Lisgoa e outras observações

A noite de Domingo estava, à partida, destinada a ser um museu de horrores e uma noite dos mortos vivos. Antecipava-se  um cenário terrífico, com inúmeros cadáveres a abandonar as respectivas sepulturas e a vaguear, incólumes, pelos ecrãns de televisão. E assim foi, mas não sem que modestas alegrias viessem dar alguma côr a um serão a todos os títulos sombrio.

Sou um desses curiosos cidadãos que contribuem para que Oeiras seja o concelho com maior taxa de licenciados, pelo menos até às próximas eleições em que, graças ao simpático Cartão do Cidadão, passarei oficialmente a Lisboeta.  Tudo isto para dizer que me desloquei  a Oeiras (a Paço de Arcos, para ser mais rigoroso) no passado Domingo para eleger um vereador da CDU, Amílcar Campos de seu nome, autarca comunista mefistofélico, incorruptível e charmoso em quem deposito toda a confiança. A miragem de despachar Isaltino estava ostensiva e irremediavelmente impossibilitada, desde logo pelo culto laico que lhe é prestado por largas fatias da população, mas também pela irredutível insignificância dos candidatos do bloco central. Assim sendo, e tendo em vista um prometido almoço matriarcal (salmão marinado em molho de limão…), fui votar, aproveitando para pôr de sobreaviso os familiares no que dizia respeito a Marcos Perestrello e à sua putativa candidatura. Não custou tanto como pensava e ao menos há no executivo camarário um Engenheiro Mecânico em tempos perseguido pelo regime e incorporado compulsivamente no Serviço Militar.” Mais a mais com experiência e obra feita como vereador dos transportes entre 1989 e 1993, época áurea da mobilidade Oeirense, adiante.

Tudo isto para dizer que Lisboa, a minha cidade, me merecia muito mais atenção e só por um lamentável lapso (foi por dias) não consegui votar aqui. Tenho várias razões para uma aproximação pragmática à questão do poder local e, mais concretamente, ao governo da cidade. Bem se vê que é para mim relevante ter um jardim encerrado com obras suspensas por falta de pagamento ao respectivo empreiteiro ou um jardim aberto e, ainda por cima, onde se servem imperiais. Nesse campo o meu raciocínio não perde de vista as pequenas diferenças e, como tal, a minha simpatia para com a candidatura de António Costa/Helena Roseta/Sá Fernandes tinha bons argumentos do seu lado.

António Costa afirmou várias vezes uma ideia que me parece distanciá-lo efectivamente da candidatura de Santana Lopes, colocando na ordem do dia uma opção de fundo que a CDU e o Bloco se esforçaram em vão por contornar. Disse António Costa que Lisboa não necessitava de grandes obras que assegurassem a este ou aquele presidente um lugar cativo na história municipal, mas de um conjunto de pequenas intervenções que, no seu conjunto, tivessem um efeito global efectivo na vida dos lisboetas. Pode não o fazer, pode ser só campanha eleitoral, pode fazer todas as cedências e capitulações aos interesses, albergar casos de corrupção. Mas um mérito teve e esse é inegável. Havia na sua campanha e no seu projecto uma efectiva ideia do que são as competências e poderes da CML, as suas potencialidades e problemas, implicações e limitações. Se para nada mais servisse, só o facto de ter centrado o debate na ideia de que  as grandes obras não são a condição de grandes cidades deu à sua campanha uma aparência de racionalidade e lógica que, espera-se, poderá durar até às próximas eleições.

António Costa concorreu efectivamente à CML com uma ideia própria de cidade. Santana Lopes também. E elas não podiam ser mais diferentes. Ruben de Carvalho e a CDU jogaram a cartada da oposição séria e responsável qualquer que fosse o vencedor. Bastou a implantação local do PCP  para fazer o resto e manter os votos suficientes para eleger um vereador.

