O sacanismo recidivo

O rotundo CAA atira-nos com uma lei: «indivíduos cujo comportamento sexual os coloque em grande risco de contrair doenças infecciosas graves susceptíveis de serem transmitidas pelo sangue devem deixar de ser dadores (Parte B, Anexo VII, 2.1)». A criatura logo exulta e guincha que «a lei ampara aquela decisão de gestão de risco, apesar de contrariar a última moda.» Temos assim que para esta entidade todos os homossexuais têm comportamento sexual de risco – mesmo que sejam mais fiéis do que o próprio CAA, por exemplo – tratando-se, como todos sabemos, de gentalha promíscua, suicidária, badalhoca, quase sub-humana, em suma. E malta que se deita com as pessoas erradas porque é moda. Que nojo.

Triste nesta história é que bichos histéricos como este recebam tempo de antena e papel impresso para berrar os seus preconceitos e quem até pensa sobre o assunto com conhecimento seja mais ou menos ignorado.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a O sacanismo recidivo

  1. ??? diz:

    Mesmo que isto…mesmo que aquilo. Pronto Luís Raínha, o Instituto Português de Sangue vai passar a trabalhar com casos individuais e não com estatísticas, para tal vai colocar um polícia atrás de cada dador a anotar como come, como bebe, com quem fala, com quem fode, que é para o Luís ver essas coisas novas que são o “direito de dar” e a “obrigação de receber” respeitadinhos.
    Uma questão. quando foi a última vez que deu sangue?

  2. HAL_9000 diz:

    Não sei se sabe, mas na UE só em Espanha é que homens que têm sexo com homens podem dar sangue, na generalidade dos países “ocidentais”, homens que têm sexo com homens, não podem ser dadores.

    Em Março de 2009, o UK manteve estas exclusão dos homens que têm sexo com homens, diz o NHS, que o risco de o sangue de um dador masculino que tem sexo com homens estar infectado é 5x superior. O estudo é de fácil leitura e está aqui: http://www.blood.co.uk/pdfdocs/position_statement_exclusion.pdf

    Ao contrário do soundbyte noticioso tuga, não é verdade que a tx de infectados da população homo seja semelhante à tx da população hetero:

    How can the National Blood Service continue to justify this policy in the face of
    the latest statistics suggesting that HIV is now more prevalent in heterosexuals
    than gay men in this country?
    As a group, gay men have a far higher chance of carrying HIV than the heterosexual population.

    Não me parece de todo prudente que em Portugal, país que na UE lidera todos os anos o número de novas infecções pelo VIH, se altere esta politica de exclusão dos homossexuais.

    Sei que um homossexual que não tem comportamentos de risco, em teoria, também deveria poder ser dador, mas do ponto de vista estatístico esta não é a decisão acertada, parece-me que o direito da população em geral ter acesso a uma transfusão de sangue com segurança máxima possível se sobrepõe a qualquer outro tipo de considerações!

  3. Pedro Martins diz:

    Quer-me parecer que o Luis Rainha não rntendeu o post do CAA . O que ele queria dizer é que nas relacções sexuais masculinas, por razões anatómicas, a probabilidade de se apanhar o virus é maior. Ele sabe do que fala.

  4. Luis Rainha diz:

    Pedro,
    Só duas precisões: o sexo anal não é exclusivo dos homossexuais. O uso de preservativo e a fidelidade reduzirão os riscos de contaminação durante o “período-janela” de que fala o post do Vasco M. Barreto que linkei.

    Hal,
    Está a responder a um outro texto qualquer, não ao meu. Como pode ver pelo post que linko, não adiro à ideia de berrar “descriminação” automaticamente como resposta a certas precauções.
    O meu problema com o post do CAA é a forma como ele liga “comportamentos sexuais” “de grande risco” a todos os homossexuais; ainda para mais com aquele pormenor crápula da “moda”.

  5. Justiniano diz:

    Ao invés de exultar e guinchar, em alegre e algazarrenta histeria, contra o pobre CAA, que à laia de núncio apenas apodou de diligente poeta o presidente do IPS, poderia, o Rainha, marrar, pungente mas alegremente, à laia de vergastado, contra todos aqueles bichos histéricos que verteram, em papel da República e a expensas da mesma, ignorando a malta que até pensa sobre o assunto com conhecimento, todo o seu preconceito, que se plasmou, por vontade do ignóbil representante da República, em acto normativo.

  6. HAL_9000 diz:

    Eu li o seu post e não tinha lido o post que linkou da Sábado que é excelente, percebi mal a sua ideia.

  7. Luis Rainha diz:

    ????
    Não percebeu nada, pois não? O problema não é com as precauções; é, neste caso, com uma prosa preconceituosa e odienta. E também não me deixam dar sangue, mas por uma outra razão.

Os comentários estão fechados.