E agora, para algo completamente diferente

É já amanhã a segunda conferência do ciclo «A política para além da política», organizado pelo Teatro Maria Matos e pela Unipop. Dedicada ao tema «Políticas de identidade» esta conferência  contará com a presença do Miguel Vale de Almeida e do António Figueira.  Aqui segue o texto de apresentação.

Nas últimas décadas, a palavra identidade tornou-se um conceito recorrente no debate político. A nível dos movimentos sociais tem sido frequentemente defendida a necessidade de construir identidades que, fundindo dimensões políticas e culturais, permitam a várias figuras subalternas – colonizados, camponeses, indígenas, negros, mulheres, gays – forjar um poder de resistência e transformação que reaja às políticas de identidade dominantes, baseadas no colonialismo, no racismo, no machismo ou na homofobia. Entretanto, este identitarismo estratégico tem sido igualmente criticado pelo facto de ser incapaz de trabalhar uma alternativa que coloque em causa a própria ideia de uma política baseada na noção de identidade, deixando assim por problematizar categorias como nação, género ou família.

Tod@s e tod@s ao Maria Matos, se faz favor. Quem chegar tarde arrisca-se a não encontrar lugar sentado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a E agora, para algo completamente diferente

  1. Luis diz:

    “Entretanto, este identitarismo estratégico tem sido igualmente criticado pelo facto de ser incapaz de trabalhar uma alternativa que coloque em causa a própria ideia de uma política baseada na noção de identidade, deixando assim por problematizar categorias como nação, género ou família.”

    E classe?

  2. Ricardo Noronha diz:

    Touché. Em todo o caso Luís, parece-me que «nação, género ou família» estão mais presentes no debate político-institucional actual do que o conceito de «classe». Em todo o caso, este não deixa de ser problemático do ponto de vista político e, até, conceptual (o que é, exactamente, uma classe social?). Como estamos, a proposta de Thompson parece-me um bom ponto de partida para o debate. Está em http://www.esquerda.net/virus/index.php?option=com_content&task=view&id=93&Itemid=26
    Mas penso que o debate seguinte «A política a partir de baixo», acabará por passar muito mais por aí. Apareça daqui a uma hora e um quarto do MM. Poderá colocar a pergunta aos oradores.

Os comentários estão fechados.