E depois havia o Bloco de Esquerda e Luís Fazenda, eleito deputado há duas semanas atrás e que corria para, como nos dizia num jornal local do Bloco, «votar tudo o que for positivo para a cidade, mas rejeitando o negocismo autárquico». O equivoco parecia evidente desde a primeira hora. O candidato estabelecia o sentido do seu voto  na base do que poderia vir a apreciar ser positivo ou ser negocismo (notem como o qualificativo «autárquico» funciona aqui, simbolicamente, para assinalar que as autarquias são mais propensas do que outras realidades institucionais, ao «negocismo»). Não parecia muito explícito e de facto foi calculado propositadamente para que assim fosse. Já se sabe que quanto mais opaco é o programa, maior a margem de manobra para o manobrismo autárquico, mas Fazenda, a quem essas coisas nunca preocuparam muito, justificava a sua campanha com o que presumia ser a estupidez dos Lisboetas. Dizia ele que ninguém perceberia que o Bloco fosse oposição ao PS a nível nacional estando com ele coligado na CML.

[Note-se que a UDP, da qual Fazenda foi dirigente, fez parte da coligação com o PS e o PCP  que governava Lisboa, ainda em 1997, quando Guterres era 1º Ministro. Não teria feito mal a Fazenda explicar-nos o balanço político que efectuou dessa experiência e que o autorizava a fazer este diagnóstico.  Semelhante lógica inviabilizaria, por exemplo, qualquer convergência como a que ocorreu por ocasião do referendo de despenalização da IVG, mas a lógica não parece ser o forte do líder parlamentar do Bloco de Esquerda]

Fazenda não tinha qualquer programa para a cidade e isso mesmo era visível neste jornal. Um título destaca-se imediatamente. É aquele que diz «PS: um mandato falhado» e que se dispensava de entrar nos pormenores que levaram o Bloco a apoiar e a deixar de apoiar Sá Fernandes, partilhando assim pelo menos uma parte das responsabilidades pelo falhanço do mandato. Começa por dizer que o PSD manteve a maioria na Assembleia Municipal para depois dizer que houve um «jogo de passa-culpas entre os dois partidos».

Assim. Fazenda aperceber-se-à alguma vez do quanto isto se assemelha à tirada populista de que o país não anda para a frente porque os políticos não se entendem ou não querem trabalhar? Demasiado ocupado para entrar nos detalhes concretos que envolvem cada problema e os debates que o acompanham, Fazenda preferiu dizer que todos são culpados.

“O Saneamento financeiro, a reestruturação das empresas municipais, o relançamento dos serviços, tiveram apenas intervenções pontuais, e várias erradas.” Deixo de lado a duvidosa sintaxe para destacar o modo como se fala destas coisas sem nunca concretizar ao certo o que é que foi errado e de que forma teria Fazenda encarado esses problemas. Toda a campanha se resumiu a isto. Mais um exemplo? Está no site da candidatura. Diz Fazenda a propósito do Bairro do Loureiro: “o candidato do Bloco defendeu que bairros como este devem ser equipados “de todos os equipamentos necessários” e que “não basta encaixotar as pessoas” nas suas residências. […] Como exemplo dos problemas do bairro o candidato destacou: “Este bairro não tem uma caixa multibanco, não tem um posto de saúde, prometeram-lhe uma piscina, não a tem, prometeram-lhe um ginásio, não o tem (…) Este bairro, outrora tão problemático, precisa de um outro impulso, e é isso que o BE quer fazer”, sublinhou o candidato bloquista.”

Mas sem proceder ao saneamento financeiro de uma autarquia endividada, como é que Fazenda pretende fazer todas estas coisas? Não sabemos. Nunca o saberemos.

O que melhor ilustra o estado de espírito com que Luís Fazenda se dedicou a esta batalha são as prioridades enunciadas no jornal. Habitação, transportes, planeamento e revitalização. Em todas elas o discurso remete para outras realidades e competências que não as da CML, à qual supostamente o candidato do Bloco concorria.  Castigo fiscal a sério, taxas de entrada rodoviária, transportes ferroviários gratuitos. Fazenda preencheu a sua  candidatura autárquica com a sua agenda de deputado. Sobre o que faria quanto ao governo da cidade, pouco ou nada. E note-se como nos parágrafos dedicados ao planeamento e à revitalização tudo é definido pela negativa e na base da constatação. Ficamos sem saber, minimamente, o que propõe Luís Fazenda relativamente a dois temas que elegeu como prioridade. Gosto do lamento choroso relativamente aos hipermercados que não «produziram comunidade» (safa!).

