Juntas de freguesia

Em geral até tenho boa opinião da instituição junta de freguesia. A proximidade com as populações permite que muitos cidadãos se disponibilizem a trabalhar em prol da sua freguesia, seja intervindo em Assembleias ou apresentando-se a sufrágio. Este maior envolvimento e participação proporciona um voto mais consciente e conhecedor e, sobretudo, menos condicionado pela manipulação mediática.
Contudo as “realidades” que tenho vindo a conhecer nos últimos tempos, sobretudo no centro da cidade de Lisboa, tendem a abalar esta minha convicção.
Em campanha pela freguesia do Socorro encontro várias pessoas que dizem que os promotores da candidatura “independente”  do actual presidente Marcelino ameaçavam os eleitores que não subscrevessem a sua candidatura que não conseguiriam obter mais nada da Junta de Freguesia. Este Marcelino, eleito pelo PSD e agora independente, alcançou o estrelato por ter sido um dos denunciantes da compra de votos dentro do PSD pouco tempo depois de saber que a sua candidatura no Socorro não teria o apoio daquele partido. Vejamos o que disse:

Na freguesia da Pena (de que já falei aqui), a tal em que o candidato do PS é o actual presidente eleito pelo PSD e em que o Tesoureiro da Junta do PSD é candidato independente por uma lista de nome “Pena a nossa família” (garanto que a frase é mesmo assim, sem vírgula), funciona sem lei. Os livros de actas foram dados como desaparecidos, a assembleia de freguesia não reúne porque não consegue ter quórum e presidente e tesoureiro, embora alegadamente se tenham incompatibilizado e concorram por listas opostas, são os únicos elementos de um executivo cujo número mínimo legal é de três eleitos mantendo, até ao último dia, o seu traseiro na Junta para a partir daí tudo prometerem para garantir a sua reeleição.
Haja pachorra e dinheiro público mal gasto!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a Juntas de freguesia

  1. Augusto diz:

    O pior é que a CDU deu cobertura a muitas destas moscambilhas, pois aliou-se ao PSD em muitas juntas.

    Veja por exemplo os casos de Campolide, onde espero que a proxima vereação executiva , nada tenha a ver com as pessoas que actualmente a integram, ou no caso da freguesia de S. José.

  2. O Tacho é algo de muito forte, já está ha muito na nossa sociedade como uma nodoa, uma celula podre que vai passando de geração em geração, de amigo em amigo. É a tradição dirão alguns…! Penso que é mais falta de vergonha na cara. Cumprimentos

  3. Tiago Mota Saraiva diz:

    Augusto, acho muito bem que refira o caso da freguesia de S. José onde uma queixa da CDU ao IGAL, fez com que, ultimamente, a junta fosse mais visitada pela PJ do que por fregueses.

Os comentários estão fechados.