Um debate degradante e insuportável


WARHOL – “Last Supper Camouflage”. 1987.

Culturalmente, Sócrates é incomensuravelmente nulo. Não lê livros, não vê exposições, não frequente concertos, não especula.
Politicamente, o que aprendeu na Juventude Social-Democrata (JSD!!) e na Juventude Socialista (JS) não chega para completar uma página de uma redacção de teoria política, seja qual for o critério e tema.
Claro, ninguém lhe conhece um interesse ou conhecimento literário, profissionalmente é, ou foi, um “J” – agora primeiro-ministro, que, nesse lugar, e na minha opinião, desonra a memória de Raul Rego, Sottomayor Cardia ou Zenha.
Por isso, a sua prestação de ontem envergonharia qualquer um dos citados (mas não Soares).
Porque nunca vi um socialista tão afincadamente a querer provar que não, não, não é não foi nem será socialista: que adora ser primeiro-ministro, mas que abomina o socialismo.
(Como diria o poeta: se não és socialista, por que é que és socialista?)
Além do mais, a sua ignorância vai ao ponto de desconhecer que aquilo que Louçã propôs é vulgar nos chamados “países nórdicos”, que são social-democratas e não comunistas nem revolucionários.
O que levanta sempre a mesma questão: porque é que a associação de que faz parte o mais inculto dos primeiros-ministros portugueses ostenta a palavra e nome “socialista”.
Para quando a mudança de nome?
Nunca?
(Mesmo sabendo nós que Soares dorme de imediato à 5ª página de Marx??)
(De outro modo: para quando a expulsão de uma zona de decência do conceito oportunista e abstruso de “socialismo democrático”: o que é isso??)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a Um debate degradante e insuportável

  1. j diz:

    Deixe-se lá de merdas…!

    Eu também não “gosto” dele.
    Mas, ontem, deu uma banhada no Louçã.
    E o Louçã bem a mereceu porque só tem conversa.

    Os tipos do BE não passam duns “canhotos” envergonhados ou “travestidos” de comunistas.
    E, atenção, que eu não tenho nada contra os comunistas, antes pelo contrário.

    E lá está você com a arrogância de professor-artista.
    Conheço gente com «conhecimento literário» que não passam de uns cepos.

    Conserte-se…

  2. i.tavares diz:

    Não sabe o que é o “socialismo democrático”? É simples.É o sucessor do
    “socialismo de gaveta”,que por sua vez já tinha sucedido ao “socialismo em liberdade”.Quanto ao livro do Karl, penso,que só viu a capa,como não gostou não leu. Também não percebia.

  3. Parece-me injusto dizer-se que Sócrates não frequenta concertos, até porque quando se digna a fazê-lo, costuma motivar o atraso do seu início.

  4. Brilhante:
    “Se não és socialista, porque é que és socialista?”

  5. i.tavares diz:

    Ou então ” Se não és socialista,porque dizes ,que és socialista”

  6. Senil diz:

    Não deram nada banhada um no outro coisa nenhuma. A meu ver ali estiveram um para o outro: Os tipos até têm uma simpatia subliminar um pelo outro – cheia de misericórdia do louca para o socrates compltamente visivel. Dois tipos que adoraria tomar imensos cafés. Vá lá, tomem, pá!

  7. javali diz:

    Porque é = por que é

  8. ezequiel diz:

    Foi o principio de uma bela relação.

  9. Pois sim, tudo muito “bonito”, mas anteontem apanhou o Louçã pelo pescoço, para não dizer outro sítio! O Fuehrer do BE anda a “fazer de conta”, tentando passar a mensagem do seu “socialismo” e escondendo o inefável Trostky por detrás de um reivindicar do “socialista, laico e republicano”. Pois é, o marketing tem destas coisas. O eng. Sócrates – alegadamente bronco e ignorante que “nunca leu” um livro, acabou por vencer em toda a linha, com … o programa do BE! É que as sagradas pagelas são velhotas, pertencendo ao património dos LCI e dos UDP, que por sua vez fizeram o copy-paste no supermercado do costume. Bom proveito!

  10. vitor diz:

    ‘se não és socialista, por que é que és socialista?’

    adorei.

Os comentários estão fechados.