Para quem é que o voto PS é útil?

A empresa pública criada, em 2007, para desenvolver as obras de transformação das escolas secundárias portuguesas já gastou mais de 20 milhões de euros em projectos de arquitectura que foram adjudicados por convite directo, sem consulta a terceiros nem publicitação dos contratados.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

9 respostas a Para quem é que o voto PS é útil?

  1. Patricia diz:

    Pois é Tiago para evitar criticas como esta é que a MFL não concorda com o investimento público.Mas acerca das pérolas que saem da boca dela quando resolve falar voces andam todos muito distraidos.Vá lá façam um esforço e repartam o mal pelas as aldeias senão os eleitores ainda pensam que do PSD não há nada a dizer,qual afinal há mesmo muito que criticar

  2. Luis Moreira diz:

    Por acaso, o meu filho tem um gabinete de arquitectura e não lhe sobeja nem um destes projectos.Se forem ver quem são estes arquitectos é dobrado contra singelo que são os que sempre trabalharam com os técnicos das administração pública, e que partilham ateliers na privada. Enfim, uma alegria!

  3. Porque é não se fala do Estado Rosa tal como se falava do Estado Laranja?

  4. Esqueci-me do “que”. Já agora, aproveito para desejar que a 27 de Setembro a rosa murche de vez e a laranja se revele menos azeda que noutras ocasiões.

  5. luis t. diz:

    As raras escolas construídas de raiz não vão a concurso público. Não têm projecto aprovado pelas câmaras.
    Não incorporam a percentagem de obras de arte sobre 2% do total do custo como é de lei. (creio que é essa percentagem)
    Quando incorporam obras de arte, estas não são adquiridas por concurso.
    Lembro-me de uma escola primária construída antes do 25 de Abril, aqui de Lisboa com uma escultura de Maurício Penha. Não era nenhum apadrinhado do regime fascista….
    Os boys xuxas conseguem ir bastante mais longe, e têm-se esmerado em acabar com todos os focos de cultura que existem em Portugal…

  6. Ó Tiago, diz aí à menina Patrícia, que a questão não é ps ou psd. trata-se, no mínimo, de decoro e boas maneiras. Vergonha na cara, digo eu.

  7. Patricia diz:

    Meu caro Miguel Dias quanto a vergonha na cara,decoro e boas maneiras,aquilo que eu quis dizer é que já tivemos outros governos alem do do PS,e parece-me que nos do PSD e PSD/CDS essas qualidades tambem não existiram.Costuma-se dizer ou há moralidade ou comem todos,e como vamos ter eleições legislativas nas quais esses partidos se apresentam ao eleitorado seria bom que as criticas fossem mais bem distribuidas.

  8. Tiago Mota Saraiva diz:

    Patrícia, tem toda a razão. Nesta tipo de compadrios PS e PSD são iguais ao litro e as empresas beneficiadas até são mais ou menos as mesmas.

  9. As criticas não tem de ser distribuídas. Tem de ser feitas a quem de direito ponto. Que o Psd e o Ps sejam farinha do mesmo saco, é por demais sabido (com vantagem para a farinha do primeiro que me parece mais genuína). Acontece que o post do Tiago se refere a uma medida concreta de um Governo PS, com a qual, até prova em contrário o PSD não tem nada a ver (inclusive criticou alguns aspectos do funcionamento da Parque Escolar- não este- pela voz da MFL). Ora, o comentário da Patrícia está implícita, por conveniência táctica, a ideia que temos que ser mais suaves com o PS porque no fundo o PSD é igual, logo… Por mim- que normalmente voto psd- fosse o qual fosse o governo cá estaria por mim a malhar forte e feio no que entendesse injusto.

Os comentários estão fechados.