VALE TUDO? Vale.

Leio a entrevista de Ferro Rodrigues ontem ao “Expresso”, e vejo que numa das partes, ou por causa de uma das suas partes, eu estou perante uma das mais ridículas entrevistas recentes a um político ou ex-dirigente político – refiro-me à forma como o tema “coligações” aí é abordado. O PS fez e faz da exigência de publicação de “programa” eleitoral aos outros partidos o seu cavalo de batalha. Acusa o PSD por não o ter apresentado e/ou publicado (e ainda hoje uma voz sem espírito crítico e completamente rendida à propaganda banal, M. Vale de Almeida, insiste nesta questão). Acusa-se o PCP e o BE de terem programas “fora da realidade” e/ou quase iguais – como já disse, e reafirmo-o as vezes necessárias, esta acusação de estar “fora da realidade” é a mais estúpida de todas. Como se a realidade, tal como a temos defronte, tivesse de condicionar o nosso pensamento, ideias e modo de vida.

Entretanto, o PSD apresentou o que chamou de linhas programáticas, insistindo num programa “minimalista”. O BE apresentou o seu e a CDU igualmente. Os destes últimos são claríssimos: propõem nacionalizações de sectores-chave da economia nacional (lógico e de aplaudir), regulação estatal da banca (ou nacionalização da banca comercial), recusa de privatizações que o PS tem encapotadas e ocultas, melhoramento e cuidado dos serviços públicos, algo que nestes anos o PS tem tentado destruir. As linhas programáticas do PSD, obviamente, nada têm a ver com estes tópicos.

Mas Ferro Rodrigues, dirigente ou ex-dirigente do PS, a tudo isto é indiferente, ao ponto de dizer que o PS vai lá com todos: BE, PCP/PEV – CDU e PSD. COM TODOS! Chama-se o BE e o PCP e, se não der, chama-se o PSD, mantendo sempre o PS num sítio chamado “Governo”, vá lá saber-se porquê. Ora, este “ir com todos” é rasurar e rasgar o trabalho programático de cada um, é ignorar os outros e a sua singularidade, é desrespeitar as ideias contrárias e a própria democracia. É dizer: que ninguém apresente programas que para nada servem. É dizer ainda que o ideial seria cada um ter programa em branco. Brancura total como este livro de 1 página do conceptualista Robert Barry:

Robert Barry. “One Page Book”. Edição 2007.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a VALE TUDO? Vale.

  1. António Figueira diz:

    Se não puder ir lá com nenhum deles, sempre poderá lá ir com um deputado limiano: leia-se o que há uns anos o mesmo entrevistado afirmou sobre o tema (e deu um belo artigo de Manuel Villaverde Cabral no DN, salvo erro).

  2. Luís Santos diz:

    O que o Sr. Carlos Vidal não percebe é que existe quem se preocupe em governar o país, ou em arranjar formas de o governar. É muito fácil estar sempre do lado do bota abaixo, da critica mesquinha e da desresponsabilização. E vocês fariam coligação com quem? Basta ver o artigo que o espectacular Gerónimo escreveu sobre “o país dele” em que fez referência a todos os partidos deste país, menos ao bloco, para perceber as vossas legítimas preocupações com os portugueses.

  3. i.tavares diz:

    O que interessa é ser governo, governar a qualquer preço,é o que pretendem esses senhores.Aplicar medidas com o objectivo de melhorar a maioria da população,isso são coisas de comunistas.

  4. Carlos Vidal diz:

    Oh como eu entendo Ferro Rodrigues e um comentador aqui em cima: é necessário salvar a pátria, em primeiro lugar.
    A de Ferro é uma decisão, no fundo, patriótica, de amor pátrio – ah e a salvação nacional é coisa pesada, tarefa do PS pois.

  5. Luis diz:

    “Basta ver o artigo que o espectacular Gerónimo escreveu sobre “o país dele” em que fez referência a todos os partidos deste país, menos ao bloco” ????

    Para começar, haja respeito, ele chama-se. Jerónimo. Jerónimo de Sousa.

    Para concluir, que tristes preconceitos, é-se sempre culpado, tenha cão ou não tenha.

  6. Tuga Muga diz:

    Por falar de democracia e em vale tudo – e dos seus conceitos díspares e coloridos que podemos “adquirir” aqui no blogue, de acordo com a prateleira ideológica onde arruma e cataloga a sua visão da realidade – não o tenho visto falar nem promover o último modelo avançado de “democracia”, “à venda” na sua mercearia de bagatelas modelares – quiçá inspiradoras, modernistas, dinâmicas – esquerdistas: Venezuela e Hugo Chavez?????????? Já agora, também, podia brindar-nos com uma prosa inspiradora sobre Raul Castro, porque não consigo ver nenhum saldo a promover o produto!
    Esqueceu-se? Amnésia? Falta de Inspiração? O que se passa no seu minimercado de ideologias nutritivas, modelares e salvíficas? Esgotamento de Stocks? Concorrência desleal? Ou, quem sabe, algum embaraço e vergonha depois dos últimos desenvolvimentos – previsíveis, tão previsíveis que até chateia – ocorridos no seu destino favorito de férias sul americano? Podia, passo a passo autoritário, desmando a desmando oligárquico, loucura a loucura ditatorial, ir dando notícias para os pobres e torpes “consumidores” como eu de forma a esclarecer-nos das vantagens daquele produto tão bom, tão especial, tão baratucho que até nem parecia ser possível existir nos dias de hoje?

    Por favor não nos deixe assim sem orientação e sem luz … porque já não sei o que pensar neste mundo de saldos tão confuso. Mil obrigados.

  7. Patricia diz:

    O Sr.Carlos Vidal podia dar uma vista de olhos pelo blog ” O Tempo das Cerejas”,porque já vi que nestas questões de cenários pós eleitorais a maior parte dos que escrevem no ” Cinco Dias “andam muito baralhados

  8. Fosca-se diz:

    Assim,como vemos e é demonstrado(Q.E.D.),o PS é uma grande PUTA!!!!Por dinheiro faz tudo!

  9. Luís Antunes diz:

    Cassete Vidal diz que o que se passa dentro do PS é – lhe irrelevante mas diz sempre mal do PS . Quanto a haver uma aliança PCP- BE , é improvável por duas razões : o BE defende o direito dos gays e o Cunhal achava que isso era uma coisa triste ; e o PCP , ao contrário do BE , acredita que a Coreia do Norte é uma democracia . Onde está o Chico da Tasca?

Os comentários estão fechados.