também é justo perguntar

cartaz cds-pp

O Jacinto Leite Capelo Rego aprovou este investimento? Imagine-se que a uma polícia criminal mais eficaz lhe dá para incomodar e, quem sabe até, agarrar o jacinto…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a também é justo perguntar

  1. Diogo diz:

    O Jacinto sentiu-se incomodado pela celeridade.

    O Leite afirmou que com ele, todas as questões seriam mais fluidas.

    O Capelo sentiu-se incomodado com a intrusão em esferas íntimas.

    O Rego ribombou de alegria.

  2. MS diz:

    Comentários?
    Esta é a direita pura e dura.
    Princípios fortes: porrada, porrada, porrada.
    E eles vão escapando.

  3. A. Laurens diz:

    Paulo Portas e a sua panca por polícias.

  4. alzheimer diz:

    É uma senhora muito respeitadora da autoridade e,do pau para levar com ele.
    De resto,o post está muito bem concebido e,acertado.A bófia ainda não encontrou o Jácinto Leite Cápelo Rego mas,o Universo é pequeno tendo em conta que é o partido táxi da DªCatarina Xnaider…

  5. Ricardo diz:

    Paulo Portas e a sua panca por homens fardados.

  6. alzheimer diz:

    Sr. Vidal, http://odiario.info/articulo.php?p=1254&more=1&c=1 lendo isto só um tipo Djugashvili, é que pode pôr isto na ordem. A ditadura dos mais pobres cientificamente orientados-Marxismo- é a única via para uma Humanidade gloriosa na dimensão humana.Fora isso,é esta merda até à barbárie.
    Temos a elite Bilderbergiana,a elite dos parasitas,pq o resto está de tal maneira manietado que é um cão de Pavlov…

  7. A.Silva diz:

    peço descolpa ao autor, mas aproveitei este post para fazer um outro no meu blog.
    boa pergunta.

  8. carlos graça diz:

    a verdade é que há polícias a ser presos, e criminosos a passear pelas ruas, essa é que é a verdade, doa a quem doer, venham lá com os moralismos que quiserem , não conseguem escamotear isto…

  9. José Manuel diz:

    “a verdade é que há polícias a ser presos, e criminosos a passear pelas ruas”

    Na realidade há polícias a serem presos por praticarem crimes, isto é por serem também crimonosos (em part-time). Foram 39 mais precisamente.

    Aquilo que deve separar o polícia do criminoso tem que ser muito mais do que apenas a farda e o distintivo

  10. carlos graça diz:

    José Manuel.

    Sim, a farda e o distintivo não basta, mas é curioso que para iguais ou mais hediondos crimes, dá a idéia que o polícia é mais penalizado, e não acredito que seja por uma questão de justiça distributiva – os casos são às centenas, desde o pequeno crime até aos crimes de colarinho branco. Já dizia o Gasset, que “nós somos as nossas circunstâncias”, e de facto, só quem nunca foi assaltado, nunca levou uma navalhada, nunca teve uma seringa ou arma apontada, nunca teve uma filha violada, é que pode dar-se ares de teórico da coisa. Quando nos toca directamente na pele, ah!, aí o discurso tende a mudar, é como o caso de há uns anos a máfia italiana, que só começou a ser presa, quando houve juízes a morrer. Quer dizer, a lei era a mesma, podiam já tê-los prendido, mas lá está, ainda não lhes tinha chegado ao pêlo…

  11. Pingback: cinco dias » A tale of two parties

Os comentários estão fechados.