ABJECÇÃO A MAIS… (ah, o Richter ficciona o futuro próximo)


GERHARD RICHTER

1. Em 1986, como escrevi em baixo, Mário Soares, sem méritos absolutamente nenhuns (o seu último governo tinha, pela primeira vez desde o 25 de Abril, posto na agenda o assunto “fome em Portugal”), foi eleito presidente da República. Em 1987, Carlos Melancia foi nomeado governador de Macau, cargo que conservaria até 1990, quando teve de se demitir por causa de um célebre fax ligado a prova de corrupção passiva de que seria ilibado (ah, pois não!) em 2002, suponho (não estou bem certo desta última data). No período de Melancia em Macau, Soares em Lisboa, responsável por Melancia e pelo governo de Macau, desenvolveu contactos enquanto presidente da República em busca de fundos para a sua reeleição (segundo Joaquim Vieira) com os maiores magnatas dos media mundias: Murdoch, Berlusconi, Robert Maxwell e Stanley Ho. Criou então Mário Soares vários grupos empresariais. Em 2005, Joaquim Vieira na Grande Reportagem publicou uma série de artigos sobre este tema intitulados «O Polvo», coisa célebre que levaria ao encerramento da revista, antes um nome prestigiado da imprensa portuguesa.

Muito antes, já um conhecido homem do aparelho socialista, Rui Mateus, tinha escrito um livro sobre tudo isto, o famosíssimo Contos Proibidos: Memórias de um PS Desconhecido (que o Aventar está neste momento a republicar). O Livro tem uma característica: desmistifica o presente e o passado supostamente heróico de Mário Soares. Resultado: do livro, venda record (ou apreensão??) de 30000 exemplares num só dia, o primeiro dia da distribuição. Na D. Quixote, a sua reedição está eternamente “congelada” e Rui Mateus vive hoje em parte incerta. Será este um livro indigno e pleno de falsidades? Ora, como sabê-lo, se o objecto está mais do que escondido!

2. Recentemente, J. Sócrates mostrou inflamado desagrado com o Jornal Nacional de sexta-feira da TVI, dirigido e apresentado por Manuela Moura Guedes. Resultado: o jornal saiu de cena (não se sabe como) e a campanha eleitoral socialista corre sobre rodas, efeito ainda reforçado pelo abandono anunciado de José Manuel Fernandes da direcção do Público.

3. Há dias, a TSF afastou da editoria de política uma sua jornalista que tinha tido um conflito com J. Sócrates.

4. Soube-se este fim-de-semana que o juiz Rui Teixeira que, no âmbito do processo “Casa Pia” tinha mandado prender Paulo Pedroso preventivamente, se encontra neste momento com evidentes dificuldades na sua avaliação de desempenho e promoção de carreira.

Enfim, coincidências? Não sei, não creio. Eles querem lixar todas as vozes incómodas, em vários sectores da vida pública (porque “isto” – Portugal – lhes pertence, PS=Portugal, etc.). Irão consegui-lo??


RICHTER. Kerze.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

18 respostas a ABJECÇÃO A MAIS… (ah, o Richter ficciona o futuro próximo)

  1. nunocastro diz:

    isso, e o preço dessa porra dessa vela…

  2. ezequiel diz:

    O sr é um absolutista nato. lamento dizer-lhe isto. já lhe havia dito.

    repare no numero de vezes que o sr diz: “sem méritos ABSOLUTAMENTE nenhuns..:” “não lhe reconheço qualquer competência”..etc

    é sempre assim, sr prof Vidal. sempre a mesma coisa. uma reiteração infernal e aparentemente eterna do mesmo.

    então o dr Mário Soares não tem qualquer mérito??? NENHUM mérito?? como é que o sr pode dizer uma coisa destas. até eu, que não sou e nunca fui comuna, reconheço o mérito de alguém como Alvaro Cunhal. sempre respeitei a sua coerência e vigor. seja decente, sr prof. tenha juízo. caso contrário, isto transforma-se numa gigantesca telenovela de histéricos e histéricas. safa. já cansa. sinceramente.

  3. Carlos Vidal diz:

    Não sei se há espaço ou motivos para dar alguma razão ao ezequiel, ainda que mínima, mínima, mínima.
    Méritos? Mário Soares? Gostava que se discutisse isto a fundo, sinceramente. Alguns? talvez. Muitos? Talvez. Quais? Como? Não sei.
    Apenas sei isto: Mário Soares sempre teve a sensação mais do que sensação de que estava destinado a governar, estava “destinado a Portugal”, porque, de certo modo, “isto” lhe pertencia e ainda pertence.
    Por mim, não sei que mais possa acrescentar.
    De resto, absolutista eu?, ou absolutista Mário Soares??

  4. A figura de Dionísio, o delírio, a loucura mística, é a própria irrupção da vida, o nascimento do mundo como tragédia, a essa sombria violência, a esse sol negro, cruel, a figura de Apolo traz a outra vertente mística. Apaga a vela porque eu quero ver.

  5. maria diz:

    O que sabemos é que cavaco está bem servido de amigos. Coincidências? Não sei, não creio.

