petits-fours

pesadeloÓ Aníbal, é preciso substituir o alumínio da marquise

(na imagem: uma habitação arrojada e super hiper-cosmopolita, concebida pelo Eng.º Pinto de Sousa, para uma família estrangeirada a residir habitualmente em França: o esquadro de betão, prenhe de significados, a definir a divisão axial do espaço, qual omphalos ou bétilo da domus; depois, o contraste frio e cortante entre este simbolismo primevo que brota do rés-do-chão, com o alumínio neo-realista no piso superior, temperado pela aplicação do tradicional conceito de loggia a dominar a manipulação do alumínio; enfim, como orgulhosamente confessa o dono aos forasteiros que demandam este concorrido chambre d’hôtes: não há paroles ! )

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a petits-fours

  1. Carlos Vidal diz:

    A Vidigal sempre foi uma artista tonta: patchwork, corte e costura e muitas vendas. Uma Maluda do patchwork sem consciência disso.
    Nem reparou que as casas do seu ídolo são piores que a marquise do Aníbal.

  2. Carlos Vidal diz:

    Em baixo, as colunas em ” V ” é um pormenor superlativo.

    Mas o problema dos integrantes do “bloco central” é sempre o mesmo: um “socialista” lança gozo contra um “psd” e esquece-se sempre que de volta o gozo ainda pode ser maior. Cada um é sempre mais ridículo do que o outro (e vice-versa).
    Burros, é o que é.
    Quando se julgam com “gracinha” (como a tonta da Vidigal) a coisa piora.

Os comentários estão fechados.