Entrega da Declaração Electrónica de IRS (actualizado)

Aviso: O último dia do prazo, não conta.
Os últimos dias de entrega do IRS, dizem-me do apoio técnico telefónico (para o qual se espera meia hora), são sempre assim. Se o sistema, até às 24.00h, voltará a estar disponível, ninguém sabe e, presumo, que ninguém queira saber.
É assim que as Finanças conseguem cumprir as quotas de multas.

(actualização 19.18h)
De acordo com a TSF, fonte do Ministério das Finanças, diz que há excesso de gente a tentar entregar as declarações.
As anunciadas linhas de apoio telefónico também já estão em ruptura.

(actualização 20.02h)
Esclareça-se que, de acordo com o site das declarações electrónicas, apenas estão online cerca de 3300 utilizadores!

(actualização 20.07h)
O Ministério das Finanças mente e o “apoio” telefónico (707 206 707) continua em ruptura.

(actualização 21.28h)
Entregue. Após 7 horas de trabalho perdido, consegui fintar a armadilha traiçoeira das finanças. Os TOC’s já protestam.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

16 Responses to Entrega da Declaração Electrónica de IRS (actualizado)

  1. Paulo Ribeiro diz:

    ai-ai! é o que dá ser portuguesinho pateta. deixar tudo para o último dia. foste!

  2. Não tenho pena nenhuma, pelo contrário. Desleixado, e ainda por cima a protestar…

  3. Tiago Mota Saraiva diz:

    É verdade Paulo Ribeiro, são estas as armadilhas para tramar os tipos que trabalham e que ainda acreditam na seriedade das instituições.
    Viva os chicos-espertos das Finanças, que assim já podem cumprir as quotas das multas. Eu até acho que estas multas deviam ser pagas directamente no Largo do Rato. Por mim pagava-as em moedas, de 2,00€ que doem mais. Alinha?

  4. Tiago Mota Saraiva diz:

    Com tanto juiz de causas alheias, até admira que Sócrates ainda não esteja na cruz. Lembrai-vos que, eventualmente, haverá gente que, pelas mais diversas razões, apenas hoje teve disponibilidade ou todos os documentos para preencher a declaração, por exemplo.

  5. Também já me aconteceu entregar as declarações mesmo no limite mas, sendo culpa minha, não me queixo dos problemas que isso me possa trazer. O limite do prazo é conhecido há muito, há que tratar dos assuntos e dos documentos necessários com a antecedência adequada. É espantosa a coincidência da sua disponibilidade ter acontecido exactamente no último dia! 😉

  6. Paulo Ribeiro diz:

    ora, claro que alinho. como costumadamente se sabe, “tudo o que vem à rede é peixe”.

  7. Tiago Mota Saraiva diz:

    Caro TAF, então também é para ir votar no dia 6 de Junho? Acha que é melhor festejar o 13 de Maio a 12, para evitar confusões em Fátima?
    A lição a tirar é que quando o governo define uma data, não acredite.
    O mais engraçado é que o Ministério das Finanças diz que nada se passa, tudo decorre normalmente. De facto vivemos numa época em que a mentira se transformou num corrente argumento de Estado.

  8. Eu tenho a solução: marcar sempre os últimos dias para o dia a seguir.

  9. Caro homónimo, eu sou insuspeito de defender este Governo, dado o meu “curriculum” 😉
    Mas deveria ser evidente que não faz sentido o Estado desperdiçar recursos para montar um atendimento dimensionado para a multidão do último dia, só porque essa multidão se balda durante o resto do prazo. Não dirija neste caso a sua irritação para o Estado, quando ela tem origem apenas no seu próprio desleixo ou irresponsabilidade. Quer agora que seja também eu (como todos os outros contribuintes) a gastar o dinheiro dos meus impostos para aturar os atrasadinhos do costume…

  10. Tiago Mota Saraiva diz:

    Caríssimo, tenho gosto em saber que não dava um tostão para que os serviços online do Estado funcionem.
    Contudo não faça deduções sobre a minha pessoa. Não sou “atrasadinho do costume”, a minha declaração está preenchida à mais de 2 semanas. Só a entreguei agora, porque apenas hoje recebi uma declaração que um banco se esqueceu de me enviar. De qualquer forma, entregar no fim do prazo é tão legítimo como no princípio.
    E o portal não tinha assim tanta gente de acordo com a informação que nele constava, ou também seria mentira?

  11. “tenho gosto em saber que não dava um tostão para que os serviços online do Estado funcionem”

    Eis uma verdadeira “conclusão à Louçã”. 😉

  12. vp diz:

    Claro que o último dia é igual ao primeiro! Eu agendei para o último e, coincidência das coincidências não fui o único! À hora que lá fui, eram 4001, eu e mais 4000 e aquilo não andava nem para a frente nem para trás… Às 18.31 lá consegui. Duas horas depois de ter começado a tentar.

  13. “o último dia é igual ao primeiro! Eu agendei para o último”

    Que bom senso, que pontaria! 😉

  14. JMG diz:

    Andei o ano todo a pagar adiantado, em parte, o IRS que não devo, por isso tenho direito a restituição (é o costume, o facto de ter uma filha deficiente serve para fazer dedução – de parte das despesas inerentes – ao rendimento colectável, não serve para fazer deduções no pagamento por conta). Qualquer dia lá receberei a restituição. As multas por impossibilidade de declaração electrónica por entupimento de último dia parecem-me uma pequena picardia no meio dos despautérios de uma administração fiscal predatória e insaciável.

  15. Pingback: cinco dias » A institucionalização da mentira nas coisas mais básicas

  16. Manuel Pinheiro diz:

    Dizer mal alivia muito.Também passei em tempos horas na fila para entregar a declaração na roulote do Saldanha. Entreguei pela net há dois meses e já tenho o reembolso há um mês. Acho que está melhor, ninguém aqui concorda, pois não? Bem me parecia.

Os comentários estão fechados.