É um facto


RICHTER. Skull. 1983.

Quando rebentou a bombinha da suspenção do Jornal Nacional da TVI, houve quem dissesse, e eu também pensei o mesmo, que seria Sócrates a tirar maiores vantagens do sucedido. Eu mesmo disse que o caso duraria 4 ou 5 dias, não mais. Num telejornal da TVI alguns dias depois o panorama era já outro: rosa, rosa-choque – Sócrates abria os serviços informativos da estação viajando de TGV em França! Belo, belíssimo.

Agora, com este caso Fernando Lima, Sócrates tem a porta da governação aparentemente escancarada (não há já qualquer rasto do “caso TVI”). E, curiosamente ou não, o BE cavalga e cavalga no sucedido. Neste momento, cavalga com o PS; no futuro não sabemos.

Irá deitar o seu programa eleitoral para o lixo??

(NOTA: peço desculpa, mas até dia 27 gostaria de aqui estar acompanhado quase sempre de Richter: posso??)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a É um facto

  1. Antoine diz:

    Para o escrevinte, só tenho um adjectivo: estou farto de anormais!

  2. Carlos Vidal diz:

    Eu também.
    Já experimentou o SIMplex?

  3. de sousa diz:

    pois é, parece que para manter o poder o PS terá que virar à esquerda.
    e o mais curioso é que penso que só tem a ganhar com isso.

  4. O que me parece é que o Bloco está cada vez mais surrealista, aliás, sempre foi. Pode aumentar o número de apoiantes quer da alga do pote, do frutalmeidas quer dos descontentes fragmentados pelo witz, que o surrealismo manter-se-á, é um fundamento que lhe vem do México.

  5. Ironia diz:

    Concerteza que pode estar com Richter. Eu abençoo. Que excelente companhia!!!
    É claro que apoio o seu desejo com todo o entusiasmo.

    Quando olho para a caveira (carinha larocas… com dentuça branquinha), até parece mesmo que me estou a ver ao espelho e acho-me fotogénica… Ó que bela caveira… (não tarda nada, a morte é certa)
    Ai, também adoro as velas. Lá está, adoro LUZ! 🙂 Ando sempre atrás da LUZ, nem que seja no meu próprio velório 🙂

  6. carlos graça diz:

    tudo faz sentido…o Louçã gosta do Herberto Helder, o poeta do poema contínuo, e é adepto da revolução permanente, que, claro está, pode ser surrealista…

  7. Factos e mais factos, que sorte. Ao DN, á RTP1 e que tais não acontece nada de facto.

  8. Pastor diz:

    Chamar Surrealista ao Anacleto, é um enorme elogio. ainda maior é chamar-lhe revolucionário… Acharia mais correcto chamá-lo de Reformista social pragmático

Os comentários estão fechados.