A senhora não pode estar boa da cabeça

Ouçam bem a forma como Manuela Ferreira leite se enrola a defender o indefensável ogre da Madeira, mais o seu regime de compadrio, estatismo e total impunidade.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a A senhora não pode estar boa da cabeça

  1. i.tavares diz:

    Hoje se não me engano,é a segunda vez que estamos de acordo.
    No entanto,ainda vejo uma diferença, entre o Alberto e F. Leite.Um quer ilegalizar o PCP. Outra só suspende a democracia por 6 meses 6 .

  2. Carlos Fernandes diz:

    LR, o homem pode ter um estilo acarnavalado que não aprecio, agora não sejamos facciosos, seja ele de do Partido A , B ou C, o que interessa é que é competente e tem obra feita a mostrá-lo…O facto é que a Madeira se tem desenvolvido enormemente. E o facto é que é dos raros políticos que não se acobarda perante os mass-Media, que é (cujos donos) quem manda e tem mandado em Portugal.

  3. MFL afirma que não existe asfixia na Madeira… Compreende-se… o automóvel do Governo Regional tem bom ar-condicionado.

  4. ordinário diz:

    …e,da roubalheira.Para os estreitos de visão convém dizer-lhes q o ‘desenvolvimento’ vai dar na betonização da Madeira e,tal desiderato tem muito q se lhe diga.Mas, as pessoas não entendem da finitude dos recursos naturais uma vez q se devem empaturrarem de telenovelas/partidas de futebol-de factum,nunca acabam(nas suas curtas vidas).Nada lhes diz a exponencialidade nem o limite do infinito…

  5. Mariana X diz:

    Talvez se andem os dois a comer…não é assim tão descabido

  6. A julgar pelas recentes elogios de MFL à Democracia Insular Madeirense e pelo afectuoso “eles que se fodam” de Alberto João dirigido aos seus críticos, fica demonstrado que o PS conseguiu infiltrar, não apenas a Presidência da Republica, como também a campanha do PSD. Finalmente compreendo as críticas feitas ao totalitarismo de José Sócrates e do aparelho Socialista, a VERDADE foi infiltrada pelo cinismo e pela hipocrisia!

Os comentários estão fechados.