“Si el presente es de lucha, el futuro es nuestro”


Passaram ontem 42 anos desde que a CIA assassinou Che Guevara.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

17 respostas a “Si el presente es de lucha, el futuro es nuestro”

  1. jcd diz:

    Guevara, se fosse vivo, seria um sério candidato ao Prémio Nobel da Paz.

  2. Fã de: El Grande Che! diz:

    El Che, El Grande Che!
    Yo aprendí a quererle.
    Hasta siempre!
    Hasta siempre!

    Um herói, uma referência, um mito, uma LUZ que perdura.

    Deixo mais uns links, El Che não cansa!

    http://www.youtube.com/watch?v=CwTBCvb_4zo

    http://www.youtube.com/watch?v=GxtwzU0-wPM&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=-mOjijV4jA0&feature=related

    Che Guevara
    (Peggy Seeger)

    The hunt is over, the hounds are weary
    The hunter’s home and laid him down
    Wild and free was Che Guevara
    Till torn and spent, they brought him to the ground.

    The stars are lost in the fields of darkness
    Hunters’ moon stalks the empty night
    Like a farmer, walks Che Guevara
    Bearing songs to sow the world with light

    The way is dark and beset with danger
    The road may end in a prison cell
    A guiding hand is Che Guevara
    To lead us passsed the place at which he fell.

    Brave men show the way and brave men follow
    The Earth births heroes when a hero dies
    A hero’s hero is Che Guevara
    Meeting death with morning in his eyes.

    In jungle earth, the hunters laid him
    No stone to mark the lonely grave
    Then farewell, comrade Che Guevara
    We will clear the trail that you have blazed

  3. jcd diz:

    Já agora, ao longo do primeiro semestre deste ano, podíamos também ter celebrado os 50 anos do assassínio de muitas vítimas de La Cabaña.

  4. Pingback: “Si el presente es de lucha, el futuro es nuestro” :: w a z z u p

  5. António Figueira diz:

    Jcd,
    E antes das vítimas da La Cabaña, as vítimas do Batista, as vítimas do outro baptista que lá estava antes, and so on, and so forth; e se V. quiser alargar horizontes, as vítimas do livro negro, e as vítimas do livro branco, e as do fascismo, do colonialismo e do raio que nos parta a todos; V. não percebe o ridículo da sua observação, homem? O Che foi morto dia 10, ponto.
    AF

  6. jcd diz:

    António

    Muitos assassinos são mortos todos os anos sem que ninguém assinale as efemérides. Já que assinalam esta data, podiam ter tido uma palavrinha para os que morreram La Cabaña. Mas pronto, cada um celebra o que quer.

  7. Julia W diz:

    Ah, afinal foi a CIA!! Aqueles farm boys da Virgínia são tão mauzins!! E eu que sempre pensei que tinha sido o Fidel!

  8. Carlos Vidal diz:

    Eu por mim apraz-me a morte dos que não celebram o Che.
    E não me envolveria em “debates” com jcd.
    Cada um celebra o que quer, ó liberal!
    Ó Obtuso liberal, não há ninguém para celebrar Milton Friedman, faça vocês esse movimento, e depois vá ver se está a chover lá fora.
    (E, já agora, conte os aderentes.)

  9. Carlos Vidal diz:

    E também poderia ser interessante responder a uma espécie de pergunta:
    – porque é que não se escrevem nem escreverão canções tão lancinantes com esta sobre os merdas que o “Blasfémias” admira??
    CVidal

  10. Muengas diz:

    Suponhamos que o Che “assassinou” em La Cabaña. E o que fizeram esses? Nada? Ou não sabe que a fome também mata?
    O Che como guerrilheiro foi um reformador social. É isso que os seus inimigos não aceitam.
    Afinal quem deu ordens para o assassinar o que era? Qual foi a actividade de Felix Rodriguez Mendigutia durante toda a sua vida? Começando por estar ligado aos cartéis da droga, grupos de assassínios contra revolucionários, torturadores, Operação Phoenix no Vietname, fez parte do grupo de Oliver North. Deixou-se um rasto de violência, sangue e morte por onde passou em nome de quê? Em defesa de que princípios? O que foi que a humanidade ganhou com os seus desmandos?
    Quem foi Barrientos? Um ditador que deu guarida a criminosos Nazis! Como o Klaus Barbie e outros.
    Se o meu amigo indicar uma forma para acabar com as injustiças e a violência social no mundo, sem ser de modo coercivo por favor indique-a porque vai prestar um serviço valioso aos excluídos e explorados do sistema politico vigente.
    Uma certeza podemos ter! Se a luta do Che tivesse triunfado na Bolívia, aquele povo há muito que estava livre da miséria endémica que foi submetido. Quanto a isso não restem duvidas.
    Cumprimentos

  11. Carlos Vidal:

    Quanto à questão de quem mata (se quem matou, se quem treinou para matar, ou se quem mandou matar depois de ter sido treinado, mesmo que mandasse matar mesmo sem esse treino) poder-se-á sempre argumentar com a irrelevância da factualidade, com o carácter relativo da realidade, ou com o positivo impacto retórico do simplismo.
    O idealismo (no sentido que lhe dá a crítica Marx lhe fez) tem dessas coisas.

