“HABITUEM-SE!!” – não vamos ouvir isto mais vez nenhuma – ACABOU-SE

Podemos enfim ver e contemplar com todo o prazer a obra do arquitecto do Hotel Altis, ver as cadeiras que o designer escolheu para rechear o hotel e a salinha “ps.ista”, sem querer dizer, por amor de Deus, que o designer tem alguma coisa a ver com o PS. Naquele sala vazia o que é importante é ver que perante as dificuldades o grande partido da “esquerda moderna” é dizimado e nessa catástrofe empregados e empregadores do país “socialista” bateram em retirada. E, mais, muito mais, é fascinante saber que por lá não vai, de maneira nenhuma aparecer um tipo nervoso, de riso inclassificável, a dizer à imprensa: “HABITUEM-SE”!!!!

Só saber que não vou ouvir HOJE um indivíduo chamado Vitorino dizer “HABITUEM-SE”, e que não o vou ouvir mais a dizer tal coisa, é caso para felicitar quem quer que seja. QUEM QUER QUE SEJA.

Nem que o JUGULAR venha garantir a vitória do Trofense.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a “HABITUEM-SE!!” – não vamos ouvir isto mais vez nenhuma – ACABOU-SE

  1. LAM diz:

    Dê o que der, os tiranetes socráticos perderam. À partida, SÓ ISSO QUE SEJA é uma vitória da lucidez democrática contra o silenciamento, a mordaça e a chantagem.

  2. justiça! diz:

    …”o charme do António Vitorino”. Só num país alimentado a beirões e leitões, uma criaturinha horrorosa, de riso à iac, iac, pode ser apelidada de charmosa! Assim parecido, só o Alípio Dias…que também presume ter charme. Talvez, dinheiro do BPN e de outras confrarias.

  3. Ana M diz:

    Não deixa de ser irritante ouvir os comentaristas “de serviço…” na nossa imparcial comunicação social… As maiorias também se abatem.

  4. Ana M diz:

    As maiorias também se abatem

  5. almajecta diz:

    muito triste e aborrecido, o deserto arquitectural e designico, lá ficou o homem mais solitário por vias dos ratoneiros oportunistas e do fumo do cigarro do grande jamé.

  6. R. diz:

    Essa foi a maior das vitórias. Este PS tem de facto uma forma de fazer política abominável.
    Que alívio!

Os comentários estão fechados.