Quem é que foi nazi? Sim?, e depois?

Para muitos, e eu tendo a integrar-me nesse grupo (modestamente, confesso), Wilhelm Furtwängler foi o grande nome e o mais espantoso (se um só tivesse de ser escolhido) director de orquestra do século XX.

Nos anos 20, torna-se sucessivamente titular da Orquestra Filarmónica de Berlim, da de Viena, do Festival de Salzburgo e de Bayreuth, a “casa” de Wagner. Nos anos 30 dirigia em Nova Iorque, por lá talvez ficasse não fora Göring trazê-lo para Berlim, com o consentimento de Furtwängler claro, para dirigir também a ópera da cidade.

Dirige aqui nesta gravação o final da Nona de Beethoven no dia 19 de Abril de 1942, comemorando o quinquagésimo terceiro aniversário de Hitler, numa sala vestida e ornamentada a rigor. O som deste filme é naturalmente de má qualidade, mas eu não sei se conheço outra leitura tão eloquente e impressionante desta obra. Furtwängler nazi? Estou pouco ligando, meus caros “éticos” (“éticos” como aquele dos “51” que me criticou por admirar Kiarostami, amigo de ayatollahs), aliás esse é mesmo o lado para onde durmo melhor, como se costuma dizer.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Quem é que foi nazi? Sim?, e depois?

  1. Pascoal diz:

    Se arranjasses uma farda à maneira ficavas bem entre aquela assistência.
    E se levasses contigo o João Gonçalves depois podiam ir beber um copo e falar sobre a crise (a daquele tempo também era muito chata)

  2. almajecta diz:

    Aqui neste, depois das modas dos comeres chinês, japonês, kosher “há que” e mui avisadamente deglutir a sardinha tanto sem pele e sem espinha em óleo como com pele e com espinha em azeite. Exercício de afirmação radical que ultrapassa as preferências do nosso povo. Non esiste dunque arte dilettevole, sai uma de ideias já prontas.

Os comentários estão fechados.