Jornal de Sexta: missa do sétimo dia

Tal foi o levantamento de indignação, que até há uns dias parecia risível a tese segundo a qual o Jornal de sexta da TVI teria finado na sequência de um estudado favor a José Sócrates. Interessantes questões se colocaram sobre o quando e o porquê de tal decisão: seriam os tortuosos caminhos de uma rizomática cadeia de influência a definir um timing demasiado estrepitoso (um director’s cut a que Sócrates perdeu o controlo dos tempos da montagem); seria, outrossim,  o prurido jornalístico da administração da empresa a querer cortar com um espaço industriado por uma lógica persecutória, deontologicamente duvidosa.

Em todo o caso, resultava uma convicção mais ou menos consensual, o fim do Jornal de Sexta da TVI, no momento em que se deu, e dadas as reiteradas declarações de incomodidade por parte do PS, prejudicaria Sócrates: ficava demasiado exposta a suspeita de uma decisão política. Tanto assim que para muitos seria mais plausível uma espécie de teoria da conspiração: o Jornal foi fechado para vincular Sócrates à imagem de um autocrata pouco afeito a certas liberdades de expressão. Seja como for, tudo indica que o fim do Jornal de Sexta permanecerá numa nebulosa. Mas olhando para o rápido virar de página da agenda mediática, parece certo que as teorias da conspiração sobrevalorizaram a comoção a ser gerada por uma putativa luta pela liberdade de expressão. Desconfio que Sócrates ficou a a ganhar. Com a vantagem do tempo, fica fácil de concluir que o benefício político-eleitoral pelo fim Jornal de Sexta supera em muito o dano causado pela indignação que lhe compareceu ao enterro.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Jornal de Sexta: missa do sétimo dia

  1. António Figueira diz:

    Claro.

  2. Diogo diz:

    Talvez a indignação ferva em fogo lento. De qualquer forma, não seriam os Media a indignar-se.

  3. Miguel diz:

    Entendo, então, que se foi uma estratégia para prejudicar Sócrates…falhou.
    É isso?

    De qualquer das formas ainda faltam duas semanas e alguma coisa ainda vai aparecer. Do lado do Público parece que se adivinha alguma coisa sobre escutas. A TVI talvez tenha qq coisa e, quem sabe, o Sol ou o CM.

    Até ao lavar dos cestos é vindima. tenha calma.

    Miguel

  4. MJP diz:

    Quem pensa que Sócrates dá ponto sem nó desengane-se. Estava claro que ele tinha os timings sobre controlo. Prejudicava mais ter MMG todas as semanas que acabar com ela. O PS precisava, antes de mais, de segurar votos. Quem está decidido aprecia o animal feroz e as suas medidas fascistas e tem recusado ver as trapalhadas, mas o efeito da envolvência reforçado por más notícias podia estragar as contas. Os hesitantes só têm, agora, música celestial.

  5. dáanal diz:

    Ora eu cá acho que socretas vai deixar de me penetrar ..chuif ..já tou com saudades

  6. Tiago Mota Saraiva diz:

    Nem mais.

  7. falso diz:

    engraçado …dizem que “ele ” foi um animal feroz ..
    curioso que o achei dócil ..extremamente dócil …
    A voz doce e amigável o tempo todo..
    aznamente irritante e agressivo durante o mandato . aí sim uma besta feroz..que absurdo. O que os nossos antepassados fizeram para termos que pagar estes karmas …ou a culpa é toda nossa ? viramos todos viados !?

  8. Carolina diz:

    O Sócrates agarrou-se ao poder, com todas as unhas. Para ele vale tudo, sobretudo arrancar olhos! Os Espanhois só benificiam: ajudando a ganhar o Socrates, não vão ter problemas com TGV e outros dos seus interesses. Depois cá estaremos todos para pagar os favores.

Os comentários estão fechados.