RAOUL VANEIGEM, o comunismo como poética de regresso e numa retrospectiva obrigatória (nunca mais tão jovens beberemos não é verdade?)

raoul-vang2
Raoul Vaneigem

A Internacional Situacionista existiu entre 1957 e 1972.

Apesar de todas as ilusões, utopias realizadas, conflitos pessoais (o de Vaneigem versus Debord é o mais impactante), beleza oculta e secretamente vivida em todas as cidades em que a atomização do urbanismo contemporâneo ainda não tinha de todo triunfado (e o Maio de 68 como “possibilidade” foi disso a prova), apesar de tudo por aquilo que passou, a IS venceu, falhou, venceu, mas sempre pretendeu combater o seu sucesso. Estranho, não é verdade? Talvez, mas a “história secreta do século XX” (para retomar o termo de Marcus), guardará para a IS o centro dos acontecimentos ou mesmo do mundo, do mundo do vivido contra o mundo da representação (e já estamos a confluir para Debord, que não é exactamente o tema deste texto). Sublinho neste post a importância de uma retrospectiva da IS relatada em rara entrevista por Raoul Vaneigem (a Hans-Ulrich Obrist, o hiperactivo crítico, comissário de exposições e director da Whitechapell de Londres, no último e-flux journal #6 de Maio último).

O ano de 1967, como se sabe, foi fundamental para a IS: Guy Debord publica La Société du Spectacle e Vaneigem, Traité de Savoir-Vivre à l’Usage de Jeunes Générations. Na década de 70 já são dois inimigos sem conciliação. Morto Debord, é hoje Vaneigem o fiel depositário, digamos assim, deste património precioso e inédito, em que marxismo, revolução, dadaísmo e surrealismo se cruzam, como se de formas de respirar se tratassem (ou como de respiração natural se tratasse esse cruzamento hibridizado e sem hierarquias). Quando Guy Debord escreve La Société du Spectacle e nos diz, depois, que as pessoas que mais admirou foram Arthur Cravan, o artista-pugilista-aventureiro, e Lautréamont, percebemos que a poesia radical se une nele (neles) à política igualmente radical: Hegel, Marx, Stirner e Bakunine. E dessa mistura resultam quatro inimigos fundamentais: o Estado, o capitalismo, a economia e a militância partidária.

Como dirá Vaneigem, a economia é o inimigo central, pois ao nascer de uma passagem da colheita dos recursos naturais para a sua industrialização, a economia inaugura apenas a sua história contra a nossa. Para Vaneigem, a economia é sinónimo de pilhagem e destruição das relações humanas. Resta-lhe, resta-nos, o elogio da preguiça, que aliás faz nun raro livro sobre os pecados capitais para o Centro Pompidou (Paris, 1996): “O embrutecimento do trabalho quotidiano terminou reconhecido como ele é: uma alquimia de involução que transformou em chumbo o ouro da riqueza existencial”.

Daqui vamos para a primeira resposta de Vaneigem a Obrist (que lhe começa por perguntar o que gostaria de dizer a Obama): “Recuso cultivar todo e qualquer tipo de relação com gente do poder. Concordo com os Zapatistas de Chiapas, que nada pretendem nem do Estado nem dos seus figurões, as máfias multinacionais. Apelo à desobediência civil para que as comunidades possam formar, coordenar e encetar um poder natural autoproduzido, outras formas de exploração agrícola e concretizar serviços públicos libertos das escamas governativas quer da direita quer da esquerda. Por outro lado, apoio Chamoiseau e Glissant [escritores e teóricos de Martinica] na defesa de uma existência onde a poesia da vida ponha cobro aos bastiões da mercadoria”.

Vaneigem e Debord sempre quiseram tudo. E nós, já não queremos nada pois não?? (CONTINUA)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a RAOUL VANEIGEM, o comunismo como poética de regresso e numa retrospectiva obrigatória (nunca mais tão jovens beberemos não é verdade?)

  1. q diz:

    Perdidos no seu próprio palavreado…

  2. os leitores do 5 dias interessados em prosseguir as leituras podem encontrar alguns dos textos mencionados neste post em http://www.radioleonor.org/?page_id=40, bem como outros de não menor interesse.

