uma tradição que vem de longe

auto

O judeu. O comerciante. O estrangeiro. O intelectual. O ocioso. O imigrante. O vizinho. A casa do vizinho. O filho do vizinho. O diploma do filho do vizinho. O funcionário público. O retornado. O africano. O juiz. O Professor. O rico.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a uma tradição que vem de longe

  1. Luis diz:

    E há quem ainda negue a luta de classes?

  2. Francisco Santos diz:

    isto não são classes. são os “inimigos úteis”, os “outros”, que os demagogos servem à maralha para conquistarem ou manterem o poder. infelizmente, resulta sempre.

  3. Francisco Santos diz:

    obviamente: resulta sempre nos países pobrezinhos, miseráveis mas alegretes.

  4. ezequiel diz:

    Esqueceu-se de um, Francisco.

    O louco.

    cumps
    ezequiel

  5. ezequiel diz:

    transcender os particularismos ou classes do sistema de produção (?), o regime de distribuição de sentidos e estatutos… e ascender ao universalismo comunista!! será esta a tradição que tem que ser demolida, Francisco???

  6. Luis diz:

    “resulta sempre nos países pobrezinhos, miseráveis mas alegretes”

    Substituindo “judeu” por “árabe” e “rico” por “terrorista” aplica-se a todos os “ocidentais” a começar nos USA e a acabar em Israel. Passando pela Europa…

  7. sumiati diz:

    … e que atravessa os cinco continentes…

  8. Francisco Santos diz:

    Ezequiel,

    feliz lembrança: o louco. E, já agora, o poeta.
    Quanto ao resto, o universalismo chega-me, sem mais ismos.

Os comentários estão fechados.