    Mas, para um revolucionário como eu, ouvir ou ler «Eu por mim apraz-me a morte dos que não celebram o Che» é uma obscenidade tão absoluta que só pode ser atribuída ou a demência, ou à incapacidade de alguém compreender o sentido daquilo que escreve.
    O que (na segunda hipótese) corresponde a palavras bem mais simples e eloquentes na língua portuguesa.

  12. jcd diz:

    “Eu por mim apraz-me a morte dos que não celebram o Che.”

    Fique atento às necrologia. Infelizmente, só poderá celebrar a minha, espero, daqui a 3 ou 4 décadas.

    A verdade é que Che foi um assassino. Só que era o vosso assassino. Que tanta gente embandeire em arco com um assassino, só se explica pela cegueira política por uma ideologia que sempre que chegou ao poder, matou. Que tristeza.

  13. Julia W diz:

    “Apraz-me a morte…”

    Fantastisch, Herr Professor…

    Eu não celebro o Che.
    O senhor fica satisfeito com a minha morte.
    E diz isto com a maior das naturalidades.
    E os Seus provavelmente acham isto “ganda cena”

    Pois a mim não me aprazia nada a sua morte. Sabe porquê? Porque até gosto de ler o que escreve. Não absolutizei a sua pessoa. Não o reduzi á ideologia patética que defende tão fervorosamente. Esta sua objectividade moral nada mais é do que justificação para o totalitarismo.

  14. Iron diz:

    jcd,

    Che defendeu-se o que faz toda a diferença.

    Os políticos, os que têm poder, matam. Se não for a tiro, matam à fome.

  15. Muengas diz:

    Che só defendeu causas justas!
    Puniu assassinos ,criminosos, ladrões e toda essa chusma elitista que só vive para causar dor e sofrimento ao seu semelhante, que instalados num sistema politico que os protege e que eles protegem, aproveitando-se do cinismo geral e do desinteresse popular, mantêm-se na sua função parasitaria usando o roubo como modo de vida, o abuso não constitui um desvio dos seus negócios, pelo contrario fazem disso a sua própria essência.
    Se 1/3 da humanidade vive na mais ignóbil pobreza isso deve-se apenas às consequências extremas da violência económica imposta por um reduzidíssimo grupo monopolista de cerca de 400 mil capitalistas sem escrúpulos que controlam o sistema financeiro a nível mundial.
    Temos a presente crise como exemplo indesmentível. Nunca se produziram tantos bens e a tão baixo custo na história da humanidade como actualmente, no entanto a miséria alastra em sentido oposto à acumulação da riqueza. A pobreza, as desigualdades, a exclusão, o desemprego, já atingem níveis alarmantes, mesmos nos chamados países ricos.
    Ora estas situações têm responsáveis? Pois têm! É precisamente essa superstrutura politica/ financeira neoliberal que devora quantos recursos existem no planeta e se apodera avidamente de toda a riqueza produzida.
    Mas este caos económico, social e de depravação desregrada dos bens naturais não pode manter-se. Portanto há que procurar um meio justo e equilibrado que esteja de acordo com o que a natureza nos oferece e que a sociedade precisa.
    Isso só pode ser feito com a alteração do sistema politico/social existente. Mas essas elites privilegiadas nunca irão permitir tal por meios pacíficos.
    Porque razão não usar os seus métodos para inverter a situação? Se eles nunca se inibiram em fazer uso da violência para impor o seu sistema pela força. Não terá a maioria da humanidade a mesma legitimidade em usá-la para evitar cair no abismo da auto-destruição?
    Pois são esses mesmos que não querendo compartilhar o mundo com os demais, chamam criminosos e ditadores a homens como o Che.
    Então e eles o que são? Quando privam o seu semelhante dos bens mais elementares e básicos a viverem com o mínimo de dignidade e sobrevivência! Quando destroem ecossistemas completos dizimando milhares de espécies essências ao equilíbrio natural, apenas com o objectivo do lucro!
    Depois estes lacaios avassalados que por aqui pululam como não têm razoabilidade para pensar e reflectir nas posições que tomam e nas escolhas que fazem vêem-nos massacrar com atoardas desconexas e frases fugidias cavalgando em palavras eloquentes, intitulando com os mais execráveis denominativos quem sacrificou a vida em defesa dos mais fracos. Como os crimes praticados por o sistema politico que apoiam e defendem nunca tivessem existido.
    Só para exemplo quero lembrar que morrem mais de dez milhões de crianças com menos de cinco anos com fome anualmente. Entretanto os chamados países ricos pagam aos seus agricultores para não cultivar.
    Quem massacrou a população civil de Dresden? De Hiroshima? De Nagasaki? Não existiu um Vietname onde se fez uso de todo o tipo de armamento proibido? Não existiu uma Operação Condor? Não existiu a guerra fabricada dos Balcãs? Não existe o Iraque? Não existe o Afeganistão com a sua “deliciosa” guerra e as suas tão “democráticas” eleições? Não está a acontecer as Honduras?
    É muita coisa para ser ignorada e depois ainda ter a distinta lata para apodar alguém de criminoso.
    Tomem mas é juízo. Porque se realmente o diabo existir um dia quando lhes tiverem que prestar contas vão ter que sentar-se ao lado de Estaline.

  16. Fã de: El Grande Che! diz:

    Vai mais um link?

Os comentários estão fechados.