O coro tragicómico

Ass_Kisser_Gum_FrontOs defensores da lei da omertà multiplicam-se da forma infelizmente esperada. Agora, é Eduardo Pitta que deu o assunto JAD por “arrumado” com um post sobre as subtilezas que fazem com que nunca se deva falar de convite a propósito de uma sondagem (dando de barato o pormenor dos empregos oferecidos como compensação, algo bizarro numa das tais sondagens) e que tornam esta denúncia numa coisa feia. Agora, volta à carga com um pormenor que lhe parece revelador, quiçá até demolidor, para a bloquista: ela consultou Mário Soares antes de responder ao atrevido sondador. De forma extraordinária, Pitta nem percebe que fica assim revelado o porquê da semi-confissão de Paulo Campos: ele soube que Mário Soares estava a par do contacto – presume-se que de outra forma o secretário de Estado ainda agora manteria a negativa categórica inicial.
Mesmo triste é ver que este afã justificador meio alienado vem sobretudo dos neófitos rosas; espontâneos desejosos de mostrar serviço, prestando-se a fretes que provavelmente lhes dariam náuseas em circunstâncias diversas. Que nulidades de sempre sigam este rumo, pouco surpreende; agora malta que até já provara saber usar as meninges sem ajuda….

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a O coro tragicómico

  1. António Figueira diz:

    Da litteratura cómica.

Os comentários estão fechados.