E Portas veio hoje com o vento alegre

Pergunto ao vento que passa
Notícias do meu país
E o vento cala a desgraça
O vento nada me diz.

Note-se que o autor do lido em cima também é um dos vencedores desta noite. Parabéns pois, como diz e muito bem a Agustina Bessa Luís, ao “maior dos poetas de segunda” (o seu candidato Sócrates também ganhou — grande comício em Coimbra!!).

(E não sei se, para a próxima, Francisco Anacleto escolherá melhor as suas companhias.)

Ora, a mim o vento traz-me uma governação que já não é inédita: o sr. Soares já a fez – PS/CDS é coisa antiga e nisso Soares é expert, mais do que o poeta.

Resumindo: vitória retumbante da direita (PS) e da extrema-direita (CDS/PP). Avançar Portugal, pois!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a E Portas veio hoje com o vento alegre

  1. Mariana diz:

    O BE e a CDU deveriam fazer uma coligação. Andam a trilhar caminhos paralelos, e juntos teriam mais peso.

  2. farto de panascas sonhadores diz:

    Incha, bácora !!!

  3. JDC diz:

    O bloco bem que pode festejar os seus 16 deputados. O que vamos ver é uma viragem (ainda mais) à direita do governo do PS… Parabéns pela política “fracturante” do bloco, conseguiu derrotar toda a esquerda portuguesa… Que façam proveito dos 16 deputados enquanto se governa à direita…

  4. WALTZ diz:

    Pois, o alegrete também ganhou. Estão bem uns para os outros. Ganharam todos. O “inginheiro” e o das”peixeiras”, vão governar os indígenas. Lacaios.

  5. Pinto diz:

    Já os partidos moderados do centro – BE + PCP – perderam um pouco.

    Que ridículo meu Deus. Que ridículo.

  6. closer diz:

    Parece que o senhor Carlos Vidal está ressabiado. Como é que consegue justificar que um partido que avança com toda a confiança, que faz grandes comícios em Évora, no Palácio de Cristal e no Campo Pequeno, continue eleitoralmente a marcar passo e não consiga fazer passar para o povo as suas mensagens? E como justifica que um partido da mesma área política, sem militância nem história relevante, sem a organização e a máquina partidária do PCP, formado a partir de dois pequeníssimos grupos, os tenha ultrapassado e elegido deputados em círculos como Aveiro, Faro, Leiria, Coimbra onde o PCP ficou a seco? Tente explicar isto sr. Vidal e deixe-se de sofismas azedos sobre as relações entre Francisco Louçã e Manuel Alegre. Chama-se a isto, mau perder, meu caro

  7. Gostei desse “resumindo”. Tremo só de pensar se a grande esquerda tem ganho nas frentes todas, livra!

  8. LAM diz:

    “vitória retumbante da direita (PS) e da extrema-direita (CDS/PP).”

    Mais cimento ou menos areia é essa também a minha conclusão. O resto, percentagens de crescimento, lanças em África ou tiros no porta aviões são pomadas para a alma que não curam a pessonha.

  9. Amigo Carlos Vidal
    Há algum tempo que este resultado era previsível,só me surpreendeu a subida do CDS, mas num tempo de crises o discurso xenófobo, da insegurança versus autoridade tem sempre resultados eleitorais mesmo entre camadas sociais empobrecidas.
    Hão-de desculpar-me das minha elipses, mas perante um G20 que não produziu nada ( aliás como era de esperar), Barak Obama não vem mudar o mundo, o mundo é que está a mudar, digo eu, os tempos que estão para vir, serão devoradores de muitos cálculos neoliberais. O que para mim é efectivamente de realçar, é uma margem de gente nova começar a interessar-se por política e que parece que votou à esquerda.

  10. Carlos Vidal diz:

    Pois é verdade, verdadíssima, caro WALTZ:

    Esta porcaria de sítio ficou na mão do “inginheiro” e na do tipo das “peixeiras” e das “vacas”.

    Que o poeta do “vento que passa” lhes escreva um Canto!

  11. Carlos Vidal,
    A frase da Agustina tem muito mais requinte. A sibilina chama a Alegre, o maior dos poetas portugueses assim-assim.

  12. antónio diz:

    Já agora, p’ra esse peditório da política já dei, agora é convosco. Divirtam-se… 🙂

    Sabiam que a Amália (música do Alain Oulman) cantou Alegre em 70 ?
    E creio que foi esse poema que encima o texto.

  13. outra matraca,
    irra… nunca mais chega o carnaval, e para continuar na sanha repara na votação, na vontade e representação do nosso bom povo. Massas da Nacional e Pizza Calzone. Ummm… cá p’ra mim foi dedo internacionaleiro universal à posteriori para além do já tradicional e clássico, dividir para reinar.

Os comentários estão fechados.