O Presidente caiu, viva o Vice-Presidente

O non-stop de declarações de Francisco Louçã sobre a farsa das escutas de Belém parece ter atingido o seu paroxismo e Louçã já não se coíbe, a este propósito, de falar sobre as condições para Cavaco permanecer – ou não – no cargo para que foi eleito. Eu julgo que Louçã deveria mesmo propor, caso Cavaco “não reúna as condições” e deva demitir-se, a sua substituição pelo segundo candidato mais votado nas últimas Presidenciais – que foi, como se sabe, Manuel Alegre. Não tenho dúvidas que essa proposta seria igualmente “clarificadora” dos portugueses e permitiria perceber melhor a espécie de dirigente político que Louçã é.

Publicado também aqui.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

23 respostas a O Presidente caiu, viva o Vice-Presidente

  1. Pisca diz:

    O Padre Pimentinha bate aos pontos o picareta falante, tem sempre opinião sobre tudo e está em tudo, até o Paulinho das Feiras já se deixou de falar sempre na abertura dos telejornais

    O emplastro do norte comparado com ele é um aprendiz, vai sempre a correr colar-se ao que acontece, aindo o vou ver de braço dado com a Lily Caneças

  2. Isto tudo seria verdade se Cavaco for inocente nesta história.

  3. portela menos 1 diz:

    acabei de passar pelo Jamais e pelo Simplex.
    posso concluir – ao ler este post – Jamais/Simplex/Cinco dias a mesma luta!

  4. Paulo Coimbra diz:

    Atendendo às declarações efectivamente produzidas por Louçã, o seu comentário parece-me largamente desajustado.

    1. Confunde exigência de clarificação com estabelecimento de condições.

    2. Antecipa uma congeminação fantástica e apresenta factos nenhuns.

    Habituei-me a lê-lo e a respeitar o que escreve. Este post não me parece seu.

  5. António Figueira diz:

    Daniel Santos,
    Nesta história não há inocentes: é uma história de provocação e de instrumentalização de parte a parte. É lamentável que o principal dirigente do BE se envolva nela, em nome de um cálculo político mesquinho.

    Paulo Coimbra,
    Louçã tem falado no assunto incessantemente desde há semanas. Salvo erro, terá sido mesmo o primeiro a referir o nome de Fernando Lima, antes até do DN ter publicado o famoso mail do Público. Se linkar a peça do Público que eu cito poderá ler, sob o título “Louçã: continuidade de Cavaco depende de explicação sobre demissão de Fernando Lima”, os seguintes parágrafos: “Na segunda-feira à tarde, depois de conhecida a demissão de Fernando Lima da assessoria para a comunicação social da Presidência, Louçã colocou em causa a continuação de Cavaco Silva em Belém. Mas não o fez explicitamente. Depois de sublinhar que o assessor alegou ter ‘autorização do Presidente da República’ para ‘criar uma crise política artificial’, Louçã fez notar que ‘todos os responsáveis políticos não estão à altura do seu cargo quando alimentam factóides, quando criam inventonas, ou quando criam fenómenos para lançar confusão a partir de nenhuma fundamentação de factos’”. Se esta “exigência de clarificação” configura um “estabelecimento de condições”, é discutível (a jornalista que escreveu a peça, por exemplo, achou que sim); para mim, significa sobretudo uma intervenção totalmente desadequada de Louçã, pelas razões que indiquei antes: porque esta é uma história de provocação e de instrumentalização de parte a parte, em que aquilo que mais interessa – do ponto de vista dos valores republicanos – é saber se e como houve nela algum tipo de intervenção dos serviços de informação (coisa que Louçã não diz, falando como se soubesse se e como essa intervenção existiu ou não, quando não o pode saber, a menos que possua alguma informação privilegiada, o que o tornaria parte do próprio problema). Ora, partindo do princípio de que Louçã é uma criatura racional, eu congemino, como V. diz, que ele só pesca nestas águas turvas porque acha que pode encontrar algum peixe: parece-me um tacticismo lamentável, que hipoteca a minha confiança no personagem.

  6. Augusto diz:

    Louçã diz aquilo que diz Almeida Santos, Pacheco Pereira e qualquer português de bom senso dirá.

    Este caso tem de ser rapidamente esclarecido pelo Presidente da República , PARA FICAR DEFINITIVAMENTE ENCERRADO, A BEM DA DEMOCRACIA.

