Coisas que dão mau nome à esquerda

A entrada de mais um brasileiro naturalizado na selecção portuguesa de futebol despertou costelas xenófobas bem escondidas. Marta Rebelo, por exemplo, declara: «se o Liédson jogar pela selecção portuguesa, deixo de assistir aos jogos.» A justificação da coisa ainda é mais assombrosa: «verdade que depois de naturalizados são, para todos os efeitos, portugueses. Mas para efeitos futebolísticos não.»
Que eles possam servir Happy Meals aos nossos filhos, tudo bem; agora comprometer a pureza de um símbolo nacional, nem pensar. Mas atenção, garante a Marta, que tal postura não surge «por qualquer espécie de discriminação contra os estrangeiros» – a única coisa que poderia tornar esta contradição inteligível é o óbvio facto de Liedson já nem ser estrangeiro.
Que um sindicato resolva querer fazer da actividade dos seus membros uma espécie de ilha, imarcescível pelas leis, acompanhando as ideias da extrema-direita, compreende-se com dificuldade. Que se ignore que jogadores como Nani, Rolando ou Bosingwa também não nasceram portugueses, idem. Agora ostracizar um homem que, em idade adulta, decide servir a selecção do país que o acolheu, sem ter em vista contratos chorudos proporcionados pela exposição acrescida… isso só esperaria mesmo do Fórum Nacional.
Discutamos se Carlos Queiroz, ex-defensor da formação local de jogadores, devia patrocinar naturalizações “à pressão”. Mas desejar «que a selecção não fosse constituída por brasileiros naturalizados», como se tal estivesse em causa com Liedson, por favor; deixem esses argumentos para o Mário Machado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

23 Responses to Coisas que dão mau nome à esquerda

  1. Pingback: Twitter Trackbacks for cinco dias » Coisas que dão mau nome à esquerda [5dias.net] on Topsy.com

Os comentários estão fechados.