Anti-comunismo

Pois olha camarada, como já estarias à espera, não concordo nada com o texto que escreves sobre as últimas declarações de Alberto João Jardim. Aliás, acho perigoso que se desvalorize a crescente onda de anti-comunismo.
Em primeiro lugar, a proposta de ilegalização do PCP, não foi dita na tradicional bebedeira de Chão da Lagoa, à qual Ferreira Leite se juntará este ano, mas sim no âmbito da lei de revisão constitucional. E se é verdade que Jardim nos habitou a disparatar, do alto da sua férrea palermice, esta declaração insere-se num contexto de crescentes ofensivas contra o PCP e os seus militantes, ao qual este governo do PS tem dado particular apoio.
São constantes as denúncias de atitudes persecutórias a militantes do PCP, nas empresas e no Estado. Foi visível e pública a tentativa de limitação das fontes de financiamento do PCP, designadamente no que diz respeito à Festa do Avante. São recorrentes as declarações de culpabilização do PCP, seja em manifestações de descontentamento para com este governo, seja pelo encerramento de empresas. E mais exemplos poderiam ser dados.
É preciso dizê-lo, nos últimos quatro anos, o anti-comunismo cresceu.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

30 respostas a Anti-comunismo

  1. Olha que já foi bem pior, Tiago.

  2. Tiago Mota Saraiva diz:

    Tem razão Inês. Já foi bem pior, há mais de 35 anos.

  3. Chico da Tasca diz:

    Meu caro amigo, espero que não tenha o desplante de negar a história, passada e presente.

    O que o Alberto João Jardim disse foi que se o Fascismo está proibido pela Constituição, o Comunismo como ideologia totalitária, repressiva e assassina, também deveria estar.

    Diga-me onde é que este raciocinio do Jardim está errado.

    Concerteza que não vem aqui negar os milhões de mortos que o Comunismo provocou, nem os campos de concentração, nem a repressão de toda e qualquer liberdade, desde o direito à expressão até ao direito ao multipartidarismo, ao direito à greve, ao direito às manifestações, etc..

    Você quer pretender que o Comunismo seja um regime democrático e respeitador das pessoas e dos seus mais elementares direitos ?

    E nem sequer colhe o apresentarem os comunistas portugueses como lutadores da Liberdade, porque nunca o foram. Foram sim lutadores contra um regime que, e muito bem, os reprimia mas para o substituir por um outro muito mais repressivo e autoritário.

    E se dúvidas houvesse, o PREC esclareceu-as.

    Aliás, o consentimento e o fechar de olhos do PCP perante as sistemáticas atrocidades e as violações de direitos humanos por parte do PCUS, são um bom testemunho disso mesmo.

    Eu já aqui disse isto várias vezes : quer o Fascismo quer o Comunismo são ideologias ditatoriais e nenhuma presta, só que em termos de grau o Comunismo é mil vezes pior e ao pé dele o Salazarismo foi uma Democracia Avançada.

    Fala em anti-comunismo ? Mas qualquer amante da Democracia e da Liberdade tem de ser, por definição anti-comunista, não basta ser só anti-fascista, porque o Comunismo é inimigo quer da Democracia quer da Liberdade.

    Portanto, o Jardim colocou o dedo na ferida que é o sistemático branqueamento do Comunismo, ao longo destes 30 e tal anos, e do passado sujo dos partidos comunistas, nomeadamente do PCP, do disfarçe com que o PCP se apresenta aos mais incautos e ignorantes, esforçando-se por se mostrar como aquilo que nunca foi nem será : um partido democrático.

    O PCP é partido que parasita a democracia portuguesa !

    O Comunismo tem de ser julgado assim como os comunistas, e o João Jardim deu um excelente contributo para que isso se faça.

  4. Tiago, é claro que isto vem de uma leitura intuitiva, pessoal, e que depende das épocas e lugares em que cada um de nós esteve e com que idade; mas o fim dos anos 80 e, sobretudo, o fim dos 90, pareceram-me muito mais agressiva e cansativamente anti-comunistas. Pelos óbvios motivos internacionais e por serem os anos áureos do cavaquismo. Dois tipos de triunfalismo que foram pesados para comunistas.

    Chico, o que me parece é que a proibição de ideologias por um regime que se afirma democrático é, simultaneamente, reveladora e criadora de vulnerabilidade. E de falta de convicção na própria democracia.

  5. Chico da Tasca diz:

    Inês,

    nesse caso que se retire da Constituição a proibição do Fascismo. Ela existe, foi lá colocada pelos mesmos marxistas que agora se indignam perante a verdade histórica denunciada pelo Jardim, e nunca ningúem se lembrou de equiparar o que é perfeitamente equiparável.

