Vejam bem o que o 31 queria “restaurar”

duque
Desculpem lá, mas não há restauro capaz de dar a esta abrótea qualidades sequer medianas. Mil vezes o Cavaco; e olhem que isto já é dizer o impensável.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

37 respostas a Vejam bem o que o 31 queria “restaurar”

  1. i.tavares diz:

    Não tenho nada contra o Sr.Coitado, vive feliz.Tenho pena é dos infelizes que acreditam,no regresso de D. Sebastião.

  2. LAM diz:

    abrótea por abrótea…

    p.s. Luis Rainha, olhe que não deve estar a faltar muito para que o Pacheco Pereira venha dizer que se deve dar um desconto ao que diz Cavaco Silva.

  3. Ó Cristo Senhor! (Gostei dessa da “abrótea”, não sei bem o que é mas é bem metida!!)

  4. Os “republicanos” é que sempre estiveram à espera do D. Sebastião. O Arriaga foi corrido, não servia. O Teófilo, pobre pateta gagá, foi bem escalpelizado pelo João Chagas e o José Relvas: uma besta. O Bernardino, conhecido entre os seus amigos pelo Frasquinho de Veneno, foi corrido duas vezes por prepotência e profunda imbecilidade. O Siónio é o vosso querido ersatz de Mussolini avant la lettre. O Teixeira Gomes, enfim, um senhor de quem os republicanos diziam no Parlamento coisas indecentes e que as actas testemunham. O Carmona, o Higino e o Tomás, bravo, fizeram o pleno da “república habitual”!
    O Spínola, pouco se pode dizer acerca dele. O Costa Gomes, abstenho-me de tecer considerações num blog afim do “Conselho Mundial para a Paz e Cooperação”. O Eanes, um honrado homem que há um ano no Expresso publicou um texto considerando ser a monarquia constitucional como a mais perfeita e ideal forma de representação do Estado. Dos últimos 3 dispenso comentários, para não ser preso e chulado na barra dos tribunais. Rico palmarés têm “vocências”…

    Vamos às qualidades “nem sequer medianas”, Luís Rainha:
    1. Em 1974, avisava quanto à forma escabrosa como a “descolonização” ia ser feita.
    2. Durante anos foi o único a fazer algo em prol de Timor (com o PC, diga-se…), quando o idiota Sampaio e outros diziam ser o território …”uma ilha indonésia”.
    3. Quando estes animais “negociaram” a adesão à famigerada CEE, alertou quanto aos tratados que destruiriam a agricultura, pescas e indústria.
    4. Desde sempre o ouvi falar da destruição do património, desordenamento territorial, especulação desenfreada, consumismo exacerbado do “crédito fácil”, preconceitos quanto às escolhas particulares de cada um, etc, etc.
    5. Jamais constou estar encafifado em poucas vergonhas bolsistas como um certo “cavalheiro” que sendo Doutourado em Finanças, teve o desplante de comprar acções não colocadas em Bolsa e ao fim de um ano ter achado “normal” empochar uma mais valia de 124%. É esta a ética da república de m…
    6. Tem razão o Luís Rainha em apenas um ponto: o homem não é um político, um demagogo de discurso fácil. O que importa é a decência e o que isso significa. E ele encarna-a e muito bem.*

    * A sra. cavaco dizia há uns dias que tudo lhes sai dos bolsos. Então, o que andam a fazer aos 17 milhões anuais de dotação para Belém? É que esta soma é cerca de 30% mais elevada que aquela transferida anualmente pelo sr. Zapatero para as despesas da Zarzuela. quer comparar o estadão espanhol, com os ditos espirituosos da fritadora de sonhos e turista na Capadócia. Fique com o maravilhoso casal Mariani. Bom proveito!

  5. Cuidadinho com as ofensas. Afinal a carne da abrótea é branca e muito fina. Esplêndida para comer cozida, quente ou fria.

  6. Tiago Mota Saraiva diz:

    Há 99 anos atrás do quê?

  7. Eleitor diz:

    Já para não falar que os reis pelo menos sabiam estar em público, falar, comer com a boca fechada, etc.
    Um País que tem como máximos representantes o Cavaco e a Maria…
    É compará-los aos monarcas da Europa.

