Na política não vale tudo

as únicas lutas sociais dignas desse nome são as da “aristocracia operária”

a ministra da Educação deve trabalhar para isolar os sectores radicais e conquistar pelo menos a compreensão dos sectores mais moderados.

o Governo só tem uma via a seguir, se não a quiser perder — tornar claro que não cede, aguentar firme e ganhar a população a seu favor contra a tentativa de boicote corporativo, invocando o interesse geral (e sobretudo o interesse da escola e dos alunos) contra os interesse sectoriais e profissionais.”

Os funcionários públicos gozavam de muitos privilégios face aos trabalhadores do sector privado, desde uma maior segurança no emprego até um sistema de aposentação e de pensões muito mais favorável

As greves da Fenprof são assim como as manifestações da CAP: criam uma irrestível predisposição para apoiar as políticas contra as quais eles protestam!

Mas o líder da Fenprof não poderia ter sido mais enfático na afirmação de que os professores não querem nenhuma avaliação que tenha repercussão na progressão profissional

Quem pode ter acreditado que era possível um compromisso com a Fenprof quanto à avaliação, quando é evidente que os sindicatos não querem nenhuma avaliação que sirva para efeitos da progressão na carreira e na remuneração dos professores e que estão apostados em todas as manobras dilatórias para adiar indefinidamente a avaliação?

Estas são algumas das afirmações que Vital Moreira fez sobre as pessoas que se manifestavam ontem entre o Martim Moniz e a Alameda. Declarações, por vezes, insultuosas, com artigos e escritos publicados por todo o lado, onde o contraditório nunca chega. Mas isso agora é irrelevante.
O que terá levado Vital Moreira à manifestação da CGTP? Quereria saudar a “aristocracia operária”? Porque é que a organização da manifestação não sabia e a comunicação social foi chamada para acompanhar o percurso de Vital ao longo de todo o cortejo da manifestação, em vez de atalhar pelo interior do Martim Moniz (onde já não se encontravam manifestantes), para ir ter com a manifestação da UGT no Rossio?
A pronta tentativa de colar os actos estúpidos e tresloucados de alguns, ao PCP, é um sinal do desespero de Vital, e sempre simpático a todos os sectores do anti-comunismo. Ex-PCP’s havia muitos nesta manifestação e por cada organização que Vital Moreira passava, da Solidariedade Imigrante ao May Day (insuspeitos, não são Daniel?), era assobiado e insultado.
Vital Moreira, sabia que algo sucederia entre tantos milhares, não por ter sido militante do PCP, mas por ser actualmente, uma face das políticas do governo, do ataque aos professores e à função pública, do código do trabalho ou dos patrões.
Parabéns Dr. Vital, no dia dos trabalhadores, conseguiu construir a imagem do dia e criar um acidente estúpido e evitável.
Mas na política vale tudo não é?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.