    Portanto, para haver coerência tem de se fazer uma de 2 coisas : ou se mantém a proibição do Fascismo, na Constituição, e tem de se lhe acrescentar a do Comunismo, ou não se permite que se proiba o Comunismo e, nesse caso, também não se pode proibir o Fascismo.

    Uma coisa é certa : houve um julgamento da opinião pública ao Fascismo, enquanto que em relação ao Comunismo houve um braqueamento totalmente inadmissível, que até permite que os Comunistas do PCP se apresentem aos portugueses como aquilo que nunca foram nem nunca serão : democratas.

  6. Provavelmente o que fará sentido é retirar da constituição a referência à proibição da ideologia fascista. A não ser assim terá que se alargar o veto a toda a espécie de ditaduras entre as quais a comunista e a islâmica.

  7. i.tavares diz:

    Para não ofender o palhaço,diria que é mais uma “jardinada”.Só não fiquei a perceber se a proibição era por 6 meses ou definitiva.De onde lhe vem a força?

  8. Anónimo diz:

    O Chico da Tasca talvez compreenda que um partido pode ser comunista por definição e repudie, simultaneamente, o passado das experiências comunistas. Como sabe, há no nosso país vários partidos destes, e uns, mais do que outros, se inserem em correntes que historicamente não só denunciaram, como se opuseram (e por isso foram punidos) aos regimes ditatoriais comunistas. Talvez não lhe fique mal ir em 5 minutinhos à wikipédia pesquisar sobre trotskismo (não lhe faz lógica que os seguidores desta corrente lutem por um regime comunista e simultaneamente democrático, por terem sido silenciados e assassinados no passado? Sabe quantos partidos existem na Venezuela? Investigue, caro Chico). Mas mesmo o PCP, que aceita o regime norte-coreano, por exemplo, não tem, por obrigação, que apoiar os gulags. Caro Chico, a lavagem ao cérebro que lhe é feita diariamente e que não procurou sequer contrariar, em pouco contribui para o debate. Limita-se diaramente a registar alguns lugares-comuns sobre o “comunismo” em abstracto. Leia jornais, livros, propaganda de partidos marxistas. Vai ver que não dói. Mas também não tem de aceitar, acho que é só esse o truque. Olhe que passa a ser dos meus.

    Quanto ao post propriamente dito, penso que se devem legalizar os partidos fascistas caso estes não colidam com direitos humanos (isto é, que não se expulsem, por exemplo, cidadãos com base na sua raça ou país de origem) pois, na verdade, também é reprimir um tipo de pensamento que tem todo o direito a existir legalmente …. esperem lá, então o que é o PNR?

  9. Tiago Mota Saraiva diz:

    Inês, com a queda do muro, a ideia central, é que os comunistas estariam arrumados. Iriam desaparecer, e já não constituíam um perigo transformador. A história não lhes deu razão.
    Por isso, o anti-comunismo de agora é bem mais cego, violento e institucional. Chega também a quem se diz de esquerda e é inclusivamente cenário parte das lutas internas dentro do BE.
    Veja o artigo de António Chora, que o brilhante João Galamba, publica no seu blogue. Convergência de esquerda, camaradagem, solidariedade? Por vontade de Chora, ilegalizava-se a “pseudo-célula” comunista da Auto-Europa e despedia-se os seus militantes.
    Mas Chora não é sectário. O seu pluralismo permite-lhe ir ao beija-mão a Pinho e assim isolar o PCP, segundo os opinadores da TV.
    O único problema é se continuam a crescer em militância e em votantes… Ilegalize-se.

  10. i.tavares diz:

    E como dizia Miguel Sousa Tavares há 18 anos (lembrou Vítor Dias há pouco tempo) o comunismo morreu e está enterrado.

  11. publicas-me isto? diz:

    É pá estes gajos são uns provocadores da treta.

  12. jf diz:

    Basta ir consultar os seus estatutos e verificar que o PCP defende valores democráticos. O problema, é que este anticomunismo crescente (não só em Portugal) é uma reacção a uma série de crises sistémicas que poderiam por em causa os actuais regimes capitalistas, e que por isso é necessário descredibilizar. Por isso é que eu acho que o Bloco deveria sentir-se incomodado com tanto elogio vido do patronato.

    O João Jardim é apenas um tolo usado pelos media ao serviço do “Grande Capital”.

  13. Chico da Tasca diz:

    Vamos lá a ver, o Tiago Mota Saraiva está aqui a deturpar a informação e a enganar as pessoas como bom Comunista. O Jardim foi bem explicito : não se trata de ilegalizar partidos mas sim de proibir ideologias que em si mesmo são criminosas para com as pessoas e a sociedade.