Existe aqui, uma súmula das diversas propostas autárquicas organizadas por temas e permitindo a comparação entre as forças políticas. Evidentemente que num programa de 160 páginas, a candidatura do Bloco incluiu várias propostas concretas, mas ao lê-las fica-se com a impressão de que nada daquilo foi muito pensado e se procurou sobretudo acumular elementos sem uma coerência visível. O problema de tudo isto é que a gestão autárquica é mais do que um acumulado de boas ideias. É uma prática quotidiana com condições muito concretas, âmbitos, competências e problemas delicados. Não se trata de legislar, mas de projectar, gerir e concretizar. Cada equívoco assume quase imediatamente proporções desastrosas na vida de milhares de pessoas. O poder local é um caso sério e bom seria que fosse encarado com seriedade. Pessoas que conhecem bem os assuntos e se dão ao trabalho de os estudar são imprescindíveis e percebe-se mal a desenvoltura com que Fazenda acusou tudo e todos de apenas pretenderem ficar a qualquer custo no poder. Se realmente deseja uma piscina, uma caixa multibanco, um ginásio e um posto de saúde no Bairro do Aleixo e pretende fazer da CML o instrumento que assegure tudo isso, percebe-se mal como pode pensar permanecer confortavelmente alojado em declarações para a imprensa e generalidades sobre a Liscont. Não chega agora, como não chegará nunca.

Jogar o jogo da representação não é obrigatório, tal como não o é a política local.  Se o terreno lhe é desconfortável o Bloco pode perfeitamente optar por não ir a votos para o governo das autarquias. O que se compreende mal é que se candidate para fazer oposição, sem explicitar o fundamental das suas divergências com quem se candidata para conduzir a CML e depois estranhe os resultados. Os lisboetas perceberam perfeitamente a diferença entre as eleições para uma Assembleia legislativa e  as eleições para um órgão autárquico.  Luís Fazenda pode voltar tranquilamente à sua bancada parlamentar e deixar a gestão da cidade para quem a leva um pouco mais a sério. O João Bau, por exemplo, serve perfeitamente. A esse não lhe faltaram os votos.

Fica-lhe a lição. Contar com a estupidez dos outros pode ser a mais estúpida das estratégias políticas.

Entretanto descobri no esquerda.net o balanço para-oficial que o Bloco faz destes resultados. Jorge Costa explica-nos o que se passou. O bloco perdeu porque foi coerente:“Fizemos em Lisboa o que tínhamos a fazer: o Bloco restabeleceu a coerência entre o seu programa e a sua presença política e avançou para pesar em medidas de esquerda na autarquia. Assim nascemos: como recusa da bipolarização, do “voto útil” e da alternância sem verdadeira alternativa. Do lado dos cidadãos, esta campanha foi leal a esse projecto e assim será a sua futura bancada municipal. Podemos ganhar ou perder e estamos preparados para a coerência na luta política.  Assim foi em Lisboa: o Bloco ficou a 1% da eleição de um vereador e o “voto útil” deu à luz uma maioria absoluta.”

Talvez não tenha, afinal, ficado qualquer  lição.  Se o preço da coerência é ficar de fora, que esperança pode acalentar uma força política que faz da coerência a justificação primeira? Por entre a ficção de que o Bloco rompeu com Sá Fernandes porque este «abandonou o programa», Jorge Costa diz-nos que a ideia era boa, mas o povo está enganado. Calculo que esteja a esboçar planos para substituir o povo com a mesma facilidade com que pretendia substituir o vereador. Há quem faça dos equívocos um talento profissional.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a Lisgoa e outras observações

  1. viana diz:

    Afirma que o BE foi incoerente por apresentar como uma das justificações por não se ter aliado com o PS em Lisboa o facto de se opôr ao governo deste a nível nacional, quando até “fê-lo” (ie. a UDP) no passado. Em primeiro lugar as circunstâncias políticas não são directamente comparáveis. Em segundo lugar, a CDU fez exactamente o mesmo. Ou houve razões distintas do BE para também optar por não se coligar com o PS? Todo o seu post cheira a ressentimento e demostra desprezo para com o BE. Se fosse a si ficava era preocupado com o facto do “seu” excelente candidato, Ruben de Carvalho, “claramente” muito melhor que Luis Fazenda, ter tido 5402 votos (1.93%) a menos que a lista da CDU para a AM de Lisboa, enquanto que a diferença no BE foi de 6602 votos (2.17%). Se a diferença de “performance” entre um excelente candidato, apreciado pelos cidadãos de Lisboa, e o pior candidato possível, é na realidade esta, então parece-me que algo no seu “raciocínio” (estou a ser generoso…), não bate certo.