  8. LAM diz:

    Quer a precisão do número quer a caracterização das vontades nada me tira que ali não há dedo do dr. Vitor Constâncio.
    uma coisa tenho por verdade: há 99 anos “atrás” não havia “novas oportunidades”.

  9. por falar em cabeças coroadas: o Bombay dry está a 10,00 euros no minipreço!

  10. LR diz:

    Nuno,
    Não se esforce, que já tive ocasião de conhecer o senhor in the flesh.

  11. António Figueira diz:

    Francisco,
    Por Bombay dry refereste-te ao Bombay Sapphire (dry gin)?
    Com o calor a apertar, o 5dias cumpre um inestimável serviço de utilidade pública!
    Bem-hajas, AF

  12. Fosca-se diz:

    Fosca-se!Ingora é que vou votar num imbecil.O rei dos Imbecis.mas,os reis não são votados,oh democratas.atão como é q se podee conviver com o absoluto,ie,oas comissões Administrativas.Vendo bem, as democracias com reis(dos cabrões de Bilderberg,idiotas genéticos) não estão conformes o nosso xistema demo c5ático….

  13. Carlos Fernandes diz:

    Eu cá não sou nem deixo de ser monárquico ( e nem tenho nenhum apelido pró-monárquico como Rainha, ou Duque) agora o facto é que um dos maiores reis que tivemos, D. João I, foi eleito – em democracia directa – pelo povo. Como testemunho pessoal, moro e sou vizinho da Sra. Duquesa de Palmela, e posso testemunhar que é e sempre foi uma excelente pessoa e Senhora.

  14. Manuel da Mata diz:

    Em todas as dinastias houve reis tontinhos; porém, a de Bragança excedeu-se em tudo. Veja-se o caso extremo de Afonso VI,

  15. Zorro diz:

    Ao lado de D. Duarte, o Cavaco é um mero vilão que legitima o assalto a que temos assistido ao povo português. Já não restam dúvidas que a república veio dar o poder a bandos e associações criminosas que vivem à custa dos portugueses que trabalham.
    Viva a Monarquia!
    A Bem da Nação!

  16. não, António, é o de rótulo branco. o sapphire só deve ficar a esse preço quando elegermos o grande líder da “audácia da esperança”. aí, além do tgv para madrid, estou certo, vingará o direito a sapphire para todos a preço proletário 🙂

  17. Francisco Santos diz:

    (acho que este é mais dry, tem menos ervas e faz um gin tónico melhor; o sapphire com tónica é um desperdício – melhor para dry martini)

  18. Rais’parta que por aqui o Hendrick’s está pelos 44! (passo a publicidade)

    Voltando à piadinha: a restauração defendida por aqueles rapazes, presumo, é a de um regime onde não há histrião que conte para o posto. Logo, o retrato dado não é argumento.

  19. i.tavares diz:

    Nunca pensei,haver tantos infelizes à espera de D. Sebastião.

  20. António Figueira diz:

    Francisco,
    És um homem de coragem: beber gin produto branco do Minipreço inscreve-se no meu conceito de comportamentos de risco, só para aventureiros – mas a pátria precisa de moços bravos como tu.
    Abraço, AF

  21. 🙂 não é produto branco, antónio, é o bombay white label!
    abraço

  22. António Costa Alves diz:

    Acho piada a estes gajos que escrevem isto e nunca ouviram o que o D. Bigodes tem para dizer…É certo que já disse muitas coisas com as quais eu discordo, mas acho piada que muitas das posições dele de há 20 anos atrás, são hoje bandeiras de partidos como os verdes e outros do género…A grande vantangem de um (candidato a) rei é que, ao contrário de outros políticos, pensa e põe o bem do país a cima de qualquer preconceito ideológico (isto no que diz respeito ás gradmes questões políticas nacionais)…Qualquer idiota, se ler o que o homem já disse e o que ele defende, tem que reconhecer que isto é verdade

  23. Um Rainha que não gosta do Rei.
    Está bem…
    Este acto simbólico demonstrou, apenas, a fragilidade republicana.
    Imaginemos um jogo de futebol de praia num país à beira-mar plantado.
    República: Mário Soares na baliza, Salazar e Mendes Cabeçadas na defesa, no ataque Pinheiro d’ Azevedo e Vasco Gonçalves… seriam só fumaça.
    Monarquia: D. Pedro IV, o Libertador, na baliza; na defesa, D. Afonso IV, o Bravo e o filho D. Pedro I, o Justiceiro (uma defesa rija, implacável) no ataque D. Afonso Henriques, o Conquistador e D. Fernando II, o Artista.
    Então?
    Caro Rainha,
    Qual destas equipas tinha mais possibilidades de vencer?
    A de Soares, Salazar e Vasco Gonçalves ou a do Bravo, do Conquistador e do Artista?

