Demissões e Propostas

O João Galamba tem razão. Há que demitir este senhor!
Quanto se confunde identidade com comportamento fico todo baralhado. Isso porque não me parece que a minha identidade homossexual tenha muito a ver com práticas sexuais desprotegidas ou não.
Fico ainda mais confuso é mesmo enquanto activista LGBT o PS dá sinais diferenciados ao logo de todo este processo. Veja-se a tomada de posição de Socrates da conferencias de blogs sobre o mesmo assunto, a resposta da Ministra Ana Jorge ao deputado do BE joão Semedo, e agora esta entrevista.
Entretanto o programa do PS já está on-line e conhecemos já as propostas do PS relativamente às discriminações em função da orientação sexual e identidade de género. Na sua proposta está: remover as barreiras jurídicas à realização do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo; aperfeiçoar os mecanismos de apoio a vítimas de discriminação em função da orientação sexual e identidade de género; e propor a aprovação de uma Lei da Igualdade.
Espera aí, Lei da Igualdade! O que é isto? Alguém me explica? Em tanto tempo de activismo esta é uma completa novidade. De que estamos a falar? De uma lei anti-homofobia que criminalize prácticas e discursos homofóbicos? Ou da simples transposição de directivas europeias de não discriminação em serviços. Alguém me pode explicar?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a Demissões e Propostas

  1. Tiago Mota Saraiva diz:

    Paulo, a entrevista é tão tonta que, ou muito me engano, ou o indivíduo já tem as malas à porta. A única dúvida é se será demitido dentro das próximas 24 horas ou se esperarão pela campanha eleitoral, transformando-o num símbolo.

  2. Paulo Jorge Vieira diz:

    sem intenção apaguei um comentário deste texto do chico da tasca. peço se possivel que o volte a colocar. peço desde ja desculpas pelo sucedido.

  3. Paulo Jorge Vieira diz:

    tiago espero ansioso pela demissão deste senhor mas nao creio que vá acontecer.

  4. yussuf diz:

    a certa altura o senhor diz: “Não é porque estejam infectados, é porque basta uma relação sexual não protegida nos últimos seis meses para anular a dádiva”. Pergunto-me, será que a questão é válida também para pessoas casadas? Já se imagina:

    “Sim, ainda há duas semanas pinoquei a minha Maria, casados há 10 anos e fui-lhe sempre fiel” e o médico do rastreio a pensar: “Ah grande aldabrão, mas mesmo que digas a verdade até eu já devo ter papado a tua Maria…”

    Bom, graçolas à parte, vou dar numa de Carlos Vidal, o homem que ama a arte e tão bem a descreve, num momento, e noutro, acto contínuo, apela à revolução armada e às acções de guerrilha urbana:

    Ponham este gajo do IPS a trabalhar double time. O trabalho que ele tem que fazer é analisar sangue. E não fazer perguntas parvas. Por isso, pretos e gays desta terra, adoradoras de Safo e amantes de Príapo, cocainómanos, mancos, vesgos e pernetas, anões do circo, travestis e encantadores de serpentes, toca a marchar tudo para o Instituto Português de Sangue, tudo lavadinho e bem penteado, sem tiques ou maneirismos e toca a começar a mentir.

    Pode ser que eles do lado de lá comecem a trabalhar e a fazer o que lhes compete em vez de andarem na devassa da intimidade e com comportamentos retrógrados.

    Não sou homossexual, nem na identidade, nem no comportamento (whatever the fuck that means ó camarada), mas se me perguntarem se estive em África nos últimos meses e se tive relações desprotegidas também nos últimos meses, negarei ambas, com enorme veemência.

    Não sei que outras perguntas fazem, mas negarei tudo, a ver se me analisam a porra do sangue em vez de me analisarem a porra da vida social.

  5. Justiniano diz:

    Paulo J. Vieira
    Criminalizar prácticas homofóbicas??!!
    O que entende por discurso homofóbico!???

  6. viana diz:

    Acho que o Tiago está enganado, se pensa que o presidente do IPS vai ser demitido, e muito enganado se pensa que ele o será com grande estrondo. Sócrates e o PS sabem bem que tal lhes custaria mais votos do que aqueles que ganhariam. Os portugueses são, infelizmente, maioritariamente homofóbicos. Até podem tolerar o casamento entre homossexuais, que não os afecta directamente, mas a possibilidade de receberem sangue “infectado por homossexuais” (obviamente, no sentido simbólico) é algo que precepcionam como podendo ter um impacto directo na sua “saúde”. Até pode ser que o presidente do IPS saia de fininho pela porta pequena, sem grande alarido, de modo a que o PS possa contentar pessoas como o João Galamba e o Miguel Vale de Almeida, que no limite (muito no limite… não tenho grandes ilusões sobre tais personagens) poderiam desistir com grande estrondo dos seus lugares nas listas do PS, causando grande embaraço a este e o óbito do “cortejo à Esquerda”. Mas nunca, nunca, o PS tornará tal demissão num grande acontecimento mediático, e muito menos num símbolo. Só se fosse num símbolo da sua derrota: poucos votos ganharia e muitos, mas muitos votos, principalmente fora das grandes cidades, perderia.

  7. Paulo Jorge Vieira diz:

    aquilo que tenho vindo a defender é uma legislação similar à que existe para o racismo. crimes de ódio são crimes de ódio e a injúria é um desses crimes!

  8. Justiniano diz:

    Paulo,
    Sinceramente não sou conhecedor da dimensão da discriminação homossexual.
    O que lhe posso referir é que não podemos admitir protecção hermética e totalitária ao bem jurídico, liberdade de orientação sexual, sob pena de desadequação e de, no percurso, se perder de vista o verdadeiro bem jurídico que é a liberdade de orientação sexual do Paulo.
    O que pretende tem sido absolutamente ineficaz sacrificando valores que no meu entender prevalecem sobre os aparentes interesses em disputa.
    Isto, quando falamos em crimes formais ou de perigo abstracto e, evidentemente, não em relação aos crimes materiais motivados por sentimentos homofóbicos ou racistas.(Estes são, evidentemente consensuais assim como as modificativas agravantes)
    Acho que são muito mais eficazes a remoção de barreiras e obstáculos ao exercício de direitos por parte do cidadão, homossexual, quando tais obstáculos se referem em absoluto à condição homossexual do indivíduo.

  9. yussuf diz:

    crimes de ódio que o podem ser de incompreensão… essa adjectivação é preconceituosa porque parte da premissa que quem injuria odeia. Ora, a maior parte das vezes, isso não acontece, nem em relação aos paneleiros, nem em relação aos pretos. Repare, paneleiro e preto será depreciativo, concordo, mas referir-se-á a ódio? É abusivo achá-lo. Ou gay e negro é apenas sinal de cosmopolistismo e nada mais? Sinceramente, acho que a “cena da luta” dos homossexuais (pela igualdade de direitos, liberdades e garantias) está completamente desenfocada daquilo que são os mais básicos e elementares interesses de quem tem orientações sexuais diferentes. A prová-lo está que ninguém de bom senso tenha tentado impugnar a medida do IPS e chamado com seriedade a atenção para uma causa que merece o esclarecimento da sociedade.

Os comentários estão fechados.