O histrião Hugh Laurie e a protest song dos tempos pós-modernos

Sade, sempre um curioso dos maquinismos, inventou numa das suas obras uma máquina que fazia rir, produzindo segundo o seu autor “une douleur si violente qu’il en résultait un rire sardonique, extrêmement curieux à examiner“.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a O histrião Hugh Laurie e a protest song dos tempos pós-modernos

  1. Carlos Vidal diz:

    Vi 2 minutos, mas pareceu-me ser aquilo que o outro gajo chamava de “obra aberta”.

Os comentários estão fechados.