  7. closer diz:

    Cada vez me parece mais que é o Zé Neves a pessoa que faz comentários mais equilibrados e justos neste blog e, sem dúvida, menos sectários. Alguns bloggers revelam uma clara inveja pelo crescimento e inesperada (para eles) capacidade de intervenção do BE. Daí, pegam em questões menores e vão revelando a sua pequena política e o seu sectarismo. Tiago Mota Saraiva e Carlos Vidal têm revelado uma particular capacidade de inveja. Vejam que quase ninguém procurou tirar dividendos da saída de Domingos Lopes do PCP. Esta não é altura adequada de fazer pequena política com fricções entre a esquerda. Mas eu compreendo-os. Afinal o avançar com toda a confiança e os comícios inegavelmente grandes revelam uma tremenda fraqueza: a incapacidade de serem protagonistas da campanha o ficarem a repisar as mesmas coisas, para uma plateia que é sem dúvida aguerrida, mas que vai inexoravelmente minguando com os anos.

  8. Carlos Vidal diz:

    Caríssimo António, bem-hajas. O homo-BE ensandeceu; acho que, como o J Galamba se imagina já orgulhosamente a deambular nos Passos Perdidos, o chefe do BE imagina-se já a negociar “estrangeiramente” ao serviço do PS, substituto deste Luís Amado qualquer coisa, ou quiçá substituto do grande Augusto S. S.

  9. Luis diz:

    “uma plateia que é sem dúvida aguerrida, mas que vai inexoravelmente minguando com os anos.”

    Essa é uma daquelas tiradas bombásticas de há 20 anos de alguns coveiros frustrados tipo José Manuel Fernandes e Miguel Sousa Tavares…

  10. portela menos 1 diz:

    o comentário do sr Carlos Vidal, no seguimento do post, é aquele tipo de intervenção para matar dois coelhos numa cajadada: aumento de audiência com comentário provocatório e, mais do que isso, colar o BE ao PS.
    Só é pena não entenderem que o voto útil na Esquerda é o voto no BE e na CDU. Colarem o BE ao PS poderá dar mais uns votos a Sócrates e diminui o peso de BE+CDU, que poderiam/podem liderar a oposição a um qualquer governo à direita ou a um executivo frouxo se Sócrates.
    mas os Vidais e Figueiras da vida acham melhor malhar à esquerda.

  11. Luis diz:

    “a espécie de dirigente político que Louçã é” No meu entender provou ser de duas espécies, a alcoviteira e a lebre. Foi ele o primeiro há 14 dias atrás a mencionar o nome do Lima, a sangue-fio. E o que acho mais espantoso é rigorosamente ninguém lhe ter perguntado como soube.

  12. subscrevo na integra o Paulo Coimbra… e nao sou BE.

    a leitura da noticia revela claramente o titulo abusivo e desajustado da mesma. o problema e’ que a. figueira sabe isso tao bem quanto eu, soando toda a coisa a odio pessoal ‘a personagem. e se for isso, caro figueira, perdoe-me a franqueza mas we don’t give a shit about your personal misgivings, you’re too small for us to care.

  13. l diz:

    Caso das Escutas: A Teoria da Conspiração

    Toda esta questão à volta das escutas ao PR parece ser encenada. Dá a impressão de que tudo isto foi armado com um propósito bem definido. Mas talvez o objectivo de que alguns analistas falam não seja realmente o verdadeiro.

    Há muito que se fala de uma alteração do sistema político português (mesmo que temporariamente). Grandes e pequenas figuras dos dois maiores partidos (PS e PSD) e também de outros quadrantes da sociedade já disseram em público que seria uma forte hipótese – para resolver a crise que atravessamos – ter um regime presidencialista.

    Todos falam nisto tendo como pressuposto que Cavaco Silva seria o presidente que iria liderar esta mudança e que portanto nomearia um governo “de salvação”. Conhecendo Cavaco sabemos que este governo não comportaria 99% dos políticos de hoje (nem de PS, nem de PSD).

    Assim, parece óbvio que toda esta questão das escutas foi inventada por alguns elementos do PS, em conjunto com outros do PSD, para definitivamente “deitar abaixo” Cavaco Silva antes da decisão das legislativas. É que a hipótese de que falei atrás poderia ser posta em cima da mesa, desde já, caso nenhum dos partidos tivesse maioria.

  14. António Figueira diz:

    Portela menos 1 (e aos outros que utilizam o mesmo argumento),
    As eleições, estas eleições, todas as eleições, não suspendem a vida nem o debate das ideias: a intervenção de Louçã neste caso parece-me lamentável e eu digo o que penso, ponto final.

