Blogues para quê?

Politicamente falando, e em termos muito imediatos (eleitorais), o exercício dos blogues é largamente supérfluo: no essencial, prégam para os já convertidos. Nem o “Jamais” consegue fazer esquecer as dificuldades do PSD como alternativa, nem muito menos o “Simplex” consegue afirmar o PS como hegemónico à esquerda (“o grande partido da esquerda democrática portuguesa”) – que é aquilo que, eleitoralmente falando, realmente lixa o PS. Mas embora largamente supérfluo, o exercício dos blogues políticos (e não apenas partidários) também não é totalmente inútil, na medida em que confirma e engrossa tendências em vias de consolidação na opinião pública: o PS estreitando-se no socratismo, a direita para a qual uma eventual vitória eleitoral será uma espécie de enriquecimento sem causa, a esquerda que se confronta com as consequências do sectarismo de diversos dos seus componentes (a impotência). Esta frente do debate político está longe de ser central, mas ainda bem que existe.

PS Post publicado também aqui.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to Blogues para quê?

Os comentários estão fechados.