Versículos satânicos

As reacções extremamente agrestes ao que diz ou escreve Saramago acerca do Antigo Testamento são compreensíveis, mas nem por isso muito convincentes.

No Público, Miguel Carvalho diz que “são testemunho de um espírito jacobino, sectário e intolerante.” Registe-se que Miguel Carvalho considera «jacobino» um termo depreciativo sem que se perceba muito bem porquê. Conhecerá este jornalista o suficiente acerca da revolução francesa, e do que se lhe seguiu, para enunciar estes termos como se de sinónimos se tratassem? Mais um esforço, cidadãos, se quereis ser republicanos.

O Daniel garante que “os cristãos sabem que a Bíblia não é um compêndio de história” o que, sendo reconfortante, não é inteiramente óbvio. Bem sei que os há de todos os tipos, mas o Daniel seguramente não ignora o debate em curso nos EUA entre o criacionismo e a teoria da evolução. O plural é assim bastante majestático. Cristãos há que «sabem» que a bíblia diz realmente tudo aquilo que se passou, com um rigor muito superior ao de qualquer livro de história, pela simples razão de que a inspiração divina  providenciou à sua escrita e transmitiu-lhe algo da omnisciência que é própria do criador. Já agora, «os cristãos» saberão que o Sol não rodou várias vezes no céu de Fátima em 1917? 

Através da Ler cheguei, entretanto, a uma súmula com várias reacções às palavras do Nóbél. E devo dizer que o balanço é extremamente positivo.  Não é todos os dias que se pode ouvir dizer a um padre  que a Bíblia é como qualquer outra obra de literatura, comparável aos Lusíadas ou à Divina Comédia, como faz Tolentino Mendonça. Faltará o corolário lógico e fundamental, ou seja, que a bíblia é apenas um livro ao nível de qualquer outro grande épico,  fundamentalmente uma obra de ficção. Seguramente dormiremos mais descansados quando a igreja católica lidar bem com esta assunção. Até lá, a bíblia servirá sempre para justificar a proibição do aborto ou o combate à homossexualidade, a sacralidade do matrimónio ou outra qualquer reaccionarice beata que se queira, contando por baixo com a assinatura de deus.

O melhor de todos é o Rabi de Lisboa, que se esforça por ser  claro. Diz ele, no plural, que os seus correligionários acreditam na bíblia há milhares de anos e que vão continuar na sua fé sem ter a mínima dúvida de qual vai ser o seu caminho. Repare-se bem nos termos-chave «há milhares de anos» e «sem ter a mínima dúvida». Eles chegam para perceber que Saramago acertou nalgum sítio bem delicado.

Um bliblista (?) como o Padre Marujão conclui, desejando que se promova “muito mais a cultura bíblica” e o conhecimento de um texto em que “Jesus até manda amar os inimigos”. E aqui estamos no domínio da sonsice mais pura. É que se Jesus manda amar os inimigos, fá-lo (curioso termo) contra o que era a tradição das escrituras e em contra-mão relativamente à cultura judaica. Foi acusado de blasfémia e apostasia, e por isso condenado pelo Sinédrio.

O antigo testamento é um conjunto de textos cheios de sofrimentos, agressões, sacrifícios e violências variadas – próprio do tempo em que foi escrito e do propósito de quem escrevia. Clarificar a sua interpretação pelas religiões do livro  é, desde já, um incontornável mérito de Saramago.  Gostei em todo o caso das referências episcopais ao seu «inegável mérito literário».  Não foi seguramente nesses termos que a cristandade acolheu uma obra enorme como é «O evangelho segundo jesus cristo».

Diga-se, aliás, que qualquer tentativa de remexer pedras no passado cristão é acolhido com imediata hostilidade por parte dos meios eclesiásticos, sejam quais forem os termos usados e as metodologias empregues. Bem sei que o armário é enorme, mas por vezes basta entreabrir a porta para que dele caiam os esqueletos. Dizem-nos que Saramago escreve motivado pelas suas convicções ideológicas.  Será que não o fazemos todos?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Versículos satânicos

  1. Alx diz:

    Claro que o fazemos todos! E, essencialmente, por defeito educacional ou de percurso de vida… Eu, confesso, acho piada a este Saramago. Mesmo não acreditando em Deus, lá se vai “aproveitando” economicamente da “ilusão da Sua existência”… E conseguindo uns rios “baratos” de publicidade. DE qualquer modo por muito que a anatemize, tenho a certeza, que tocará ainda, e para o bem, muito mais vidas do que qualquer escrito do velho nobel…
    Quanto ao facto de os católicos não lerem a Bíblia, é verdade. Mas alguns ouvem-na. E escutam-na comentada. O que no panorama da nossa capaciade nacional, concretamente, é um caso único de celebração Cultural.

  2. antónio diz:

    A Bíblia é um livro de aventuras.
    O Velho Testamento é mais interessante que o Novo.
    Li isso quando era realmente pequeno, e estava de cama com papeira, rubéola, ou as duas, 30 dias isolado no quarto.
    E em “papel-bíblia” e tudo.

    🙂

    Sobre o Saramago e o livro dele, copy/paste de qq.coisa que escrevi noutro lugar, não acho que o assunto mereça mais:

    ______________________________________________________

    “Agora parece que o Saramago e a igreja(?) estão outra vez de candeias às avessas.

    Devo confessar aqui: nunca gostei de ler o senhor (nem mesmo quando ele era meu vizinho na Madragoa e vivia com aquela escritora horrível, Isabel da N.), portanto vou ficar à espera que me informem se o Caim… Cain… ou wtf tem algum interesse ou se é só ‘hype’.

    Entretanto vou reler o Cardoso Pires, ou o Dinis Machado, ou mesmo o Mário Zambujal.

    Sorry, boys & girls, o p.c. nunca foi o meu ‘strong suit’, e não é agora que vai começar a ser.”

    ______________________________________________________

    :-))

  3. Pingback: Digno de Nota | hypergate | deixis.org

  4. Jose Manuel Vieira diz:

    Só lamento que Saramago,e devido á sua idade,não possa continuar por muitos e muitos anos a ser o arauto do nosso tempo,na denúncia do que são as religiões para a Humanidade.
    Se a mensagem das religiões se baseia sempre em figuras divinas e abstractas qual delas será a real e verdadeira?
    O mundo seria bem melhor sem a alienação religiosa.
    As religiões tem todas como seu principal objectivo :PODER !

  5. antónio diz:

    J.M.V.>/b>, estás completamente ao lado e por fora…

    As ‘religiões’ nunca foram supostas ser “reais e verdadeiras”, aquilo é uma fézada, serve para as pessoas se ampararem quando o desespero se instala, querias o quê ?

    “O mundo seria bem melhor, blá, blá blá…”
    Como é que sabes, já lá viveste ??

    E olha meu caro, mais ateu que eu não há.
    E mais ignorante que tu…

    🙂

Os comentários estão fechados.