Há dias perguntavam-me como caracterizaria o 5dias:

Um blogue daquela esquerda que não se sentará à mesa do poder para ter o seu jantar.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

15 respostas a Há dias perguntavam-me como caracterizaria o 5dias:

  1. antónimo diz:

    A mim parece-me que se arrisca é a ser daquela esquerda que não se sentará à mesa do poder para mudar as formas de fazer política em Portugal. O PS (de Direita) e o BE (sem estofo) não chegam.

    Então, sobre o Cavaco e as escutas nada?

    O caso passou pelos noticiários como vinha vindimada e quanto a mim é de longe o caso mais sério e grave da política portuguesa, o do carácter e actuação do PR. Cavaco ajudou a conduzir o país ao estado actual e que continua hipervalorizado e pronto a servir de esteio aos interesses mais reaccionários

  2. ordinário diz:

    Em contraponto ao Arrastão,não?…..

  3. Já se fossem criancinhas ao pequeno almoço…

  4. Tiago Mota Saraiva diz:

    Nuno, repara que deixo o almoço de fora!

  5. Tiago Mota Saraiva diz:

    antónimo, escutas e bufos no bloco central seria tema que me deliciaria, caso não estivéssemos a uma semana das eleições e pouca política se discuta.

  6. Carlos Vidal diz:

    O arrastão, o quê?
    Opõe-se-nos, pois.
    Aquilo é como um gato, daqueles que mal ouvem a tacinha do leite a roçar pela parede, já não sabem o que fazer…

  7. antónimo diz:

    TMS, a coisa é tão grave que ou deve cair o Governo (pq pode escutar mesmo, embora a argumentação colhida pela papagaia São José Almeida seja fraquinha: há muitas maneiras de descubrir que Belém participa na elaboração do programa laranja e uma delas até era ler o site do PSD) ou deve cair o PR (por tentar criar um facto político com alegadas escutas e prejudicar um campor político). Isso conta nas eleições.

  8. Tiago Mota Saraiva diz:

    Antónimo, Cavaco (via Dias Loureiro) escutava tudo. Quem não se recorda do dirigente da Associação Académica de Coimbra que era um agente infiltrado do SIS?

  9. antónimo diz:

    Mais uma razão para que não vos doam as mãos na altura em que as coisas lhes caem em cima. Não devemos desperdiçar estas bençãos.

  10. DoContra diz:

    Tenho um grande amigo Argelino que é um Pan-Arabista fervoroso, usa um termo muito peculiar sobre as divisões no mudo Árabe. Diz ele; os nossos dirigentes fazem acordos para não acordar nada. É a realidade factual!
    Nós em Portugal vivemos no mesmo dilema; discute-se tudo para não se discutir nada.
    Mas alguma vez se chegou a qualquer conclusão sobre os escândalos que têm rebentado nos últimos anos? De princípio são noticias de primeira página em todos os órgãos informativos. Depois desvanece-se tudo com o tempo, fica tudo sem efeito!
    Se for o pândego lá da aldeia que roubou a galinha ao vizinho para fazer um petisco com os amigos, não hajam duvidas que esse come. Anda dois anos envolvido com o processo, paga a galinha bem paga, suporta os custos do tribunal, é condenado a uns anitos de pena suspensa e vê o acórdão exposto na montra da Junta de Freguesia para que sirva de exemplo. Isto não é ficção aconteceu há bem pouco tempo neste país.
    Ou outro que diga que a jovem boazona do velho cacique endinheirado , passa as tardes com o padre na sacristia. Esse também não se livra de ser condenado por difamação.
    Tudo o mais? Não passam de “suspeitas” ! Não será ingenuidade, exigir moral a uma sociedade que se rege pela imoralidade? O problema não está nos actores , é o próprio guião do espectáculo que faz com a cena se desenrole neste sentido!
    O povo adora este teatro

  11. ezequiel diz:

    O jantar dos impolutos, dos incorruptiveis. Com o Pai Natal como convidado especial.

  12. «Um blogue daquela esquerda que não se sentará à mesa do poder para ter o seu jantar.»
    E como me orgulho de ter pertencido a este blogue!

  13. Tiago Mota Saraiva diz:

    ezequiel, para os nossos jantares estás convidado e podes mascarar-te do que quiseres.

  14. Tiago Mota Saraiva diz:

    Ricardo temos é de nos conhecer, carago!

  15. Pode ser que um dia voltemos a trabalhar juntos, Tiago.

Os comentários estão fechados.