Ainda a treta dos “benefícios fiscais” de J Sócrates

Clegg & Guttman, The choir
CLEGG and GUTTMANN. The Coir. 1987

No debate Sócrates/Louçã, os toscos SIMPLEXES (e que toscos, a começar por aquela “pintora” do patchwork que assina como A. Vidigal) exultaram com a (sua, para eles) vitória do primeiro. Muito graças a um efeito de malabarismo argumentativo em torno dos benefícios fiscais (ou “paraísos fiscais”) da chamada “classe média” que J Sócrates agora teria descoberto.
Deve ler-se, por exemplo, o importante e definitivamente esclarecedor estudo de Eugénio Rosa, «Benefícios fiscais em Portugal – Quem é mais beneficiado?», datado de dia 10 deste mês. Percebe-se de imediato que J Sócrates se está nas tintas para a classe média e apenas usou um slogan de belo efeito – melhor que todos os outros que ele é capaz de articular: como, por exemplo, «temos de andar para a frente e não para trás» (a Lili Caneças tem um parecido, e é uma figura bem mais interessante), «temos de avançar e não recuar», há que a firmar coisas vazias e inócuas (porque não se consegue melhor) como a “modernidade” e o “progresso”.
Mas chega de matéria deprimente e retomemos Eugénio Rosa. Diz-nos o economista, em resumo: «no período 2005-2009 [os anos negros do socratismo] e Estado perde 13.739 milhões de Euros devido a benefícios fiscais concedidos, e 71.8% destes benefícios são para as empresas». Então J Sócrates não disse que eram para a classe média?? Disse, mas não eram.
Por exemplo, se analisarmos as despesas de saúde, verificamos que os 10% mais ricos recuperaram, À CUSTA DOS CHAMADOS BENEFÍCIOS FISCAIS de J SÓCRATES, 27% das suas despesas, enquanto os 10% mais pobres apenas 6% !!!! E você ainda acredita no dogma dos benefícios fiscais de J Sócrates? E sabe quanto é que o Estado perde com o “paraíso fiscal” da Madeira?? Ora, é muito mais fácil atacar os funcionários públicos e os professores, não é verdade??
Outra conclusão: «Segundo os Relatórios do Orçamentos de Estado, no período 2005-2009, ou seja, com este governo, prevê-se que o Estado perca 13.739,1 milhões € de receitas fiscais devido aos benefícios fiscais. Deste total, 71,8%, ou seja, 9.861,6 milhões €, têm como origem benefícios concedidos a nível do IRC, isto é, às empresas, e apenas 16,8% têm como o origem benefícios no IRS, portanto benefícios fiscais concedidos às pessoas». E fiquemo-nos por aqui, pois entre as empresas obviamente mais beneficiadas estão os bancos (e as transacções bolsistas livres estão, livres, livres – longa vida a J Sócrates). POIS!


THOMAS STRUTH

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Ainda a treta dos “benefícios fiscais” de J Sócrates

  1. chico da tasca diz:

    Carlos Vidal,

    como certamente sabe os serviços prestados pelo Estado aos cidadãos que pagam impostos, são abaixo de cão. De resto, os apregoados “serviços públicos” que os comunas ortodoxos tanto clamam não passam de um pretexto para criar mais empregos na Função Pública, e assim mais carne para canhão, que é como quem diz, para as manifs.

    Sendo assim, ou seja sendo os serviços que o Estado presta como são, era o que mais faltava que um cidadão que recorra a serviços privados, mais eficientes, não pudesse deduzir essas despesas.

    Depois há a questão a liberdade, que como é evidente é algo que diz muito pouco aos comunas ortodoxos, mas que é importante para o cidadão comum: o poder escolher quem melhor o serve, e não estar obrigado a aturar as fronhas mal encaradas dos funcionários púbicos, os tempos de espera, o desconforto, como única opção.

    Já agora, a propósito dos “toscos” simplexes, leu a ultima edição do Avante e a magnifica entrevista ao um membro do PC Chinês, convidado para a ultima festa daquele pasquim ? Deve ter lido. Aquilo sim é uma democracia avançada onde os Direitos Humanos são preservados exemplarmente, e os que dizem que não são o fazem para conter o desenvolvimento económico da china.

    Acho que você devia de meter aqui um post sobre essa entrevista.

  2. xatoo diz:

    excelente
    trata-se de facto de “falar verdade!” e não de fingir como a outra senhora,,,
    só acrescentaria (para cobrir um lapso certamente involuntário do camarada Vidal) que Eugénio Rosa é militante comunista do PCP. Bem haja o velho sindicalista de sempre, pelo trabalho que tem vindo a divulgar com persistência através do site “Resistir.info”

  3. ??? diz:

    Sobre o aproveitamento dos benefícios fiscais pela banca aconselho vários artigos deste blog subordinados ao tema I & D.
    http://a-ciencia-nao-e-neutra.blogspot.com/2009/07/inovacao-desenvolvimento-i.html

    Para aguçar o apetite transcrevo o do link

    Sábado, Julho 25, 2009
    Inovação & Desenvolvimento (I&D) contabilísticos comprovados
    O Ministério da Tecnologia publicou antes-de-ontem a lista das 100 maiores empresas por ordem decrescente do seu investimento em I&D em 2007.
    Em 1º lugar está a PT inovação de que já aqui falei, e no 2º e 3º lugares estão respectivamente o Millenium BCP e o BPI.
    A lista não contém os valores investidos, mas algum cruzamento de dados permite estimar que o BPC terá dispendido valor não superior 60 M€, visto ter forçosamente dispendido menos que a PT e desta saber-se o valor máximo possível, e isso não foi aumento significativo face a 2005 em que já investira 57 M€.
    Como a única novidade na lista dos grandes investidores é a chegada repentina do BPI à lista das “mais”, embora com valor inferior ao do BCP, fica demonstrado que para os maiores investidores não houve, de facto, aumento significativo da despesa.

    Pelo que o aumento colossal de I&D empresarial nas estatísticas do Governo só pode ter resultado de Inovações na Contabilidade da mesma, obviamente “incentivada” pelos generosos benefícios fiscais que os contribuintes suportam.

    Subsiste, entretanto, outra dúvida: será mesmo Investigação & Desenvolvimento toda a actividade declarada?
    É que toda a engenharia de concepção pressupõe a criação de algo novo: uma nova ponte, por exemplo, uma máquina eléctrica feita por encomenda, um novo programa para o Multibanco, são obras que requerem projecto de algo nunca feito antes – nem aquela ponte, nem exactamente aquela máquina eléctrica, nem aquela interface do Multibanco.
    Mas isso não transforma um tal trabalho de concepção em I&D! Isso é engenharia simples!
    Rara, em Portugal, tão rara que até poderá haver quem pense que é I&D, mas na verdade é apenas engenharia, pelos padrões internacionais…

  4. almajecta diz:

    Longa vida á PSada que desertou para o infinito e mais além, aos Blocados a caminho e aos camaradas do PCP. Já agora os parabéns para o 5 Dias. Abraços para ti.

  5. reformada diz:

    ó chico da tasca, já não o percebo. então o sócrates é o maior, ou é chefe de um governo que providencia serviços abaixo de cão para quem paga impostos e com o intuito único de criar mais empregos na função pública…?

Os comentários estão fechados.