  6. What happens to levitation, one of the great imaginative figures of art and literature, in the transition from a religious culture to the disenchanted universe of modern science? What becomes of ecstasy, rapture, ascension, transcendence, grace when these give way to “space oddity”: man enclosed in a tin can floating far above the world? Is the cosmonaut a prophet of the erotic future, avatar of man’s stellar renaissance, as Stanley Kubrick and Arthur C. Clarke once imagined? Or is he like Nietzsche’s madman, proclaiming as Gagarin himself was rumored to have said: “I don’t see any God up here”?

  7. A. Trigueiro diz:

    O juiz Rui Teixeira fartou-se de meter água no processo da Casa Pia.

    O Herman por pouco não era lixado. Teve a sorte de conseguir provar que na data das acusações estava no Brail.

    O arqueólogo( não me lembro agora o nome) tambem escapou por pouco.

    O Trib. Constitucional foi obrigado a intervir para o obrigar a dizer aos arguidos quais os factos da acusação.

    O Trib. da Relação por várias vezes emendou outras decisões do Juiz Rui Teixeira.

    E ainda se admiram se está com dificuldades na avaliação ?

  8. Carlos Vidal diz:

    Caro A. Trigueiro, admiro-me sim que esteja com dificuladdes na avaliação. Claro. Que se lhe dê a pior nota possível, então, na sua opinião A. Trigueiro, mas que seja avaliado, e de acordo com as normas.
    Outra questão: não se esqueça que Paulo Pedroso está livre do processo com “votos de derrotado” ou votos “contra” de alguns juízes da Relação, creio.
    Cuidado A. Trigueiro, que a sua filiação partidária não o cegue, pois isto nada tem a ver com política (julgo eu).

  9. Justiniano diz:

    Ezequiel!
    A coerencia e vigor não são, em si mesmas, virtudes ou opções morais. Podem, isso sim, ser a síntese dos instrumentos da mediocridade, do vício e da maldade.
    Importa, também, sempre, realçar que o respeito, por si só, é figura de mero reconhecimento, neutro, inevitável face à aversão à barbaridade, mas, e ao mesmo tempo, pode representar toda a decadencia e toda a tragédia.

  10. Como ficou explicito, todo e qualquer tipo de avaliação é inconsequente. Vidé as “cotas”, os “racios”, a “racionalização” os “números clausus” as”alterações”, as “suspensões” e as sempre novas “actualizações” e “modernizações” da meritocracia.

  11. ezequiel diz:

    Sr Prof,

    Felicito-lhe pelos seus dotes telepáticos. Sentiu as sensações de

    Mário Soares. Notável. Inédito, este absolutismo cognitivo e

    ideológico.

    Eu gosto de me divertir aqui. Mas isto é excessivamente absurdo e telenovelesco. Desculpe mas é isto que eu penso.

    cumps
    ezequiel

  12. Justiniano diz:

    Vidal!
    Não há “outra questão”, que não a prudencia e justiça.
    Firmeza e constancia no caminho dos justos. Não te deixes tentar.

  13. A. Trigueiro diz:

    Segundo li, chegou ao Conselho Superior da Magistratura uma proposta de “muito bom” a atribuir ao Juis Rui Teixeira.

    Nesse reunião tera sido decidido esperar pelo fim do processo da Casa Pia para confirmar (ou não) a classificação agora proposta.

    Uma vez que esta classificação vai ter em conta o desempenho de vários anos, não será só o caso da Casa Pia a determinar a nota.

    Não sei, por isso, se o juiz Rui Teixeira merece o “muito bom”, se merece mais ,ou menos.

    Mas que no Caso da Casa Pia não esteve bem, a atender pelas vezes que teve de ser emendado pelo Trib. Consitucional e pela Relação, parece-me óbvio.

    Quanto à minha filiação partidária lamento desiludi-lo, mas não tenho.
    Fui militante do PCP entre 74 e 91. A partir dessa data nunca mais fui filiado e voto sempre no PCP ou no Bloco.
    E como reparou não sou “anónimo”

  14. Fábio Dionísio diz:

    Eu não diria que o Mário Soares não tem mérito absolutamente nenhum, diria antes que é o melhor entre todos os medíocres do género. Mais ou menos ou mesmo que a Agustina Bessa-Luís disse em relação ao poeta Manuel Alegre: não estou certo mas penso ter sido qualquer coisa como “O Maior dos poetas menores”. Um medíocre sublimado.
    De qualquer maneira eu não perdoo o Carlos Vidal -Deus o perdoará (a si e todos os que engoliram esse gigantesco e grotesco sapo) – de ter votado no Soares mesmo que tivesse apenas 20 anos na altura.
    Um abraço, entretanto vou preparando os sais de fruta para quando daqui a dois anos tivermos que votar no Alegre, é que nunca se sabe.

  15. Ironia diz:

    Pois, eu também: “Felicito-lhe” pelo post. 🙂

  16. carlos graça diz:

    e o pior ainda está para vir… tenho dito..

  17. Desta vez não vai ser com a mão a tapar. Vai ter que ser com uma almofada.

Os comentários estão fechados.