  2. Carlos Vidal diz:

    Ricardo:
    «Se o preço da coerência é ficar de fora, que esperança pode acalentar uma força política que faz da coerência a justificação primeira?»

    Não percebi se o post era irónico ou não (confesso tê-lo lido algo diagonalmente).

    Mas, já agora, pergunto eu:
    que esperança pode acalentar uma força política que faz do «ficar dentro» a justificação primeira?

  3. Estás a ver Ricardo, o teu candidato foi o Rúben de Carvalho. Quem informa é o Viana. Aposto que não sabias.

  4. Ricardo Noronha diz:

    Pois. Não votei nem votaria no Ruben de Carvalho e quem leu o post percebe perfeitamente isso mesmo.
    Caro Carlos, eu acho que nada temos a esperar de qualquer força política que não aquela que nos propusermos criar, com objectivos muito claros e uma natureza radicalmente oposta às existentes. Provavelmente a esse nível as nossas divergências passarão pelo grau de formalidade desejável. Até ver, para mim, quanto mais informal melhor.
    O meu comentário dirige-se a quem – como os dirigentes do bloco – pensa ser possível e natural correr simultaneamente por dentro e por fora, sem nunca ter de optar por uma ou por outra, mesmo quando a bifurcação é óbvia.
    Para dizê-lo de outra forma, a substância do programa político do Bloco (como o da CDU aliás) impele-os para o pragmatismo à esquerda. Mas uma certa herança/tradição/imaginário que percorre os seus militantes (mais os do PCP do que os do bloco, aliás) impede-os de assumir isso claramente e faz florescer todos os equívocos e ambiguidades.
    Nenhum partido de «esquerda radical» concorreu a estas ou às últimas eleições. Todos correm por dentro. À esquerda do PS, todos os gatos são pardos.

  5. B Aranda diz:

    «a gestão autárquica é mais do que um acumulado de boas ideias. É uma prática quotidiana com condições muito concretas, âmbitos, competências e problemas delicados. Não se trata de legislar, mas de projectar, gerir e concretizar»

    Precisamente, Ricardo. E isto não compreendem muitas pessoas, nomeadamente aquelas com grande experiência política, mas sempre noutras áreas.

    Por outro lado, é minha percepção, as políticas municipais ou “da cidade” – as questões da mobilidade, do espaço público, do ambiente, da participação, da gestão cultural – estão a despertar cada vez mais interesse nas pessoas, nomeadamente entre malta nova, não ligada directamente à vida partidária.

    Ou seja: Nestas questões, parece que há um certo distânciamento entre os vários partidos e as pessoas que pensam hoje em dia a cidade… Por exemplo, no debate sobre mobilidade pedonal organizado pelo colectivo ‘Passeio Livre’ isso foi evidente.

  6. MJP diz:

    O Terreiro do Paço não é um exemplo de grande obra?
    Não houve nos últimos anos nem grandes nem pequenas obras para além desta que pretendeu mostrar obra feita mas saiu errada. Daí a inversão para as obras pequenas é que é bom.
    Unitário sempre que entenderem que é bom, mas que seja com justificações válidas. Derrotar a direita, que come criancinhas à ceia, é mais honesto do que branquear intenções.
    Nunca um candidato que propusesse o terminal de contentores em Alcantara ganharia se não fosse pela reacção irracional à direita.

  7. antónio diz:

    Eu sou básicamente lisboeta, nasci no Hospital Militar Principal, vivi anos a fio na Madragôa, trabalhei acima, na Lapa, vivi em S.Domingos de Benfica durante 3 anos, estive 5 anos na Luz. Conheço a cidade como as minhas mãos, rua por rua, bairro por bairro.

    É a minha cidade, pertence-me, e eu pertenço a ela.

    Estou-me nas tintas para o Bloco, o PC (mas gosto do Ruben de Carvalho, um gajo culto…), o PPD/PSD, o PS e tutti quanti.

    Acho que o António Costa é um gajo civilizado, só espero que ele não estrague o que está composto e arranje o que não está, expectativas baixas, mais c’est comme ça.

    🙂

Os comentários estão fechados.