Calminha

O Miguel de Vale de Almeida tem todo o direito de ir para as listas do PS. Pode mudar de opinião 10 vezes por ano, sem que isso o torne obrigatoriamente uma má pessoa. Convinha é que isso não lhe subisse à cabeça. A Joana Amaral Dias disse à TVI, à RTP e ao Público ter sido convidada para as listas do PS. Neste momento está de férias fora do país, é normal que não esteja contactável. Mas isso não retira que o tenha dito. Perante a afirmação dela e o desmentido de José Sócrates, alguém está a mentir. Eu conheço suficientemente a Joana e oiço há bastante tempo o nosso primeiro, para saber que não foi ela que mentiu. Pelos vistos, o independente Miguel Vale de Almeida tem a opinião contrária. A opinião é livre, convém é que não aldrabe os dados da questão e não esconda o facto de a Joana Amaral Dias já ter dito a jornalistas da TVI, RTP e Público que tinha sido convidada para as listas do PS, por José Sócrates.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Calminha

  1. Chico da Tasca diz:

    Se ela disse que a pessoa do PS que a contactou foi o Sócrates é aldrabona.

    E o aproveitamento rasteiro que o Cara de Padre Louçã está a fazer é reles.

    O Senhor Louçã tem o péssimo hábito de se armar em detentor exclusivo de qualidades éticas, morais e politicas que mais ninguém tem, tem um problema da atitude, de arrogância e de uma postura de quem está sempre a dar lições. Alguém tem de lhe dizer na cara que não lhe reconhece autoridade de espécie para as lições que ele pensa que dá, até porque o sujeito é um parasita da crise, e vive à custa dela.

    E seria bom que explicasse o comportamento do BE em relação ao alegre.

  2. António Figueira diz:

    MVA escreve:
    “…o principal propósito do factóide foi conseguido: lançar a suspeita “tachista” sobre todos os convites do PS a pessoas não militantes do PS.”
    Eu diria antes que o principal propósito do “factóide” não foi conseguido: o aliciamento (de tipo inequivocamente “tachista”) da JAD para as listas do PS, e que a versão que MVA apresenta do dito constitui uma sua inversão, algo narcísica.

  3. Vasco diz:

    Sá-Fernandes ainda resistiu 2 meses, ou coisa assim, antes de afinar a matraca pela voz do dono. MVA nem resistiu 2 dias.

  4. jeronimo diz:

    Eu também acredito muito na sua imparcialidade e honestidade no seu trabalho de jornalista na TVI … Sobretudo quando o assunto me Sócrates.

  5. LAM diz:

    Chico,
    desculpe lá. E vamos por pontos:

    1-“Se ela disse que a pessoa do PS que a contactou foi o Sócrates é aldrabona”, é aldrabona porquê? Por ter sido ELA a dizer, por ter sido Sócrates a desmentir, ou porque o Chico acha que sim?
    É que quando muito o que pode dizer é que tem dúvidas.

    2-Das duas uma: O Louçã está a fazer aproveitamento, ponto. Ou está a fazer aproveitamento porque tem cara de padre? Se está na 2ª hipótese está mais próximo do Senhor logo, tenha ou não razão, as suas palavras têm de ser lidas como emissário do Todo o Poderoso. Ou o senhor virou um reles de um comuna “anti-padralhada”, como eles dizem? Vamos lá a ver isso que, não sendo ilegal, que não é, é pecado. Entendamo-nos.

    3- Quem pensa que dá lições não é o Louçã. Sou eu. Mas a mim parece que ninguém quer dar “lições na cara”. Muito computador, blá, blá, blá de insulto a tudo e todos mas não passa daí.
    E eu que pensava que isto era tudo comandos do Jaime Neves…

  6. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Jerónimo,
    As minhas notícias não dependem da minha opinião. Quando tiver o primeiro desmentido e não fizer notícias suportadas em factos, a gente fala.

  7. Carlos Vidal diz:

    Este tipo, Vale de Almeida, como um gajo qualquer que não me lembro o nome, no Simplex, desvalorizam a confirmação e aquilo que a própria JAD disse.
    Porque acreditar nela??
    São gajos sem escrúpulos, porque o visado não conta, é rasurado, não existe. Estamos no reino de uma espécie de imundície, pior que o fascismo. Abjecto.
    Imagine-se uma mulher violentada – porque acreditar na palavra dela? O exemplo é extremo? É, sim senhor, mas com exemplos extremos se pode esclarecer muita coisa.
    O que mais impressiona é a rasura do que diz o visado e implicado, ou protagonista: porque acreditar na pessoa violada e não no violador?
    Que gente.
    Nem os classifico. Processar-me-iam.

  8. ezequiel diz:

    qual é a importância desta questão, Nuno???

    convidou ou não convidou???

    quem é que está a mentir???

    isto é importante?

Os comentários estão fechados.