Ajuizado

juiz

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a Ajuizado

  1. justiça! diz:

    sou jurista…nem tenho palavras para o que vi e ouvi!

  2. lingua de perguntador diz:

    Como é possível este juiz não ter ouvido as mães, afectiva e biológica, antes de proferir a sentença?

    E depois dizer que, pelo que ouviu da mãe afectiva “na televisão”, não acreditava que aquela pessoa pudesse ter dito o que vinha transcrito no processo! Enfim, kafkiano.

    Eu não percebo nada de justiça. Só me lembro vagamente da estória de um tal rei Salomão…

  3. “Só me lembro vagamente da estória de um tal rei Salomão…” exactamente.

    Foi no que pensei também. Pensei também que a mãe que nessa estória abdica da criança seria considerada por este “juiz” como imbuída de uma “maternidade serôdia”.

    Não saberá este “senhor” que toda a maternidade (todo o amor) é “serôdio”. Será que não lê os poetas, ao menos?

    Incrível.

Os comentários estão fechados.