que mais querem é gulags em portugal e xuxalistas que não aguentam um gramofone em defesa do povo porque lhes fura os timpanos.

    Vai em frente home de dieus e encontrarás a tua musa que será a tua shrink enquanto tomas o teu viagra.

  3. c diz:

    suponho que se andaram a esforçar muitissimo para esconder que sexo é uma brincadeira. mas é. é a brincadeira reservada aos adultos. toca de ir brincar. se não brincar a sério a maria vai de certeza para a vernissage , é que as garinas somos mesmo muito brincalhonas. de aí o esforço todo dos maneis deprimidos em fazer de sexo pecado. e em dar como exemplo de feminilidade a seguir a virgem maria . mas o saramago…já desmontou a cabala masculina. graças a deus.

  4. ezequiel diz:

    c,

    a verdadeira cabala é a de oferecer a cada mulher verdadeiramente brincalhona um enorme par de cornos… preferivelmente com a generosa ajuda das suas melhores amigas. as amigas são sempre muito solidárias. LOL

    deixa lá a virgem maria em paz. ela também devia ser uma grande brincalhona. e, como é sabido, Jesus era um gajo tesa pa foda!! só a Madalena é que o satisfazia. LOL 🙂

  5. dótora de urgência no 112 diz:

    António, ligastes para o 112?

    Aqui venho eu, tentar dar uma ajudinha.

    Deixa o psicólogo ou psicanalista, e inscreve-te mas é num ginásio!
    E deixa de escrever estes textos tão introspectivos,numa fase down, não são benéficos para ti…

    Quanto à camponesa,aproveita enquanto não se larga para Paris, e aprende com ela a fazer qualquer coisinha em casa…cozinhar, limpar, bá blá blá.

    Porque, gajas que tomem conta de um gajo a tempo inteiro… só mesmo a mamã de cada um…

    Anda para a frente. É preciso terminar etapas para poder começar novas etapas.

    Força!

  6. Pingback: cinco dias » Tomasi di Lancaster

Os comentários estão fechados.