Deles será o reino dos céus

Só mesmo o Henrique Raposo para fazer brilhar, por contraste, as prosas previsíveis do Daniel Oliveira no Expresso. Nesta semana, a luminária lembrou-se de falar dos “paranóicos da Gripe A” que “fecharam escolas”, provando que a ignorância é mesmo a companhia preferida da pesporrência. Claro que para a criatura seria melhor deixar que um miúdo comprovadamente infectado espalhasse a gripe pelos colegas todos, cortando cerce as veleidades do tal “histerismo sanitário”.
Depois, o bom Raposo dirige o olhar míope para o Papa. Admirem a sageza da coisa: “aquilo que o Papa tem dito sobre a – suposta – falta de ética do capitalismo não ficaria mal na colectânea dos summer hits de Francisco Louçã”. Isto a propósito do que ele chama a “falácia antiliberal que está sempre presente na Igreja Católica”.
Ou seja: imaginar que houve gente aldrabona na raiz da presente crise, das empresas de notação a banqueiros e especuladores mais interessados nos seus bónus do que no desempenho das suas empresas… isso é incorrer numa “falácia antiliberal”. Um argumento à Alberto João: quem levanta dúvidas sobre os nossos é contra nós e contra tudo o que é decente. (Claro que o Raposo nem sonha que até o santo Adam Smith escreveu sobre ética nos negócios.)
Por fim, a parte mais divertida, quando ele se lembra de tentar ensinar doutrina cristã ao Papa, verberando-o por “trazer Marx para o Evangelho” e perguntando a Bento XVI qual é a parte que ele “não entende” da famosa sentença de Cristo que recomenda que se dê a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Mal sonha o obtuso cronista que Cristo falava dos odiosos e maléficos impostos, incentivando ao seu pagamento!
Mas como poderia alguém que nada percebe dos assuntos dos homens fazer melhor com a palavra de Deus?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 respostas a Deles será o reino dos céus

  1. Luís, és sem dúvida um dos meus bloggers de referência. Magnífica resposta.

  2. Pascoal diz:

    Só não percebi que é que faz aí o Daniel Oliveira à mistura com o Henrique Raposo.

  3. falando sem ter lido nem notícia nem o inefável raposo e muito menos conhecendo as contingências previstas pelos actuais ministério: quando há um aluno comprovadamente infectado com uma das muitas gripes sanzonais, ou varicela, sarampo, papeira, …, também fecham as escolas?

  4. LR diz:

    Pascoal,
    À mistura estão eles na mesma página do “Expresso”.

    Dorean,
    Em caso de doenças infecciosas muito graves ou de muito fácil transmissão, julgo ser essa a reacção padrão.

  5. Luís,
    Felizmente não escreves tu ao meu lado, que lá se me ia o brilho todo. O meu ou o de qualquer um, não fosse toda a gente banal e desinteressante perante o teu esmagador talento, inteligência, argúcia, imprevisibilidade…

  6. Carlos Vidal diz:

    Não tenhas dúvidas Daniel Oliveira, é que ía mesmo.
    (É que o programa das prosas que escreves é mais ou menos este, com poucas variantes: sempre sempre ao lado da liberdade, da lei e da democracia – nunca contra a liberdade, a lei e a democracia.)

  7. Sim, é verdade Carlos, menos a lei do que o resto, mas acertou. O que é engraçado é que diz isso como se fosse um insulto. Mas, ainda assim, estava a fazer uma leve ironia com o Luís. Mas, perante o raciocínio dele, percebo finalmente qual a sua função neste blogue: fazer toda uma constelação de bloggers do cinco dias brilhar.

  8. Carlos Vidal diz:

    Parece que sim, parece que sim, Daniel Oliveira.
    Acho que isso é mesmo aquilo que mais imediatamente e precisamente se desprende da minha presença.
    Sou deveras conciliador e deveras elogioso para os outros, oh oh.
    E os outros para mim. Yes!

  9. LR diz:

    Daniel, Daniel… a previsibilidade não é, por si só, um defeito. Quem tem uma pequena indústria opinativa a defender, além de um partido, está fatalmente obrigado à constância. E a feitura de digests do que se vai respigando pela blogosfera também dificilmente levaria à surpresa.

Os comentários estão fechados.