    Vem do para aqui falar do sindicalismo dos comunistas ? Qualquer um minimamente informado que o sindicalismo dos sindicatos correias de transmissão do PCP, como de outras organizações correias de transmissão do PCP, tem por objectivo principal a implantação do Comunismo e dos seus fundamentos, nas estruturas de base da sociedade, minando-a por dentro.

    Qual é um dos principais fundamentos do Comunismo ? O ódio à iniciativa privada ! Outro, é o surgimento de correntes autónomas do pensamento comunista. O Comunismo é caracterizado por subjugar o individuo à máquina e ao partido. É nestes pressupostos que assenta a prática dos sindicatos correias de transmissão do PCP.

    Ou seja, uma negociação franca, justa e equilibrada de ambas as partes, trabalhadores e empregadores é tudo menos do interesse do PCP. O seu interesse é uma estratégia de permanente confronto e de diabolização do empresariado. Se isso significar a perda de postos de trabalho, pelo extremar de posições, e o prejuizo dos trabalhadores isso é totalmente irrelevante para o PCP pois o que conta são os superiores interesses do Partido.

    Nós vemos todos os dias esse tipo de actuação nos sindicatos da Função Pública, que radicalizam permanentemente posições, escudados em leis ultra-garantisticas, e que usam os trabalhadores como arma de arremesso politico, ao serviço do PCP.

    Portanto, o surgimento de um Chora como sindicalista equilibrado e independente, é algo de intolerável para o PCP, que tudo faz para dinamitar por dentro o seu esforço de negociação séria, mesmo que seja à custa, como disse, dos interesses dos trabalhadores.

    Portanto, senhor Tiago, vamos lá mas é tirar a máscara dos Comunistas do PCP e mostrar às pessoas e aos incautos o que eles verdadeiramente são !

  14. Anónimo diz:

    Chico: antes de mais leia ou releia o meu post.

    quanto ao seu último:

    – estou chocado: proibir ideologias? Não é proibir um partido, é proibir uma ideologia? Ilumina-nos do teu alto e diz-me como o queres fazer.

    – os sindicatos têm como objectivo defender os direitos dos trabalhadores. Historicamente servem de motor à Revolução, que acabaria com a opressão do Capital. Qual é o mal disso? Não é nenhuma teoria da conspiração.

    – Um dos pilares do Comunismo é o ódio à iniciativa privada PORQUE desde sempre isso minou a sociedade: portanto os partidos comunistas lutam por um mundo comunista onde ninguém esteja subjugado ao capital. A iniciativa privada seria, numa sociedade comunista perfeita, incentivada, mas com objectivos mais virados para a satisfação de necessidades do que fazendo o mesmo através da lógica de acumulação de capital (um exemplo, as vacinas seriam produzidas mesmo que isso não desse lucro, porque não só é possível, como desejável fazê-lo. Até os que aceitam o mercado e o estudam sabem que há falhas…).

    Quanto ao meu outro post não tens nada a dizer? Mais do que largares aqui meia dúzia de palavrecas que demonstram, acima de tudo, falta de informação do que são os ideiais, seria justo atacá-las pelos seus princípios. Mas disso, pelos vistos estamos livres. Imagina, por isso, que eu sou alguém que tem Poder suficiente para dizer que a tua ideologia é perigosa e deve ser proibida… Já o fizeram na União Soviética, que tanto criticas, e agora queres fazê-lo aqui, sob outra bandeira?

  15. Anónimo diz:

    Chico: antes de mais leia ou releia o meu post.

    quanto ao seu último:

    – estou chocado: proibir ideologias? Não é proibir um partido, é proibir uma ideologia? Ilumina-nos do teu alto e diz-me como o queres fazer.

    – os sindicatos têm como objectivo defender os direitos dos trabalhadores. Historicamente servem de motor à Revolução, que acabaria com a opressão do Capital. Qual é o mal disso? Não é nenhuma teoria da conspiração.

    – Um dos pilares do Comunismo é o ódio à iniciativa privada PORQUE desde sempre isso minou a sociedade: portanto os partidos comunistas lutam por um mundo comunista onde ninguém esteja subjugado ao capital. A iniciativa privada seria, numa sociedade comunista perfeita, incentivada, mas com objectivos mais virados para a satisfação de necessidades do que fazendo o mesmo através da lógica de acumulação de capital (um exemplo, as vacinas seriam produzidas mesmo que isso não desse lucro, porque não só é possível, como desejável fazê-lo. Até os que aceitam o mercado e o estudam sabem que há falhas…).

