A criatividade no Caso Freeport

De acordo com notícia do Sol, Carlos Guerra, ex-presidente do Instituto de Conservação da Natureza na dependência do então ministro José Sócrates e arguido no caso, declarou que as várias tranches de elevadas quantias que foram depositadas na sua conta bancária foram devidas a esse acontecimento jurídico denominado: partilhas-antecipadas-que-o-sogro-foi obrigado-a-fazer-após-a-falência-de-uma-sua-empresa.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a A criatividade no Caso Freeport

  1. Patricia diz:

    Seria bom que o Sr.PGR descobrisse quem é que vende informações em segredo de justiça ao semanário Sol.Ou será que se trata de uma forma de fazer jornalismo como o do seu camarada do Avante?.

  2. Tiago Mota Saraiva diz:

    Patrícia, será que não a preocupa, nem um pouco, o conhecimento cabal do que se passou e quem poderá estar envolvido?

  3. Sofia Ventura diz:

    Sem perceber ainda muito bem o esquema, suponho que o que o Senhor terá querido confessar é que se pôs de conluio com o sogro para que este pusesse o património ao fresco depois de uma sua empresa ir à falência. É isto?

    De facto, começa a germinar a “defesa Isaltino”. Parece que já não faz mal confessar um sem número de ilegalidades, desde que não aquelas de que presentemente nos acusam.

  4. Tiago Mota Saraiva diz:

    Como toda a gente sabe a falência de uma empresa é uma mina de ouro! O dinheiro escorre das paredes da sua sede e é absolutamente necessário escoá-lo, pois corre-se o risco de se ficar submerso em ouro. Nada suspeito.

  5. Tadito do homem. Aquilo é tudo ajudas de custo.

  6. Da-se diz:

    Parece que grave não é a corrupção, mas que seja divulgada…
    Não é, Patrícia? Da-se!

  7. Fosca-se diz:

    patricia,o que ganhaste com isso?já sei:és daQUELES QUE PENSA SE EU LÁ ESTIVESSE TB FAZIA O MESMO’,DAÍ A SUA ADMIRAÇÃO POR CRIMINOSOS!!!!oU ENTtão,tenho vergonha de dizer…

  8. Patricia diz:

    Claro que me preocupa tudo o que tem a ver com esse e com outros processos de corrupção,mas eu prefiro saber por quem tem o dever de investigar e julgar os corruptos,não procuro a informação nas páginas dos jornais ou noticiários das televisões.Já me dei ao trabalho de ler o que consta dos acordãos dos tribunais em relação a vários casos mais ou menos badalados e não tem nada a ver com as novelas criadas pela nossa comunicação social.Quanto ao comentário do Da-se a minha resposta é que não concordo com as fugas de informação dos processos,todos eles,quando estão em fase de segredo de justiça,porque além do mais esse facto até pode prejudicar a investigação.Ou prefere que seja alterada a lei e deixe de existir segredo de justiça?

  9. carlos graça diz:

    Entao meninos, não sabeis que não há corrupção em Portugal? Que conversa é esta?…

  10. Patricia diz:

    Fosca-se é bom que tenha vergonha de fazer juízos precipitados e de deturpar aquilo que são as opiniões das outras pessoas.Quanto me atribui a admiração pelos criminosos está a fazer exactamente aquilo de que se socorrem os que não tendo argumentos politicos passam ao insulto.E dou por terminados os meus comentários sobre este post

  11. Pisca diz:

    Patricia
    Leia a Caras está mais para o seu perfil, ali são tudo virgens imaculadas

  12. MJ diz:

    verdadeiramente anormal são cargos como o de presidente do Instituto de Conservação da Natureza serem preenchidos sem concurso e carecendo os que os preenchem de requisitos técnicos básicos, total ausência de projectos e sobretudo incapacidade de integrarem esses espaços em dinâmicas de desenvolvimento que integrem as populações locais as suas associações e instituições científicas nacionais isso sim é um escândalo. que esses nomeados façam o papel de cartinhas em branco à espera que lhe ponham o selo e destinatário não me choca nada.

  13. D.,H diz:

    Uma pessoa com este perfil jamais poderia ser presidente de uma instituição pública. Foi-o do ICN, continuou a ter a confiança política de Sócrates para ser nomeado gestor do PRODER, até ao dia em que foi constituído arguido.
    Como se poderão valorar serviços públicos (e os seus funcionários) se nos topos das pirâmides encontramos este tipo de perfil?

  14. Tiago Mota Saraiva diz:

    D.,H a melhor forma de destruir os serviços públicos é nomear gente incompetente para as suas chefias e cargos de relevância.
    E isso o PS costuma fazer muito bem.

Os comentários estão fechados.