Gala dos pequenos censores


Perfilados do Medo, poema de Alexandre O’Neill, pelos Linha da Frente

Pelo Expresso ficámos a saber que a música mais popular do último trabalho dos Xutos e Pontapés não passa na rádio portuguesa. Não porque esteja censurada, mas porque a totalidade dos responsáveis das principais rádios resolveu, como por milagre, não a passar. A medo, o responsável da Antena 3 vem dizer que não querem ser politicamente polémicos. No fundo, não querem incomodar suas excelências. O respeitinho é muito bonito.
Como a verdadeira função da Entidade Reguladora da Comunicação (ERC) é garantir que não incomodem o engenheiro do turno, nada foi feito para pôr cobro a esta atitude.
Li a resolução da ERC sobre o Jornal Nacional de Sexta da TVI, e pretendo, mais tarde, fazer o levantamento exaustivo do trabalho desta instituição, que se distingue por saber muito bem do lado em que está o pão e do lado em que está a manteiga. Para já, gostava de deixar algumas notas: na ERC, actualmente, a única pessoa com uma vaga ligação ao jornalismo é a senhora Estrela Serrano, que tem uma brilhante e interessante tese de mestrado a mostrar como a Presidência de Mário Soares, em que ela era assessora de imprensa, manipulou os jornalistas. Esta ligação umbilical ao poder e esta ignorância congénita dos procedimentos jornalísticos notam-se na actividade da ERC. Àcerca de uma notícia que eu conheço bem, a ERC vem contestar, entre outras coisas, o facto de eu escrever sem contraditório, afirmando que ´a comissão de inquérito, nomeada pela Câmara da Guarda, era constituída por técnicos superiores da Câmara, pessoas que estão na dependência hierárquica dos vereadores da Câmara do PS´.
É preciso explicar à ERC que juizos de facto, ainda por cima escritos em toda a imprensa, não necessitam de contraditório. A afirmação só necessitava de contraditório caso eu dissesse que ´a Câmara Municipal da Guarda pretendeu manipular o inquérito e por isso escolheu pessoas da sua cor política´, ou qualquer outra conclusão que não tivesse inscrita na lei e na realidade.
É preciso dizer a esta espécie de novos censores que, mesmo assim, esta peça, sobre a investigação da Câmara Municipal da Guarda sobre as casas de Sócrates, tem contraditório: o Presidente da Câmara fala, o técnico suspeito de ter feito os projectos das casas assinadas por Sócrates foi contactado, entre outras pessoas. Posso dizer que esta peça, ao contrário do procedimento da ERC sobre ela, tem contraditório.
O resto da análise da peça é muito discutível. Contesta-se a frase em que se diz que a comissão de inquérito interna devia ter tido em atenção que num número reduzido de processos foram detectadas dezenas de assinaturas diferentes de José Sócrates, e que das duas, uma, ou as assinaturas não eram todas dele ou ele assina de muitas formas. A ERC diz que esta passagem necessitava de uma resposta de José Sócrates. Sem querer discutir com a ERC as dezenas de vezes que o gabinete de José Sócrates é contactado por causa de várias peças e se recusa sequer a responder, é preciso dizer que a ERC, na sua douta análise, se esqueceu que foram passadas imagens que mostravam muitas assinaturas de José Sócrates totalmente diferentes. O que significa que a afirmação da peça é verdadeira. Para lembrar os mais esquecidos, a busca da verdade dos factos ainda é o objectivo do jornalismo.
Finalmente, a ERC contesta o uso de ironia numa peça jornalística, nomeadamente mostrar-se um filme colocado no Youtube sobre as casas de Sócrates. A senhora e os senhores da ERC têm uma concepção de notícias de casaca com cauda. O seu modelo informativo preferido deve ser qualquer coisa como: “Sua majestade levantou-se hoje bem-disposta e de excelente saúde”. É preciso dizer-lhes que devem andar a dormir desde o 25 de Abril de 1974, e, para não ir tão longe, que nunca viram televisão nos últimos 15 anos. Na SIC, lembro-me de reportagens de excelentes jornalistas como Ricardo Costa, Vitor Moura Pinto, Reinaldo Serrano, Daniel Cruzeiro muito mais irónicas do que as da TVI. Façam o favor de voltar a Santa Comba Dão e deixem o jornalismo livre e em paz.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Gala dos pequenos censores

  1. mlk diz:

    Eh pá!Essa srª é do PS,uma social democrata,logo,uma democrata dos sete costados,excepto quando está a defender o regime de parasiatas onde ela se insere….
    Já agora,para vocês jornalistas,quando vão a Angola e descobrem a careca do pai da democracia( a Langley,of course) que andava a vender armas ao Jonas Savimbi?Aqui em Portugal,o assunto é tabú.Porquê,sr. jornalista?Pensei que esta merda é uma democracia….afinal,é só para os gajos dos BPP,BPN,Jaquins Coimbras e toda a corja de ladrões.Quando é que convidam um Berlusconi,ou um Álvaro Uribe…..?

  2. mlk diz:

    Já agora o ‘preto’ do OBama,o tal da Esperança.O partido republicano já tem um nigger na manga….
    Sociedade de palhaços!!!!

  3. Português Suave diz:

    Já agora, conviria saber, por exemplo, o motivo pelo qual o PSD mantém a confiança no sr. Elísio Cabral de Oliveira, membro da ERC por si indicado e que vem sistematicamente a revelar-se um socretino ainda mais feroz que os inenarráveis Azeredo e Estrela.
    A coisa é tanto mais estranha quanto se sabe que o sr. Elísio não tem passado jornalístico nem qualquer formação académica (muito menos na área, claro).

  4. fnv diz:

    Olha mais analfabetos como eu .

  5. Ana B diz:

    Gostei Sr Nuno de Almeida. O facto é que, o 25 Abril não mudou a faceta autoritária que está profundamente enraizada na nossa sociedade e, infelizmente, patente nos comportamentos de inúmeras figuras das elites (políticas, académicas, gestoras, etc). E não é só autoritarismo, é a falta de respeito pelos direitos dos outros. Será que a razão para haver poucos a insurgirem-se contra os “pequenos censores” se deve, não só à fraca iniciativa da sociedade civil, mas tb ao facto de uma grande parte do povo se rever neles? Ou porque não vislumbra uma alternativa credível?

  6. Pingback: anda tudo do avesso « BLASFÉMIAS

  7. Pajó diz:

    O movimento adensa-se

  8. José Manuel Santos Ferreira diz:

    Rádio Moscovo não fala verdade

Os comentários estão fechados.