    Quanto ao meu outro post não tens nada a dizer? Mais do que largares aqui meia dúzia de palavrecas que demonstram, acima de tudo, falta de informação do que são os ideiais, seria justo atacá-las pelos seus princípios. Mas disso, pelos vistos estamos livres. Imagina, por isso, que eu sou alguém que tem Poder suficiente para dizer que a tua ideologia é perigosa e deve ser proibida… Já o fizeram na União Soviética, que tanto criticas, e agora queres fazê-lo aqui, sob outra bandeira?_

  16. Chico da Tasca diz:

    Anónimo

    há mais de 30 anos que existe a proibição do fascismo na cosntituição portuguesa. Mas algum marxista alguma vez se indignou contra isso ?

    Tudo o resto que dizes só reforça aquilo que eu digo : o Comunismo é uma ideologia e um regime ditatorial contra as pessoas.

    Você diz isto : “A iniciativa privada seria, numa sociedade comunista perfeita, incentivada, mas com objectivos mais virados para a satisfação de necessidades do que fazendo o mesmo através da lógica de acumulação de capital (um exemplo, as vacinas seriam produzidas mesmo que isso não desse lucro, porque não só é possível, como desejável fazê-lo”.

    Ao dizer isto você não conhece o ser humano, porque o Comunismo perfeito não só não existe como é um engodo para a opressão dos tipos do aparelho sobre todos os outros. E os tipos do Aparelho, de todos os Aparelhos comunistas aquilo que mais gostam é de Capital !

    Meu caro amigo, eu sou um individuo, uma pessoa autónoma, tenho todo o direito a a construir a minha vida e o meu futuro, com base no meu esforço e no meu trabalho. E tenho todo o direito a lutar para ter sucesso, para acumular Capital, ou seja, para ganhar Dinheiro, e não a ser uma espécie de parafuso do partido sem vontade própria.

    O Comunismo para além de opressivo é um embuste impraticável porque vai contra a natureza humana, é totalmente insuportável para qualquer ser humano que queira ser livre e só é pode existir com base na repressão feroz.

    É uma ideologia desprezivel ! Tão desprezivel, que onde se impõe tem construir muros electrificados para que as pessoas dela não possam fugir.

  17. Pingback: cinco dias » Anti-comunismo

  18. Este chico da Tasca é uma avençado do PS! E tal como eles não tem um pingo de vergonha na cara! São filhos de um partido travestido de esquerda – que há muito renegou as suas origens!

  19. Nada mais a dizer, Tiago. O teu «post» diz tudo. Qualquer comentário que se faça peca por excesso.
    Que pena a tua cláusula de rescisão ser tão alta…

  20. Chico, precisamente. Não acho benéfico e nem sequer aceitável ilegalizar ideologias, por si. Quaisquer que sejam.

    Tiago, mais uma vez: falo da minha experiência, apenas. E não disse que não existe anti-comunismo agora, apenas que o senti mais tenso e agressivo nessa época (aliás, por isso me filiei). Ainda assim, continuo a concordar com o VD: vindo de onde vem, como cumprir do ritual anual de dizer uma alarvidade qualquer, custa a discutir seriamente.

  21. CN diz:

    Se o AJJ quer proibir o totalitarismo, em que situação ficava a Madeira????

  22. luis t. diz:

    Acho que o AJJ com as suas costumadas aleivosias está a prejudicar o próprio partido a que pertence. Isso é o menos.

    O pior é que estas afirmações poderão servir aquela “esquerda” que neste momento tenta minimizar as percas das europeias…

    Nunca nos esqueçamos que foi Mário Soares o mais proeminente anti-comunista português!…

    Logo estes disparates, vindo de onde vêm, não interessam a ninguém…

  23. Inês, veja que até à RTPN lhe agradou “debater” a ideia…

    O chico da tasca está a perder vigor e já utiliza uma ferramenta de retórica erudita como o “deturpar da verdade”. A sua linha socrática de extrema-direita também sofreu um rombo com a derrota de Vital? Será que também temos um chico light ou será que a tasca moderou-lhe a borrasca? Já não é nazi, é nacionalista? Já não quer os comunistas mortos, mas na prisão? Já admite o casamento entre pessoas do mesmo sexo?

  24. A.Silva diz:

    Muito bem Tiago é um texto muito apropriado.

  25. Pinto diz:

    O nº 4 do art. 46.º diz o seguinte: “Não são consentidas associações armadas nem de tipo militar, militarizadas ou paramilitares, nem organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista

    A proposta do PSD-Madeira sugere esta redacção:
    “Não são consentidas associações armadas nem de tipo militar, militarizadas ou paramilitares, nem organizações racistas ou que perfilhem qualquer ideologia totalitária ou autoritária contrária ao Estado de Direito democrático”.

