Hasta la Vitoria, siempre

Poder-se-ia pensar que os jogadores do ano passado eram melhores – Katso por Javi, Suazo por Saviola ou Reyes por Ramires, os outros são mais ou menos os mesmos de Quique. Mas este ano temos equipa.
Assim que o jogo começou pairava a sensação que o golo estava por minutos. Mas não foi só um, foram oito. Um resultado de hóquei, que dá um pontapé na crise. O colectivo de jogadores que revolucionou o Benfica dá o mote para que o povo também tome o país nas suas mãos. Lá pelo meio da transmissão televisiva, a imagem de um adepto com uma t-shirt de Che Guevara. Hasta la Vitoria, siempre.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 respostas a Hasta la Vitoria, siempre

  1. Francisco diz:

    n sei bem pq mas cada vez mais gosto do Benfica… Espero q ganhem o Campeonato este ano!

    N percebo nada de Bola, só sei que apesar de um tanto ou quanto troglodita, Jesus é um treinador/lider a sério

  2. chico da tasca diz:

    Neste ponto estamos os dois de acordo : Viva o Benfica.

  3. Nuno Cruz diz:

    Espero que este post seja todo ele a brincar. Especialmente a parte d”O colectivo de jogadores que revolucionou o Benfica dá o mote para que o povo também tome o país nas suas mãos.”

    Estes inícios de época futebolística têm sido todos iguais.

  4. Luís diz:

    De preferência com bastantes julgamentos revolucionários e muitos fuzilamentos, em memória do Che!

  5. i.tavares diz:

    Será caso para perguntar.Andam vermelhos à solta? E isto quando se aproximam 3 dias 3, de um mar de bandeiras vermelhas,e não só.

  6. i.tavares diz:

    Desculpem,mas não tinha reparado o Óscar,confirma,são 3 dias.

  7. Tiago Mota Saraiva diz:

    Não há festa como esta.

  8. António Figueira diz:

    Não mistures o Che com o clube de Bagão Felix nem confundas o vermelho com o encarnado.

  9. i.tavares diz:

    É verdade que o Bagão está no sitio errado.Quanto ao CHE ninguém tem dúvida que era “vermelhão”.O encarnado,isso era no tempo do “botas”

  10. António Figueira diz:

    O Che era do Riverplate.

  11. i.tavares diz:

    Obrigado Sr. Figueira,não sabia,também não sei a cor do clube.Não me diga que é verde.

  12. Fábio Dionísio diz:

    António Figueira, não venha para aqui confundir os leitores. Repare, Che era do River Plate, clube conhecido na Argentina como “Milionários”, associado muitas vezes à classe média ou, até mesmo, à burguesia. Há, talvez, quem veja nisto uma contradição. Bagão Félix, tem razão, é do Benfica; mas não se pode escamotear que o “Glorioso” é um clube de raízes e implantação populares e de massas. O rival da segunda circular, o Sporting, é, como se sabe, um clube de origens, digamos… aristocráticas.
    Regressemos agora à bela Argentina, e a Buenos Aires, para desatar este nó. Diego Armando Maradona, o deus da bola, é do Boca Juniores de alma e coração, arqui-rival do River Plate de Che; o Boca é conhecido como os “Bosteros” e é um clube de características muito parecidas ao Benfica; Maradona – para além de gigante da bola – tem tatuado, no braço creio, o rosto de Che Guevara, e é conhecido pelas suas posições políticas revolucionárias. Como vê, o mundo é bastante complexo mas anda tudo ligado, como o Tiago tratou de demonstrar no seu post. Um abraço.

Os comentários estão fechados.