Afinal há pressões?

O PGR dizia que não e os procuradores dizem que sim. Fez-se um inquérito, que mais uma vez não cumpriu prazos e que concluiu qualquer coisa que motivou a abertura de um processo disciplinar a Lopes da Mota. Contudo todos os inúmeros recém-zeladores do direito ao bom nome, afirmam que nada está provado e que o homem não pode ser considerado culpado. Mas alguém me explica para que serviu este inquérito? O que investigou? Para que serve as suas conclusões?
E já agora, que sentido de serviço público é a deste indivíduo e do governo que o nomeou que, perante uma investigação sob questões tão graves se agarram com unhas e dentes a um tacho europeu, onde só está a prejudicar (ainda mais) a imagem e o nome do país que o nomeou?
Tendo em conta que o governo tarda em reagir, espero que na comunidade europeia haja o bom senso de obrigar este indivíduo a demitir-se do cargo de Presidente do Eurojust, e que o governo português não participe na próxima nomeação por poder ser parte interessada.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to Afinal há pressões?

  1. Grande país o nosso, começa a descobrir a sua vocação exportadora. Vigaristas é o nosso produto de sucesso. Se este é um bom exemplo, que dizer do Durão Barroso.

  2. Joane, o Parvo diz:

    De que cor será a Campanha desta vez?

  3. Paulo Ribeiro diz:

    meu caro, como bem recorda, trata-se da união europeia, conhecida pelo subido respeito à ordem constitucional dos seus estados, bem como, pelo respeito ao estado de direito democrático, ponto. agora, admito que nas suas repúblicas de eleição assim não seja. faz sentido. uma pergunta: não custa estar assim, tanto tempo, com a alma virada do avesso? com a cara amarrada? a ser um furioso? já o escrevi por estes sítios, e repito, os 5 dias, são uns furiosos natos. e o que se vê, nos comentários aos post, são, como dizia o outro, indignados de ambos os sexos.

  4. EU diz:

    Ponham Água Benta nas pressões!
    Há quem ache mais indigno que alguém se queixe de pressões do que alguém andar a pressionar.
    Lopes da Mota começou por negar tudo e de acordo com as notícias já confessou que evocou o nome do ministro da Justiça e do PM.
    Está bem! Venha mais um barril de lixívia.

  5. Tiago Mota Saraiva diz:

    Paulo Ribeiro, o mais correcto talvez até fosse apelar à comunidade que vive em torno da União Europeia. No que diz respeito à sua avaliação da nossa débil estrutura psicológica, não se preocupe. Furiosos, mas sérios.

  6. Sejeiro Velho diz:

    Tiago Saraiva
    Mas alguém me explica para que serviu este inquérito? O que investigou? Para que serve as suas conclusões?
    Para apurar que existe matéria que justifique a abertura dum processo disciplinar (não processo crime!)

    …espero que na comunidade europeia haja o bom senso…
    Aconselho-o a esperar sentado…

  7. Camelo no buraco da agulha? diz:

    E o que dizer do (que diz o) bastonário da OdA? É perigoso… (e ele sabe dos direitos!)
    E porque será que o ‘bandido’ até foi eleito presidente?
    E porque será que o ‘processo’ até pode demorar mais um ano?
    Furiosos e mesquinhos!

Os comentários estão fechados.