José Saramago e António Chora

José Saramago, segundo uma notícia da Lusa amplamente divulgada pelos meios de comunicação social, manifestou a sua vontade que António Costa se mantivesse como presidente da CML e António Chora foi a figura em destaque no jantar de despedida do ex-ministro Manuel Pinho. Independentemente de tudo o que se possa pensar sobre estas duas acções políticas, ambos têm a liberdade individual de o fazer.
A única diferença, é que a declaração de Saramago (não sendo claro se se traduzirá num sentido de voto) apenas compromete o próprio. A presença de Chora no jantar de Pinho, sendo dirigente do BE e da Comissão de Trabalhadores da Auto-Europa, compromete as duas organizações. Explicações como esta, são um desafio à inteligência.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a José Saramago e António Chora

  1. Enojado diz:

    Como é que se pode ter dúvidas sobre o “sentido de voto” do Saramago?
    A menos que se considere falsa a seguinte declaração que a Lusa lhe atribui: ” “Espero que [Costa] seja presidente por muitos anos mais. Espero que isso aconteça. Oxalá!”…
    Ou irá o homem votar noutro que não em quem deseja ver presidente da CML?

  2. quinta do infantado diz:

    A presença de Chora só o comprometeu a ele.
    O voto de Saramago só o compromete a ele.

    A presença de Chora, membro de um partido em que há liberdade de opinião e de critica, e em que não existe pensamento único, a única coisa que ficou clara, é que a direcção do BE não se reviu nas palavras que Chora pronunciou, sobre o Pinho.

    As declarações de Saramago membro de um partido, onde todos se regem pelos ditames do C.C. , não têm consequências porque é José Saramago o Nobel de Literatura, se fosse outro militante a esta hora já estava com processo de expulsão.

    E isto faz toda a diferença.

  3. Augusto diz:

    Se o militante do PCP José Saramago acha que o militante do PS Antonio Costa é muita mais competente para dirigir a Camara de Lisboa, que o seu camrada Ruben de Carvalho, não vejo qual é o problema.

    O PCP não faz alianças com o PS, com o PSD e o CDS nas autarquias….

  4. Luis diz:

    “Espero que seja presidente por muitos anos mais. Espero que isso aconteça. Oxalá! Mas é preciso fazer com que isso aconteça. As coisas não acontecem por si mesmas. É preciso fazê-las acontecer. Espero que isso venha a suceder, a tempo de ganhar as eleições e a tempo de continuar o magnífico trabalho que tem vindo ser desenvolvido pelo Município de Lisboa”, foi tudo quanto o Saramago disse.

    Já o Chora começou por brindar ao Pinho porque “fez muito pela indústria do país” reiterando depois que “precisamos de um ministro igual a este”, “Desde 2005 que o Ministro se empenhou na continuidade da Autoeuropa (…) assegurando os nove mil postos de trabalho que dependem desta empresa. Falávamos regularmente (…)”. E tão depressa assegurou que “como o convite era feito em termos pessoais não hesitei em aceitar” como vem agora confessar: «Fui como membro da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa”. Claro que o corno (Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa) foi a último a saber.

    E já agora o que têm em comum estes dois casos? Atentado à inteligência é estabelecer paralelismos entre uma previsão e uma acção.

  5. Essa agora diz:

    Augusto:
    “O PCP não faz alianças com o PS, com o PSD e o CDS nas autarquias…”
    Essa agora…

  6. Luis diz:

    “O PCP não faz alianças com o PS, com o PSD e o CDS nas autarquias…”
    Essa agora…”

    Onde está em maioria o PCP convida as outras forças políticas para participarem na gestão autárquica. Onde está em minoria os seus eleitos têm toda a liberdade para aceitar os convites que lhes façam. Onde está o problema? Trata-se da gestão de autarquias locais e da resolução dos problemas das populações. Não é isso o mais importante? É aliás, uma prática desde sempre…

  7. Essa agora diz:

    Luis,

    Depois de o ler, repito: Essa agora…

  8. Luis diz:

    “Depois de o ler, repito: Essa agora…”

    Pois é. Foi sempre assim, espero que continue assim. Nem tudo tem que ser “parlamentarizado”. Na gestão local as diferentes forças políticas podem perfeitamente juntar esforços para resolver problemas. Assim queiram. Pelo menos essa foi uma prática da CDU desde sempre.

  9. A. Laurens diz:

    As freses de Saramago agitarem a cabecinha dos tugas. Apenas porque o tuga confunde homens da politica com partidos e ambos com clubes da bola.

  10. Velho do Restelo diz:

    O Saramago… enfim, já nos habituou..
    O Chora, bem, desde que recebeu parabens do Presidente da Volkswagen e que o “seu ” acodo foi usado pela dita na chantagem para diminuir salários e condições de trabalho no “paraíso do diálogo social” (Alemanha) e aqui na “vizinha”.. gostou de ser afagado e anda nas nuvens.

    Pois, com lidees operários como este …
    Olhando para osutros lados a coisa não melhora, né…?

Os comentários estão fechados.