  24. Manuel da Mata:

    Faz bem em mencionar o nome de D. Afonso VI. Já gora, acrescente Filipe III. De facto, não serviam e por isso mesmo foram depostos. Coisa que não aconteceu ao Teófilo, Almeida, Carmona, Craveiro Lopes etc, etc … e ao actual, o supremo garante dos banqueiros e afins.

  25. Pedro Oliveira:

    Fez bem em mencionar as duas equipas, mas imaginemos quem seria o árbitro. Se fosse indicado pelos azuis e brancos, seria uma escolha entre D. Carlos, D. Pedro V ou D. Dinis. Se fosse pelos verde-encarnados, provavelmente escolheriam entre a Dª Branca, a Dª Maria Cavaco, o sr. Balsemão, ou em alternativa, o sr. Dias Loureiro.

  26. António Vasconcelos diz:

    Viva o Glorioso Reino de Portugal,ajabardado desde 1910 pela corja de abutres e jagunços!!!

  27. Algarviu diz:

    1. Não sei porque há quem não goste de reis. Já tenho ganho muito boas mãos quando faço um poker de reis.

    2. A senhora duquesa (?) de palmela é muito boa pessoa? Também a minha vizinha Lucrécia, plebeia de Armação de Pera, é muito boa pessoa.

    3. Afonso VI ? João VI ? Eu gosto mesmo é do glorioso infante (?) dom (?) henrique, irmão do meio imbecil duarte nuno.

  28. José Silva diz:

    Foi, de facto, um impulso genuíno do povo de então (1910) que, contra a inoperância da realeza e, sobretudo, os privilégios da nobreza, se insurgiram e reclamaram a si o governo da nação: República.
    Um impulso legítimo, sempre vivo e justificativo enquanto houver classes privilegiadas em detrimento da grande massa humana, desfavorecida, a que dá o nome de Povo.
    O que vi, no acto do 31 da Armada, foi uma centelha desse impulso contra a degeneração a que a República de hoje chegou; onde a realeza e nobreza foram substituídos pelos barões do capital e das influências, numa sociedade dominada e sugada pela classe política, de todas as latitudes e longitudes, que apenas se interessam pelos seus assuntos pessoais, sem qualquer pudor para o interesse nacional e dos mais desfavorecidos.
    Sou republicano, mas, com muita mágoa, sou obrigado a admitir que a classe política transformou o nosso país num facto onde se torna necessário e urgente uma “revolução” de comportamentos, de atitudes, de sentido de integridade moral e de Estado, susceptível de advir, para a sua efectivação, nem que seja pela via monárquica.
    Gostaria que, os republicanos de alma, como eu sou, não fizessem censura (impensável!!) deste comentário e o publicassem, pois a sua intenção é criticar quem se diz republicano mas usa a República a seu bel-prazer, sem sentir os ideais adjacentes a essa grande transformação social e política que ocorreu na nossa civilização ocidental com a Revolução Francesa.

  29. “Impulso genuíno do povo de então”?! Ó José Silva, dê uma vista de olhos nas fotos da época e veja quem se abiscoitou com o poder: enquanto o rei D. Carlos gostava de normalmente trajar a jaleca alentejana, os senhores “avançados” seguiam o último figurino da moda de Paris. Quem pensa que eram os srs. Relvas (milionário), Grandella (milionário), Costa (vigarista, nepotista) ou Junqueiro (falsário de “antiguidades)? Algumas pobres alminhas esfarrapadas? Pelos vistos, o José ainda segue a cartilha da propaganda do Estado Novo e o cortejo de “Venerandos” que “tão bem” fizeram ao sistema representativo a que a Monarquia nos habituou durante oitenta anos.
    Já agora,o que tem a dizer da nobreza da república – os comendadores do 10 de Junho – onde se vislumbra uma infinidade de escroques, alguns dos quais estão a braços com processos por descarada roubalheira?
    Na verdade e como dizia o insuspeito Laffayette, a “monarquia constitucional é a melhor das repúblicas”. Basta passar a fronteira, vê-se à légua!

