Uma vacaria não é o Groβe Halle, mas para alguns é quase, quase, quase…


José Sócrates – algures nas Beiras


Albert Speer – nenhures

Oh sim, a espécie regrediu e muito, parece-me que, pois (estou a tentar escrever à maneira de Marta Rebelo), e em todos os aspectos. Sim, é pena. O capitalismo lixou-nos, e é hoje um fascismo, como diz um aguerrido filósofo francês, “gentil” (ou esmoler, de acordo com um elogio de Inês Medeiros ao PS). Mas vamos ao assunto do post.

Não é sobre filhos da puta. E também não pretendo comparar, oh não, a arquitectura do engenheiro J Sócrates com a de Albert Speer. E não faço isso, não, tal como não o fez a sra. Irene Pimentel (e que Deus proteja este argumento SIMplex!) quando disse não pretender comparar o Partido Comunista Português com o alemão, quando ao chamar sociais fascistas aos sociais democratas deixou Hitler chegar ao poder.

Mas, chega de brincadeiras. Irene Pimentel diz não pretender tal, mas é isso que fica dito e escrito, foi isso que ficou dito e escrito. Sabe-se que quando comparo e digo que não, não estou a comparar, é precisamente isso que estou a fazer. Depois dos “p.socialistas” terem chamado salazarenta à sra. Ferreira Leite, o que (não) disse I. Pimentel bate certo: votar BE ou PCP/PEV é abrir as portas a um novo Salazar. É o que eu farei e, sra. I. Pimentel, com muito gosto!!

Mas voltemos ao início. Não, não pretendo comparar a arquitectura de J Sócrates com Speer, não pretendo comparar um arranha-céus com vacaria em baixo (leitor amigo, envie-me a foto deste projecto, sff ) com a demência de Albert Speer, apenas pretendo chamar a atenção para uma coisa (posso? posso):

o fascismo e o nazismo pretenderam viver de uma combinação infalível: a desgraça da sociedade, por um lado, e a propaganda-propaganda-propaganda pelo outro. O esfacelamento sacrificial como coisa divina, destino, vida nua ao serviço do poder soberano. Ora, é essa combinação matizada, muito matizada, muitíssimo, que eu vejo na mediocridade SIMplex “p.socialista”. Mas essa porcaria de blogue não é fascista, é apenas fascistóide, medíocre e tacanho. Tudo ali se ajoelha para a prática infantil da propaganda-propaganda-propaganda. Custa-me a crer que existam pessoas daquelas. Porque:

1. Há em Portugal meio milhão de desempregados, e cerca de trezentos mil (300000!!) sem qualquer apoio. Mas, apesar disso, o bobo SIMplex enceta a sua lengalenga:

“Construção de 411 creches que representam mais 18 414 lugares para crianças dos zero aos 3 anos de idade; abono pré-natal para grávidas e aumento exponencial desta prestação aos que mais necessitam”.

2. J Sócrates e Vieira da Silva (porra!, logo o nome de uma pintora respeitável) conceberam um “Código do Trabalho” que, precisamente, vai trucidar o mundo do trabalho e os trabalhadores, desvalorizando progressivamente (contra normas da OIT e da Constituição) a contratação colectiva, fomentando a precarização e impondo formas de trabalho não remunerado em nome da “competitividade” e “modernidade”, mas o bobo SIMplex continua a sua lengalenga:

“Construção de 189 centros de dia para convívio de idosos; construção de 191 lares para institucionalização de idosos”.

3. O défice público atinge os 8,57 milhões de Euros, obrigando à baixa de valores nas bolsas para uma das “meninas tontas” do governo, as “Novas Oportunidades”, mas o bobo SIMplex continua:

“Criação de 176 serviços de apoio domiciliário; criação de 18 653 lugares para idosos em instituições”.

4. O PS, todo ufano, aprovou sozinho (o que denota que tem razão, seja lá o que isso for) um Código dos Regimes Contributivos da Segurança Social e uma Regulamentação do Regime de Reparação dos Acidentes de Trabalho, como muitos sabem nada contribuindo para a sustentabilidade do sistema e favorecendo as pressões das seguradoras (é o mercado, estúpido!). Entretanto, também não importa que, graças ao governo PS, segundo a OCDE (a magnífica!), quem se reformar em 2030 passe a receber cerca de 50% do último ordenado. A isso, o bobo SIMplex diz:

“Construção de 93 centros de apoio a cidadãos com deficiência; criação de 1 430 lugares para institucionalização de cidadãos com deficiência”.

 O engenheiro J. Sócrates já não desenha mais acrescentos de andares sobre vacarias?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Uma vacaria não é o Groβe Halle, mas para alguns é quase, quase, quase…

  1. As férias foram retemperadoras e hei-lo de volta em grande forma.
    Só um reparo- o Speer demente?

  2. Carlos Vidal diz:

    Caro amigo arquitecto:
    Cá pela minha casa, “demente” é um elogio.
    Dos grandes.

Os comentários estão fechados.