Aos dois minutos, Deus Nosso Senhor declarou o fim da luta de classes

E nós que O tivemos aqui no 5 dias e não fomos capazes de reparar que Ele é o Messias! Por favor, poderoso Galamba, para quando a declaração do fim da Lei da Gravidade? Eu gostava tanto de voar sem consumir cigarrinhos para rir…

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 respostas a Aos dois minutos, Deus Nosso Senhor declarou o fim da luta de classes

  1. António Figueira diz:

    O puto endoideceu.

  2. João diz:

    A continuar assim vai a ministro…

  3. Tiago Mota Saraiva diz:

    É aos 2 minutos.

  4. António Figueira diz:

    É o soundbite do ano.

    O gajo parece achar que a luta de classes é uma de muitas tácticas à escolha, e se a esquerda não a escolher, pura e simplesmente não há luta de classes – há harmonia!

    É magnífico! – e ele há palmas a seguir!

  5. Vasco diz:

    Não percebo. Não há luta de classes?
    Então são partido socialista porquê?
    Para criar o quê? O Portugal dos Pequenitos?
    E o vigor com que ele diz aquilo! E como é recebido!
    O PS nunca falha…

  6. “O Partido Socialista propõe-se desenvolver a luta das classes trabalhadoras pela sua própria emancipação” Ponto 11 da Declaração de Princípios do Partido Socialista, Setembro de 1973.

  7. luis t. diz:

    Lá vem outra vez a balela do PS ter sido fundado antes do 25 de Abril!É essa e a rábula da deportação do Mário Soares em S. Tomé…

  8. Sabotaram-lhe o teleponto e puseram-lhe um laxante na garrafa de água.
    Quem quer tramar João Galamba? António José Seguro receará porventura perder o título (até agora incontestado) de jovem mais velho da política portuguesa?

  9. carlos graça diz:

    Mas em que mundo vive ele? O gato fedorento que o esmiúce….

  10. Algarviu diz:

    Uma coisa é certa: João Galamba não irá passar ao lado de uma grande carreira!

  11. ezequiel diz:

    Deixem-se de interpretações “dicotómicas” das coisas!! LOL

  12. Pingback: cinco dias » A miséria da filosofia (trechos inéditos)

Os comentários estão fechados.