    Sitbackandrelax:
    O seu nome é todo um programa, que eu o aconselho a aplicar em causa própria (não sem apreciar o plural majestático dessa frase magnífica: “we don’t give a shit about your personal misgivings, you’re too small for us to care”: espero que não tenham uma ventoínha ligada por perto, para não correrem o risco de colher no facies algum resto do V. majestático desprezo pela minha humilde pessoa).

  15. LAM diz:

    Ontem, num debate na Sic-n, Sarsfield Cabral (insuspeito na matéria) dizia que, conhecendo muito bem os 2 – Cavaco e Fernando Lima – não admitia que Fernando Lima tivesse contactado o Público sem o conhecimento e aprovação do PR.

    O António Figueira tem de distinguir as coisas, não pode como argumenta aí atrás saltar de um assunto para o outro ou destacar o caso que considera principal.
    O provado foi a pressão do PR junto de um orgão de comunicação para criar um facto político. (aliás de contornos maquiavélicos, ao ser sugerido que a “notícia” partisse da Madeira para afastar eventuais suspeitas). Todo o desenrolar do processo mostra ou prova que isto aconteceu mesmo e nesta altura ninguém põe isto em causa.
    Outra coisa é a razão ou não do PR em queixar-se de “espionagem” por parte do governo. Isso é outra questão que, a ser verdade como é também admissível, até lá carece de prova.
    O PR tentou pressionar um orgão de comunicação? tentou.
    O Sócrates andou a escutar o PR? não sei, nem ninguém sabe.

    Neste quadro, e como a prevaricação provada foi do PR, é normal que se interrogue das sua competências e honestidade para o cargo. Pelo que tenho visto, e com o que se conhece até agora, foi isso que fez o Louçã e fez bem. Lamentável é que outros, por tacticismo serôdio, não se manifestem sobre o assunto. (e não estou a falar da drª Manuela).

  16. Luis diz:

    “Pelo que tenho visto, e com o que se conhece até agora, foi isso que fez o Louçã e fez bem” ????

    É também dos que não tem nenhuma curiosidade em saber como Louçã soube do Lima, certo?

  17. ordinário diz:

    E o presidente é alguém de bem?Vejam sus amigos e,andam muito próximo da famiglia Tony Soprano…Se o sr. Silva tivesse vergonha,demitia-se!Aliás, restá demitido de estar pelos pobres,pq vai muito bem ao colo dos ‘poderosos’ a quem mui engrossou…(as privatizações ao preço da chuva,não vá um estúpido qq largar bitaites…)

  18. juta diz:

    tão tristinho que está o antónio figueira por o cavaco ter sido apanhado em falso. Que pena, logo agora que tínhamos um presidente às direitas. Por que é que o louçã não esteve calado, por que teria que denunciar a tramóia do lima e logo antes das eleições? calma a. figueira, tem sempre a política do pravda da mfl.

  19. sabem o que é? Um velho ódio do PC ao Louçã. Ultimamente andava um pouco mitigado, com a tese mais esquerda não significa necessariamente que se anulem partidariamente. Mas a verdade é que o PCP está a perder a sua posição – segundo as sondagens, claro.

    agora o AF, a contrario sensu, acha que isto não passa de manigâncias dos “spin doctors” (cit) do PS.

    Há quem acredite no mundo de Alice. Que fazer?

  20. LAM diz:

    Luis,
    a única coisa que me espantou na altura (na verdade achei até um pouco arriscado), foi o Louçã ter “posto o nome aos bois”. Não sei com base é que o fez, mas já na altura as suspeitas recaíam sobre o assessor de imprensa do presidente (o que fez o Louçã foi dizer que ele tinha nome).
    A verdade é que acertou na mouche.

  21. a.m. diz:

    Alinho com Paulo Coimbra, Portela-1 e outros.
    Discordo do poste, que ademais me parece francamente infeliz, impróprio do autor (pesem todos os pesares, para quem lhe segue o percurso bloguístico…), mas sobretudo impróprio do 5dias.
    Paciência.

  22. portela menos 1 diz:

    Comentário de António Figueira
    Data: 24 de Setembro de 2009, 0:08

    eu também digo o que penso e o seu post é … lamentável, ponto final.

  23. tava curioso de saber a opinião do Zé Neves. Afinal ele é um dos que transitou…

Os comentários estão fechados.