Uma ajuda aos teóricos da “nacionalidade desportiva”

Topei há bocado pelo menos três ex-estrangeiros infiltrados na selecção de todos nós que aparentavam não saber cantar o hino.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 Responses to Uma ajuda aos teóricos da “nacionalidade desportiva”

  1. Topou, também, que um deles marcou um livre para a cabeça doutro que marcou um golo?
    Clandestino, ilegal?
    O livro definitivo sobre este tema foi escrito por um guarda-redes que disse: «tudo o sou devo-o ao futebol»… chamava-se Camus, Albert Camus e escreveu «o estrangeiro»

  2. i.tavares diz:

    E os outros que não são estrangeiros sabem? Mas, o que me saltou mais ao
    ouvido,foi o locutor de serviço,ter dito que o estádio era à moda antiga.Entendi depois,que o “moda” antiga, era porque tinha pista de atletismo.Ele sabe que os atletas portugueses têm que ir para Espanha treinar por falta de condições em Portugal?

  3. Só três?? Eu ia ler a lista e a origem de cada um dos convocados.

  4. António Figueira diz:

    Não percebes nada disto: Bosingwa, Deco e Liedson (pois foram estes os não cantores) são na realidade três Darth Vaders que andam nos copos com o Moita de Deus e se recusam a cantar o hino da República (mas, pelo contrário, sabem de cor a letra do Hino da Carta e cantam-no sempre no balneário).

Os comentários estão fechados.