    A questão com vaneigem é quão fácil foi “recuperar” a sua proposta existencial, formalmente mais óbvia do que a do debord: o seu “viver sem limites” está presente em toda a publicidade jovem contemporanea. Há uma carta de debord, presente também no livro que acompanha os seus filmes, que resume um pouco a questão. Não a cito de memória nem a tenho presente aqui, mas Debord recusa assumir o papel quer de “rebelde”, como vaneigem, postura formal e estética que pouco sentido faz para lá dos filmes do nicholas ray, quer de “dandy”, afirmando que já há muito que tinha deixado de existir qualquer local ou circulo cuja exclusividade merecesse algum tipo de crédito.

    Mas os livros das edições entipáticas em geral não se prendem com estas tricas. De novo: http://www.radioleonor.org/?page_id=40

  3. Paulo Ribeiro diz:

    ler estes post do vidal é sempre uma experiência. ver a forma, como este autor, que escreve con conhecimento de causa, procede a um revisionamento da lição marxista, à sua depuração. neste processo, procede-se sempre a uma deslocação da atenção sobre o conteúdo (“o que é escrito”) para a forma (“o como é escrito”). a principal diferença entre a aplicação do conceito à prosa e ao seu sentido, consiste no facto de na primeira a actualização se realizar ao nível dos temas, dos enredos e das personagens escolhidas, e, na segunda, ao nível puramente linguístico. na linguística jakobsoniana, trata-se do momento em que uma palavra deixa a sua realidade linguística, enquanto termo de um dicionário vivo, para fazer parte de um discurso. no sistema linguístico saussuriano, por exemplo, podemos dizer que a fala é uma actualização da língua. num sentido geral, a pragmática pode ser definida como um estudo de actualizações. o conceito está próximo de outras noções de jakobson, apresentadas nos essais de linguistique générale, como as de referência, que coloca a palavra em relação àquilo que representa, e embraiagem, que se refere à presença das marcas do sujeito da enunciação. opõe-se à virtualização e à abstracção na linguagem.

  4. Carlos Vidal diz:

    Tudo o que aqui escreveu Paulo Ribeiro é bem sabido.

    Já estabelecido, consabido e consolidado.

    Experimente outra via. Esforce-se um pouco mais, vá.

  5. almajecta diz:

    portantos, o pensamento poético é proplético e à Musa invocada sob o nome de Memória é implorada uma ajuda que faça o poeta recordar o futuro, tá?

  6. SUINORDESTINO

    Iniciei a reflexão buscando parâmetros de grandezas,
    a relevante importância dos tamanhos antigas como seus conceitos
    mais tardiamente pensados por nós
    seres vivos.
    Onde encontrar tais informações tão específicas?
    Obviamente em máquinas rápidas
    Criadas por minha espécie
    Pensaria talvez a respeito de minha importância e superioridade
    Pelo simples fato de ser bem maior e visível nas proporções tridimensionais
    Mas seria um grande equivoco se relacionasse a essa grandeza a nocividade como ser vivente e valor
    Então vi que não seria necessário tais informações
    Mesmo porque, os valores numéricos que encontrasse
    Não seriam esclarecedores por minha inabilade com tantas vírgulas e zeros
    Cabíveis as dimensões entre o vírus e um ser humano.
    Continuei e logo mais dúvidas me atormentaram e grandes atalhos psíquicos
    E arte manhas de um órgão que pouco conhecemos me proporcionou
    Subterfúgios e defesas contra o sofrimento de saber que sabemos e que fazemos parte de uma espécie tão diversificada em comportamentos, movidos e intuídos por forças.
    Ás vezes misteriosas que nos diferenciam uns aos outros.
    Mas mesmo assim infelizmente não me achei mais importante por pensar e criar
    Então, tentei parar de pensar um pouco.
    E senti o estranho desejo de desejar proteção divina aos meus familiares
    Contra os minúsculos seres que nos ameaçam de simplesmente viver.
    Alguns nomeiam esse sentimento de amor.
    Outro fenômeno também tão pouco conhecido
    E confundido.
    É difícil pensar que para estarmos vivos
    Alimentamos de tantos seres que foram vivos
    E que muitas vezes indiretamente ou não
    O subjugamos e tornamos suas vidas curtas e dolorosas
    Muitas vezes fazemos isto entre nós da mesma espécie
    Mas precisamos fingir que não é o nosso maior desejo
    E que simplesmente precisamos sobreviver e perpetuar nossa nobre espécie
    De preferência feliz Mas alguma coisa me diz
    Que os vírus querem viver também mesmo não pensando nisto.

    Alfredo Nobel
    Inverno 2009
    01h38min

Os comentários estão fechados.