Brites de Almeida a Santa, já!

padeira

Afinal, não fui o único a beneficiar da intercessão da Santa Padeira de Aljubarrota. Já circula pela net uma Petição que tem em em vista a beatificação e posterior canonização deste Vulto da nossa História, desta Mulher que nem precisou de armas para fazer a vontade do Senhor, chacinando os nossos inimigos. Ao que parece, os milagres estão a multiplicar-se. Que floresçam também as adesões a esta meritória e nobre missão.

Fiquem aqui com alguns excertos da bendita Petição: «os Promotores declaram-se inspirados pelas amplas provas de valentia, amor ao trabalho e caridade desta admirável figura da nossa História. Uma mulher humilde, pouco agraciada pela beleza e logo distinguida à nascença pelos seis dedos que ostentava em cada mão; outros tantos dons do Senhor para mortificar o pecaminoso invasor castelhano e melhor amassar o pão com que alimentava os vizinhos, quer fossem nobres ou desvalidos sem eira nem beira.

Porque não elevar este rutilante paradigma da Mulher Portuguesa à santidade oficial? Ao fim e ao cabo, ela foi responsável por muito menos mortes do que o agora Santo Condestável; mesmo a sua arma preferida, a pá, é coisa mais humana e produtiva do que a bruta espada (relembremos o episódio em que Cristo ordena a Pedro que embainhe a sua). Por outro lado, ela teve origens humildes, mas que sempre nos parecem mais adequadas do que ser filho de um prior e neto de um arcebispo, como o mais recente santo luso.

(…)Os mais corroídos pelo vírus do cepticismo por certo apresentarão o estafado argumento da provável inexistência, no sentido biologicamente convencional, da Gloriosa Padeira. Não conseguimos ver onde jaz o óbice: Juan Diego, o santo índio mexicano, também é bem capaz de nunca ter vivido, o que não o impediu de ser canonizado por João Paulo II. A santidade é mesmo um estado de espírito, não um rasteiro assunto de carne e ossos.
(…)
Os Promotores estão na posse de alguns dados que sugerem que eventos espantosos, desafiando as leis do mundo natural, já ocorreram, mediante a intervenção da Nossa Padeira: uma verruga desaparecida da noite para o dia a uma aldeã de Cervilhares; uma vaca leiteira que inopinadamente começou a produzir iogurte com pedaços de uma fruta ainda não identificada; o aparecimento na traseira de um autocarro da Carris de uma mancha de ferrugem reproduzindo de forma incontroversa a efígie daquela que na alma do bom Povo já é Santa.»

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to Brites de Almeida a Santa, já!

Os comentários estão fechados.