    Aqueles que chamam AJJ de fascista, entre outros insultos, que digam expressamente o que é que tanto os ofende nesta proposta.

    A minha sugestão seria a seguinte: “Não são consentidas associações armadas nem de tipo militar, militarizadas ou paramilitares, nem organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista“., pois perfilhar ideologias, de forma pacífica, é uma forma de liberdade de expressão, no entanto a proposta de AJJ não deixa de ser interessante.

    Na minha modesta opinião, a revisão constitucional deveria alterar, ou melhor, eliminar, uma frase preambular:

    PREÂMBULO

    A 25 de Abril de 1974, o Movimento das Forças Armadas, coroando a longa resistência do povo português e interpretando os seus sentimentos profundos, derrubou o regime fascista.

    Libertar Portugal da ditadura, da opressão e do colonialismo representou uma transformação revolucionária e o início de uma viragem histórica da sociedade portuguesa.

    A Revolução restituiu aos Portugueses os direitos e liberdades fundamentais. No exercício destes direitos e liberdades, os legítimos representantes do povo reúnem-se para elaborar uma Constituição que corresponde às aspirações do país.

    A Assembleia Constituinte afirma a decisão do povo português de defender a independência nacional, de garantir os direitos fundamentais dos cidadãos, de estabelecer os princípios basilares da democracia, de assegurar o primado do Estado de Direito democrático e de abrir caminho para uma sociedade socialista, no respeito da vontade do povo português, tendo em vista a construção de um país mais livre, mais justo e mais fraterno.

    A Assembleia Constituinte, reunida na sessão plenária de 2 de Abril de 1976, aprova e decreta a seguinte Constituição da República Portuguesa:

    Esta frase é retrograda e está completamente desenquadrada da actualidade. A Constituição não pode perfilhar qualquer ideologia. E a verdade é que perfilha.

  26. José Eduardo diz:

    Uma cambada de fascistas achando-se que é a maior do mundo e a achar mesmo que conseguirão acabar com os comunistas.

    Não percebo o povo português.
    Ás vezes é tão estupido.
    Quer dizer, a sério mesmo.
    Olhem á vossa volta. Desemprego, pobreza, pessoas JOVENS que se aproveitam do rendimento minimo para não trabalhar e etc.
    Tudo isto por causa dos GOVERNOS que andaram por ai. Imposto pra aqui, imposto para ali, lei para aqui mais lei para ali e depois de tanto tempo a levar bofetadas e chapadas do governo o povo português ainda tem lata para dizer que o futuro está no PS, CDS-PP e no PSD.
    ELES MANDARAM PORTUGAL ABAIXO!!!
    Mas mesmo assim, mas mesmo, mesmo asssim, o inteligente e intelectual do povo português vai votar nesses que referi ai acima.

    Uma situação que nunca, mas nunca me saio da cabeça foi numa papelaria quando ouvi uma mulher a se queixar que não tinha trabalho. A mulher que a atendia disse-lhe que havia uma professora que pagava bem á hora (limpeza e trabalhos domésticos) e a mulher disse que não ia aceitar porque estava em casa a receber o rendimento minimo + o do seu marido e que nem sequer precisava de trabalhar.
    Ou seja, estava a ganhar tanto como se estivesse a trabalhar, mas está em casa sem fazer nenhum e a ganhar o mesmo.

    Sigam a lógica.
    Por alguma razão o pais está como está.

    “Certas pessoas atravessariam o oceano para lutar por democracia, mas não atravessariam a rua para votar”

    Vocês só se aleijam mais do que o que estão ao seguirem essas ideias do anti-comunismo.

  27. Capitalista diz:

    Eu sou anti-comunista sem vergonha

  28. Centro-direita diz:

    Para ver os comunistas fora daqui até colocava uma bandeira nacional socialista na janela. Stalin matou muito mais, sem comparação, mas parece ser herói. Os campos de concentração à beira da Sibéria são parque de diversão. Alguém acha que o comunismo é democracia?

  29. Nicolau da Romênia diz:

    A “democracia” ocidental é traidora e aliada ao comunismo assassino, assim com foi aliada ao comunismo na Segunda Guerra! É a mesma “democracia” podre ocidental que sustenta o comunismo até hoje e não quer julgar o assassino comunista num Tribunal Internacional! A Europa do Leste é a Tumba do comunismo!
    Abaixo a aliança Satânica dos comunistas e democratas!

Os comentários estão fechados.