Natal é quando um homem quiser

Melhor que uma meditação na pastelaria, só uma meditação na confeitaria (a melhor canção de Natal de sempre, diz a minha mãe, mas a minha irmã A. discorda).

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a Natal é quando um homem quiser

  1. António Figueira diz:

    Agradezca usted al señor Dean (y a mi madrecita).

  2. Niet diz:

    Cuidado com as imitações e as infiltrações de ressaca do M-L.
    A pastelaria vive da nostalgia dos pequenos chefes e das miragens abjectas construídas pelo Espada e josé Manel, Mais nada. Niet

  3. António Figueira diz:

    Se ela é isso, parto já essa pastelaria toda (pouparei só o Dean Martin, que a minha mãe gosta muito dele).

  4. Ó António, então uma pasteleira simpática como eu e que ainda por cima gosta do dean martin- para não falar do koestler – merecerá uma coisa dessas?!!!

  5. António Figueira diz:

    Eu sou assim – uma fera (mas eu só disse que partia a pastelaria toda, à pasteleira oferecia-lhe um asilo dourado na confeitaria do lado).

  6. Niet diz:

    ” A própria impostura da satisfação deve denunciar-se ao substituir-se, ao seguir a mudança dos produtos e das condições gerais da produção. Aquilo que afirmou com o mais perfeiro descaramento a sua própria excelência definitiva muda não só no espectáculo difuso mas também no espectáculo concentrado, e é só o sistema que deve continuar : Estaline como a mercadoria fora de moda são denunciados por aqueles mesmos que o impuseram. Cada nova mentira da publicidade é também a confissão da sua mentira precedente. Cada derrocada duma figura do poder totalitário revela a comunidade ilusória que a aprovava unânimemente e que não era mais do que um aglomerado de solidões sem ilusões “. G. Debord

    Bom lance para a crítica total do marxismo-leninismo?! Acho que sim. E os seus epígonos lusitanos – corte e escravos – só merecem desprezo e esquecimento. Niet

  7. António Figueira diz:

    Niet,
    Eu sou uma fera – mas uma fera mole. Tudo começou por causa do Dean Martin e da minha mãezinha – e por mim tudo acabava aí. Os epígonos lusitanos só merecem desprezo e esquecimento? Estou tentado a concordar, mas a hora tardia e o embrutecimento que as libações induzem impedem-me neste preciso momento de considerações mais sofisticadas. Unanimemente não leva acento. Até breve, e perdoe-me o laconismo involuntário.
    AF

  8. Niet diz:

    Eu acho que o M-Leninismo é um pensamento garantido pelo Mal e pela Ignorância,como diria Castoriadis. Bom fim de Noite. Niet

Os comentários estão fechados.