  30. editor69 diz:

    Abrótea não é?
    O sr. Luis Rainha…não deve de ter lá por casa uma invenção com cerca de 5ooo anos…
    o espelho…pois a sua imagem também tem que se lhe diga…
    e mais…
    creio que é trauma…ter rainha no nome…se calhar é muito óbvio…não é?

  31. Luis Rainha diz:

    Rainha no nome e brasões, um título francês… só para lhe fazer inveja.

  32. editor69 diz:

    Não…nem nos seus sonhos mais humidos…eu terei inveja sua…pode continuar a molhar-se à vontade!

  33. João A. Machado diz:

    Sr. Rainha:
    Apesar do seu apelido, brazão e parentesco com a nobreza francesa, V. festeja – ou quer festejar – 100 anos de:

    a) – Revoluções, sangue na rua, perseguições, atraso económico, ausencia de escolas, insanidade política – 16 anos – 1ª Republica.
    b) – Ditadura e atraso (sempre atraso), guerra colonial, etc – 48 anos – 2ª Republica.
    c) – Corrupção, atraso económico, crimes de toda a ordem, insegurança total, tudo o que vivemos dia a dia desde há 35 anos – 3ª Republica.

    Para tudo isto começa ainda insultando um Homem de Bem que faz tudo por Portugal e potugueses – e timorenses, angolanos, etc – sem pedir nada em troca!!!

    V. é exactamente a razão por que se eu fosse republicano deixaria de imediato de o ser.
    A sua incoerencia é… a coerencia de todos os republicanos, afinal.
    Viva feliz!

  34. Luis Rainha diz:

    Sim, claro. Todos sabemos que Portugal era um farol de progresso durante os derradeiros anos da monarquia.

  35. João A. Machado diz:

    Acertou em cheio. Veja porquê:

    1 – Prestígio diplomático em toda a Europa, graças a D. Carlos.

    2 – Finanças equilibradas por João Franco.

    3 – Caminhos-de-ferro: uma das redes mais desenvolvidas da Europa.

    4 – Situação colonial controlada militarmente por Mouzinho e outros.

    5 – Situação politica estabilizada, salvo as intervenções terroristas do Partido Republicano.

    Por isso só havia mesmo uma hipótese: assassinar o Rei e aproveitar o desnorteamento do sucessor com 18 anos. Parabens.

    O pior é que depois – contra o prometido aos ingénuos portugueses, em vez de andarmos para a frente fomos para trás. Coeçou com 0 5 Out. o nosso grande atraso em relação à Europa.

    E cá estamos na mesma!

  36. João A. Machado diz:

    Era sim senhor, tem toda a razão. Diplomáticamente (D. Carlos), financeiramente (J. Franco), militarmente (Mouzinho e outros) e socialmente (com excepção das desordens provocadas pelo P. Republicano e Carbonária).

    Por isso só havia uma solução: assassinar o Rei e aproveitar o desnorteamento do sucessor com 18 anos.
    E valeu a pena? Em que nós, ingénuos portugueses, melhoramos do 5.OUT para cá?
    Foi-nos prometido grande progresso, liberdade, igualdade… Onde está isso tudo?
    Sr. Raínha – a Monarquia é melhor.

  37. Jorge Antunes diz:

    Bem, sobre a Monarquia ou a Republica acho que seria melhor resolvido com um referendum.
    A Bandeira Nacional e republicana eu preferia o actual escudo com as cores azul e branca (para mim as verdadeiras cores de Portugal e ate sou Benfiquista).
    Sobre o hino ja e tempo de se mandar calar os canhoes e acabar-se de marchas. Preferia a musica do antigo hino nacional mas com letra diferente onde se fala-se mais em Paz, Liberdade, Tolerancia, Respeito etc..

Os comentários estão fechados.